As 5 urgências ação evangelizadora da Igreja no Brasil

Os Bispos católicos do Brasil elaboram em conferência (CNBB) a cada 4 anos as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Como diz o nome, é um conjunto de diretrizes que nortea a ação pastoral de todos nós agentes missionários participantes da Igreja. As atuais Diretrizes em vigor (2011-2015) apontam 5 exigências:

PRIMEIRA EXIGÊNCIA: uma ação missionária permanente. Veremos nas páginas destas Diretrizes, a palavra discípulos-missionários, que é fruto da Assembleia de Aparecida(2007). A clara necessidade de sempre anunciar de novo a Jesus Cristo e o seu Reino. É preciso anunciar, mostrar, apresentar Jesus Cristo para o mundo e uma conversão pastoral que deve mexer nas estruturas internas das comunidades paroquiais. Ousar o Evangelho foi o lema usado pelo movimento Equipes de Nossa Senhora no XI Internacional em Brasília em julho de 2012. Anunciar com ousadia, mansidão e coragem…de todas as formas que o mundo atual exige.

SEGUNDA EXIGÊNCIA: Iniciação à vida cristã. O Zelo e o cuidado com os que irão receber os sacramento de iniciação. A fraterna acolhida, a devida instrução com catequese programada e agentes capacitados e o testemunho coerente de toda a comunidade. Incomoda-me reconhecer que a pergunta mais feita na secretaria paroquial: se é preciso participar da preparação ao batismo? Quantos padrinhos podem ser? Se pode batizar em casa ou no sítio???? Urge uma formação séria e corajosa para este belo momento da vida. Como também a catequese para Primeira Comunhão e Crisma que ainda é muito tímida em nossas comunidades. Não podemos esquecer igualmente da catequese para adultos. Jamais supor que nossos fieis conheçam a razão de sua fé. Com alegria e otimismo padres do centro do País testemunharam nestes congressos que participei que a catequese de Primeira Comunhão e Crisma é um período de 6 anos e que nos Estados Unidos da América do Norte, o curso de noivos de um semestre.

TERCEIRA EXIGÊNCIA: Animação da Vida da Ação da Igreja a partir da Palavra de Deus. A Igreja não é um ONG do Bem e Deus tampouco é uma ideia ética.  Toda Ação Pastoral precisa ser vivificada pela Palavra de Deus que é vida e traz eficácia. A Igreja é um corpo. Um organismo vivo e dinâmico, guiado pelo Espírito de Deus através e de seus sinais e Palavra. Pela minha experiência pastoral percebo muitos grupos usarem em seus movimentos, mensagens de poetas e romancistas, que ficam aquém da riqueza, da beleza e a força da Palavra de Deus. A proposta é que a Bíblia seja o manual do católico.

QUARTA URGÊNCIA: A Vida Comunitária da Igreja.  Mudanças sociais  e culturais também afetaram o íntimo da comunidade de fé, que é a sua convivência fraterna, na partilha,na acolhida,na participação. Nos tornamos individualistas e mesmo estando presente em grandes eventos, como estas Missas “tipo Padre Marcelo”, estamos indiferentes ao outro. Deixamos de ser fieis e somos massa. Urge redescobrir o sentido e o lugar teológico da comunidade e do Domingo o Dia do Senhor.

QUINTA URGÊNCIA: colocar-se a serviço da vida plena de todos. É a verdadeira caridade. Opção evangélica de Jesus Cristo. Socorrer quem necessita. A vida em primeiro plano. A saúde, a dignidade, os sentimentos de segurança e afeto. Pela fé oferecemos, doamos o que é nosso: o tempo, as habilidades, os próprio sentimentos de solidariedade. ” Eu vim para que todos tem vida plenamente”.

Claro que nossos bispos também oferecem indicações para uma ação pastoral. Este quadriênio está focado nos jovens, em vista da Jornada Mundial da Juventude em 2013 no RJ e da Família que tem a atenção permanente. Apontam igualmente para a responsabilidade com o Meio Ambiente dizendo que a natureza é casa e amparo da vida.

Percebemos assim uma inversão de urgências nos últimos 30 anos. Nos anos 80 a primazia era a luta pelos direitos humanos e sociais. Atualmente estamos mais focados na missão do anúncio e do testemunho coerente. Diria que é fazer o tema de casa  e arrumar a cozinha.

Baixe aqui o Documento doc94cnbb