Daily Archives

Sistema de Células recebe Reconhecimento Pontifício

Por | CÉLULA - DEFINIÇÕES
Em 29 de maio de 2009, o sistema de Células Paroquiais de Evangelização (CPE), introduzida na Europa em 1985 pelo sacerdote Dom Pigi Perini, da Paróquia de Santo Eustorgio, em Milão, recebeu, em Roma, o Reconhecimento por parte do Conselho Pontifício para os Leigos.
O Bispo Clemens, que presidiu a cerimônia, explica o significado deste ato para a Igreja: “… com o reconhecimento pontifício, a Igreja como que acolhe o carisma, o caminho, o método, o modo de evangelizar. É um momento de reflexão e também de aceitação. Ou seja, a Igreja aceita o sistema de células como um bom caminho, justo, viável e também dá um novo impulso ao movimento, para que se intensifique a sua utilização. “
Segundo Dom Pigi, que é presidente do Organismo Internacional de Serviço das Células Paroquiais, a partir de agora, essa nova estratégia de evangelização será proposta de forma universal para toda a Igreja: “Esta aprovação pelo Conselho Pontifício para os Leigos faz compreender que esse método não é meu, mas pertence à Igreja, e que a Igreja a faz sua e a propõe. Isso abre muitos caminhos, envolvendo  bispos e párocos, e há esperança de que possa trazer muitos frutos. “
Segundo o Pe. Arnaud Adrien, responsável pelo sistema em células na França, o reconhecimento oficial obtido é um convite para se mostrar o dinamismo dessa proposta: ” Este reconhecimento pelo Conselho Pontifício nos envia a todas as nações. Então nós temos que fazer um grande trabalho de divulgação e convidar outras pessoas para conhecer esse método de evangelização, que poderá renovar profundidamente as paróquias”.
Fonte: http://www.h2onews.org/index.php?option=com_content&view=article&id=18857:h2onews&catid=1:eventi&Itemid=55

Católicos em Células?! Fundamentos e conhecimento.

Por | CÉLULA - DEFINIÇÕES

O que são Células?

O termo “célula” é sugestivo, pois a Igreja de Cristo, como nos diz São Paulo, é um “corpo” (cf ICor 12, 27) e sabemos que o corpo humano é composto por milhares de pequenas unidades que se juntam para formar o corpo. Essas unidades são chamadas células. Um bebê tem seu início em uma pequena célula no útero da sua mãe, então ela cresce e se multiplica em duas células. Essas duas se transformam em quatro, as quatro em oito e assim por diante.

Uma célula que cresce e se multiplica, transforma-se em um corpo humano, vivo, saudável e maravilhoso! Assim a Igreja de Cristo deve crescer, pois este foi o mandato de Jesus: “Ide, então fazei de todos os povos discípulos meus”. (Mt 28,19)

Células de Evangelização – São pequenos grupos, de no mínimo 3 pessoas e no máximo 12 pessoas, que crescem e multiplicam-se como células humanas.

Como as células crescem?
Através da evangelização. Cada membro da célula, evangeliza uma ou mais pessoas de seu relacionamento cotidiano, trazendo-as para a célula, então se da o crescimento multiplicando-se ou através de implantação de novos núcleos celulares.

Multiplicação – Uma célula quando ultrapassa o número ideal de participantes (12 pessoas) multiplica-se em 2 ou 3 novas células. Os líderes auxiliares da célula (mãe) serão os líderes das novas células (filhas).

Implantação – Se a necessidade exigir, um líder já treinado dentro do sistema de células e participante de uma célula, começa sozinho ou com mais um membro uma nova célula. Desta forma uma célula com 12 pessoas, pode iniciar 12 novas células.

Tipos de células

Heterogênea: Composta de pessoas que possuem algo em comum como: parentesco, estado de vida comum, faixa-etária, profissão, lazer.

Homogênea: Composta de pessoas que possuem algo em comum faixa-etária, profissão, lazer.

Objetivos das células

1- Louvor (Liturgia)
2- Evangelização (Kerigma)
3- Comunhão fraterna (Koinonia)
4- Discipulado (Katequese)
5- Serviço (Diakonia)

Elementos da Reunião Celular
As reuniões vivenciam os objetivos celulares em 5 passos (5 “E´s”); baseado em At 2,42-47

1° Passo – Encontro – (Acolhida) -> COMUNHÃO
Objetivo: Integrar as pessoas, fazendo com que elas estejam à vontade na reunião não sentindo-se ameaçadas.
Atividades: Perguntar e dinâmicas – pequeno lanche
Duração: 10-15 min

2° Passo – Exaltação (Louvor) -> Louvor
Objetivo: Interação entre nós e Deus, focalizamos nossa atenção na presença de Deus entre nós.
Atividades: Cânticos, salmos, louvor espontâneo e silêncio.
Duração: 15 min.

3° Passo – Edificação (Ensino) -> Discipulado
Objetivo: Interação – Deus para nós através de sua Palavra, indo ao encontro das necessidades, edificando as pessoas, ajudando-as na vivência cristã.
Atividades: Estudo da Bíblia, perguntas, respostas e partilha
Duração: 40 min.

4° Passo – Evangelização (Missão) -> Evangelização
Objetivo: Interação; Deus agindo por meio de nós (alcançando os afastados) encorajamento para a missão evangelizadora.
Atividades: Planejamento de estratégias de evangelização, motivação por parte do líder para evangelizar, apresentação dos nomes dos que serão e estão sendo evangelizados para a oração.
Duração: 15 min.

5° Passo – Entrega (oração) -> Serviço
Objetivo: Interação entre Deus e nós. Através de súplicas e intercessão pelas necessidades da Obra de Deus e pelas necessidades pessoais. Aqui também se faz a partilha de bens materiais, quando for necessário.
Atividades: Oração uns pelos outros, intercessão pelos que estão sendo evangelizados, compromisso com a oração pelas pessoas durante a semana, partilha material.
Duração: 15 min.

Tempo de Reunião: 1 hora e meia.

Local da Reunião: Preferencialmente nas casas, porém se for necessário em qualquer lugar (escola, fábrica…)

Dia – Qualquer dia
Horário – Qualquer horário

Vantagens das células
1- Envolvimento pessoal
2- As pessoas ficam mais unidas
3- O pequeno grupo facilita a evangelização
4- Integração das pessoas na Igreja através de amizades
5- Acompanhamento pessoal (pastoreio)
6- Revelação de dons espirituais e geração de novos líderes
7- Ajuda mútua
8- Ensino bíblico prático

Fundamentos Bíblicos das Células
O Princípio de Jetro: Êxodo 18, 13-25
Ministério de Jesus
• Pequeno grupo de discípulos:
Mt 13,36
• Evangelização nas casas:
Mt 8,14; Mc 2,3; Mt 8,14; Mc 5,38-42; Lc 7,36; Lc 10,38-42; Lc 19,10
Igreja Primitiva
• Reuniões Cristãs nos lares: At 2, 42-47; At 12-17; At 20,7-12.20; Rm 16, 3-5; I Cor 16, 3-5; Colossenses 4,15; Filemon 2.

O texto acima nos mostra alguns aspectos que contrariam a doutrina católica:

1) A liderança das células é dada a um leigo, chamado de ‘líder’, vinculado a outra célula, pois dela deriva sua ‘formação’ e liderança.

2) Estrutura “piramidal”: cada célula de 12 pessoas (máximo) pode gerar 12 céluas, onde cada uma geraria mais 12, crescendo em ‘progressão geométrica”. Ou seja, cada membro de célula é um ‘líder’ em potencial de inúmeras células!

3) Todas as atividades da célula não tem a participação de um clérigo, no caso dos ‘católicos em células’, já que cada membro da célula é um líder em potencial de uma nova célula.

CATÓLICOS EM CÉLULAS NO MUNDO

EUA
A primeira experiência católica com a visão de células data de 1982. O irlandês – Pe. Michael Eivers -, depois de muito orar e estudar, buscando uma direção de Deus para o seu ministério, tomou conhecimento da estratégia da maior igreja evangélica do mundo, na Coréia do Sul, liderada pelo Pr. Paul Y. Cho, toda articulada em pequenos grupos familiares.
(Tal como no Movimento “Carismático”, a origem do movimento de “católicos em células” vem do protestantismo – estratégia da ‘maior’ (?) igreja evangélica do mundo, liderada por Paul Cho. Estratégia esta que deriva do ‘livre-exame’ da Bíblia, da negação do Magistério da Igreja. Mais um fruto de ‘experiências’ buscadas por alguém insatisfeito pelo que o ensino da Igreja oferecia…)

ITÁLIA
Em 1988, inspirado na Paróquia de São Bonifácio, Pe. PiGi Perini, implantou a visão de células na Paróquia Santo Eustorgio, em Milão (ITA), tendo sido estimulado pelo Cardeal Martini (arcebispo na época).

VENEZUELA
O Pe. Vincenzo Mancini Pozzati vem, desde 1991 – influenciado por Pe. PiGi –, desenvolvendo o sistema de células em seu país. Atualmente conta com mais de 2000 células, ligadas à Fundação Bom Samaritano, uma associação de fiéis cuja sede com sede em Caracas.

Já existem, no Brasil, dois ‘pólos’ de proliferação do movimento de ‘católicos em células’ :

PARÓQUIA ESPÍRITO SANTO

A Paróquia Espírito Santo, da Diocese de São José dos Campos, iniciou primeiro esta experiência. Liderada pelo Pe. Luis Fernando Soares, desde 2004 esta comunidade vem provando grande crescimento e multiplicação, por ter assumido como propósito tornar cada casa da paróquia uma célula, extensão da comunidade e cada membro, um discípulo e missionário de Jesus Cristo.
http://www.paroquiaespiritosanto.com.br/

COMUNIDADE FANUEL

A Comunidade Fanuel, da Diocese de Santo André, é uma associação privada de fiéis liderada pelo casal Sandro Fatobene Peres e Rosemeire S. F. Peres.
Em 2006 fez a transição de uma comunidade com células para uma comunidade em células e desde então vem crescendo na compreensão do que é ser o corpo de Cristo, à semelhança das comunidades descritas no Novo testamento.
http://www.comunidadefanuel.com/

(As informaçãoes em itálico foram extraídas do blog “LIBERTOS DO ‘OPRESSOR’”)

Em breve apresentarei as contestações ao sistema de células, feitas por estudos de igrejas protestantes tradicionais. Antes de mais nada, é importante frisar que, tal como o Movimento Carismático, o sistema de células inicialmente foi um rompimento com o sistema tradicional das ‘denominações’ evangélicas, e de certo modo estes sistemas e movimentos são usados para uma ‘união’ de denominações, inclusive entre católicos e evangélicos. Seria, na verdade, uma forma de convivência “ecumênica” entre católicos e evangélicos, atendo-se somente ao ‘que os une’, e desprezando essencialmente ‘o que os separa’, como Maria, os Santos, a Eucaristia, o Primado Petrino, o Magistério da Igreja.

Pax Christi!