Todos os post de

WebMaster Comunidade Fidelidade

O demônio não suporta que os esposos se amem, revela exorcista

Por | FORMAÇÕES

MEXICO D.F., 06 Ago. 14 / 02:48 pm (ACI/EWTN Noticias).- “Não suporto que se amem!”, foi a resposta imediata e clara que o demônio deu ao exorcista italiano Pe. Sante Babolin durante um dos “combates”, quando o sacerdote lhe questionou por que estava causando problemas à esposa de um amigo.

“Por que este ódio?” Em declarações ao Semanário da Fé, o sacerdote explicou que Satanás detesta o Matrimônio porque é o sacramento mais próximo à Eucaristia.

“Explico-me: na Eucaristia, nós oferecemos o pão e o vinho ao Senhor, que pela ação do Espírito Santo, convertem-se no Corpo e Sangue de Jesus. No Sacramento do Matrimônio ocorre algo parecido: pela graça do Espírito Santo, o amor humano se converte no amor divino, assim, de maneira real e particular, os esposos, consagrados pelo Sacramento do Matrimônio, realizam o que diz a Sagrada Escritura: ‘Deus é amor: quem conserva o amor permanece em Deus e Deus com ele”.

Nesse sentido, o exorcista abordou o aumento no número de separações, cuja maioria se deve à degradação do amor entre homem e mulher.

“O Papa Bento XVI o assinalou em sua encíclica Deus caritas est: ‘O modo de exaltar o corpo, a que assistimos hoje, é enganador. O eros degradado a puro sexo torna-se mercadoria, torna-se simplesmente uma coisa que se pode comprar e vender; antes, o próprio homem torna-se mercadoria’. ‘E qualquer loja precisa renovar as mercadorias para vendê-la. Assim é do matrimônio fundamentado no sexo sem verdadeiro eros’”, expressou.

O sacerdote recordou que “o amor humano e divino, oferecido pelo Sacramento do Matrimônio, não é um amor instintivo, como não é instintiva a fé em Cristo; por isso necessita cultivo, vigilância e paciência”.

Por isso, alertou que “à infidelidade se chega com pequenas infidelidades; por isso cada esposo deve ter presente sempre, na sua cabeça e no seu coração, o outro; o diálogo e a confiança devem sempre permanecer”.

“O Diabo prova os esposos cristãos para levá-los à infidelidade, exatamente porque ele, sendo ódio, não tolera o amor”, assinalou.

Diante desta situação, recomendou que o casal reze o terço junto para afastar-se da tentação da infidelidade, além de praticar atividades que fortaleçam sua união.

Sobre o perdão, o Pe. Babolin afirmou que tem “um papel decisivo”, pois “renova a graça do Sacramento do Matrimônio. Mas o verdadeiro perdão tem que ser um acontecimento excepcional, pois viver o Matrimônio em uma constante busca de perdão, significa viver o amor em uma sala de reanimação”.

“O ideal seria descobrir, com a ajuda de pessoas competentes na vida

de fé e na dinâmica psicológica relacional, as armadilhas do Inimigo do Amor. O Sacramento do Matrimônio oferece a força do Espírito Santo para que os esposos atuem uma espécie de personalidade corporativa, que realiza um caminho de santidade compartilhada”, assegurou.

São Judas Tadeu e São Simão – 28 de Outubro

Por | SANTOS DA IGREJA

Celebramos na alegria da fé os apóstolos São Simão e São Judas Tadeu. Os apóstolos foram colunas e fundamento da verdade do Reino.

São Simão: Simão tinha o cognome de Cananeu, palavra hebraica que significa “zeloso”. Nicéforo Calisto diz que Simão pregou na África e na Grã-Bretanha. São Fortunato, Bispo de Poitiers no fim do século VI, indica estarem Simão e Judas enterrados na Pérsia. Isto vem das histórias apócrifas dos apóstolos; segundo elas, foram martirizados em Suanir, na Pérsia, a mando de sacerdotes pagãos que instigaram as autoridades locais e o povo, tendo sido ambos decapitados. É o que rege o martirológio jeronimita.

Outros dizem que Simão foi sepultado perto do Mar Negro; na Caucásia foi elevada em sua honra uma igreja entre o VI e o VIII séculos. Beda, pelo ano de 735, colocou os dois santos no martirológio a 28 de outubro; assim ainda hoje os celebramos. Na antiga basílica de São Pedro do Vaticano havia uma capela dos dois santos, Simão e Judas, e nela se conservava o Santíssimo Sacramento.

São Judas Tadeu: Judas, um dos doze, era chamado também Tadeu ou Lebeu, que São Jerônimo interpreta como homem de senso prudente. Judas Tadeu foi quem, na Última Ceia, perguntou ao Senhor: “Senhor, como é possível que tenhas de te manifestar a nós e não ao mundo?” (Jo 14,22).

Temos uma epístola de Judas “irmão de Tiago”, que foi classificada como uma das epístolas católicas. Parece ter em vista convertidos, e combate seitas corrompidas na doutrina e nos costumes. Começa com estas palavras: “Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados e amados por Deus Pai, e conservados para Jesus Cristo: misericórdia, paz e amor vos sejam concedidos abundantemente”. Orígenes achava esta epístola “cheia de força e de graça do céu”.

Segundo São Jerônimo, Judas terá pregado em Osroene (região de Edessa), sendo rei Abgar. Terá evangelizado a Mesopotâmia, segundo Nicéforo Calisto. São Paulino de Nola tinha-o como apóstolo da Líbia. Conta-se que Nosso Senhor, em revelações particulares, teria declarado que atenderá os pedidos daqueles que, nas suas maiores aflições, recorrerem a São Judas Tadeu. Santa Brígida refere que Jesus lhe disse que recorresse a este apóstolo, pois ele lhe valeria nas suas necessidades. Tantos e tão extraordinários são os favores que São Judas Tadeu concede aos seus devotos, que se tornou conhecido em todo o mundo com o título de Patrono dos aflitos e Padroeiro das causas desesperadas.

São Judas é representado segurando um machado, uma clava, uma espada ou uma alabarda, por sua morte ter ocorrido por uma dessas armas.

São Simão e São Judas Tadeu, rogai por nós!

São Daniel Comboni – Pai dos Negros

Por | SANTOS DA IGREJA

São Daniel Comboni nasceu em uma vila chamada Teseul, no norte da Itália, próximo ao lago de Garda, em 15 de março de 1831. Era de uma família humilde de agricultores. Seus pais, Luigi e Domenica, tiveram oito filhos, mas só Daniel sobreviveu.

Origem simples de São Daniel Comboni

Seus pais eram jardineiros. Em sua casa só havia os bens essenciais, pouca comida, a roupa indispen­sável para se proteger do inverno. A riqueza era a estrutura familiar bem sólida. Seus pais lhe ensinaram o respeito pelos outros, o valor da honestidade, o amor ao trabalho e, principalmente, a importância da fé em Deus. São Daniel tinha orgulho de sua terra natal e nunca esqueceu suas raízes. Um dia, já crescido e importante, escreveu a um amigo:Grandes e ricos me cumprimentam e reverenciam. Se eles soubessem que nasci em Teseul.

Inteligência e vocação

A professora de Daniel notava que ele era diferente: suas respostas revelavam grande inteligência. Ele também era um menino curioso que questionava tudo. Com apenas dez anos já queria ser padre. Porém, para estudar foi preciso ir para Verona, longe da família, sob os cuidados de Nicola Mazza, um padre que tinha fundado duas escolas.

Quando leu Vitórias dos Mártires, de Santo Afonso Maria de Ligório, aos 15 anos, ficou empolgado e decidiu que seria missionário. Aos 17, fez uma promessa. Ele escreveu assim: Foi em janeiro de 1849, quando era estu­dante de Filosofia. Jurei aos pés de meu venerado superior, o padre Mazza, consa­grar toda a minha vida ao apostolado na África Cent­ral. Nunca faltei, com a graça de Deus e apesar da mudança das circunstâncias, à minha promessa. Des­de aquele momento, não tive outro objetivo senão pre­parar-me para tão santa empresa. Em dezembro de 1854 Daniel Comboni recebeu o Sacramento da Ordem, tonando-se padre aos 23 anos de idade, na cidade de Trento.

São Daniel Comboni parte em missão a África

Ele se preparou para a missão na África estudando francês, inglês, espanhol, árabe, português, alemão e algumas línguas africanas. Em 1857, partiu em sua primeira viagem missionária na África, dedicando-se na luta contra a escravidão. Mas essa viagem não saiu como planejada. Três companheiros morreram de malária. Os outros obstáculos foram a língua e o clima. O calor de 40 graus era demais para os europeus.

Em viagem a Roma, ao visitar o túmulo de São Pedro, Daniel teve uma forte inspiração e no Concílio Vaticano I (dezembro/1869 a dezembro/1870), explicou aos bispos o seu projeto de restauração dos africanos. Sua inspiração era a desalvar a África com os africanos. Para isso, era necessário preparar bem os sacerdotes e os missionários in loco, na própria África, na realidade africana. Sua inspiração foi aclamada no concílio.

Missionário incansável

Mais do que ninguém, São Daniel Comboni amou os homens de pele negra e o continente africano. Por causa desse amor sem medidas, ele viajava bastante e fundou vários colégios, sempre sonhando em fazer a África crescer, melhorar, sair da pobreza. Com a ajuda de algumas mulheres fundou e organizou a Congregação Pias Madres da Nigritia.

O Vaticano reconheceu o esforço e a luta de São Daniel Comboni. Prova disso é que por ordem de um Cardeal do vaticano, responsável pela propagação da fé, Daniel fundou, em 1867, um instituto chamado Filhos do Sagrado Coração de Jesus. Atualmente são conhecidos como Missionários Combonianos do Coração de Jesus (MCCJ). Eles estão presentes no mundo todo e possuem 24 mártires. Em 1877 ele foi consagrado como bispo deste Vicariato, responsável pela África Central.

Falecimento de São Daniel

São Daniel Comboni morreu no dia 10 de outubro de 1881, na cidade de Cartum, Sudão, país paupérrimo da África, vítima de febre alta. Vários companheiros já tinham morrido do mesmo mal. Antes de morrer, exortou aos amigos que não desistissem jamais da missão, mesmo que sobrasse apenas um deles.

Devoção a São Daniel Comboni

No dia 5 de outubro de 2003, Daniel Comboni foi canonizado pelo Papa João Paulo II. A liturgia da Igreja celebra sua festa no dia 10 de outubro. A causa de sua canonização foi a cura de uma menina com problemas no aparelho digestivo, ocorrida na cidade de São Mateus, no Espírito Santo, nos anos de 1970, onde foi erguida uma igreja em sua homenagem.

Carlos Cassiano, o médico que fez a cirurgia no estômago da menina, detectou uma infecção generalizada, sendo que não mais nada podia ser feito para salvar a vida da menina. Parentes e amigos ficaram surpresos e chocados com a notícia. Por isso, passaram toda a noite em orações e súplicas,  implorando a intercessão de São Daniel Comboni, por influência dos missionários combonianos na região. E o milagre aconteceu: a menina levantou curada no dia seguinte. O fato foi estudado por médicos e especialistas que constataram: a cura da menina é um fato que não pode ser explicado pela ciência.

Veja o Vídeo

A Santidade Pessoal. Um desafio diário.

Por | PARTILHA DO FUNDADOR

“Pois, se continuarmos a pecar de propósito, depois de conhecer a verdade, já não há mais sacrifício que possa tirar os nossos pecados.” (Hebreus 10:26)

Ah Meus irmãos, isto é muito sério. O Carisma é pesado. Glória a Deus por nos escolher.

Visto os atuais acontecimentos mundiais, nacionais e até mesmo em nossas famílias, tenho sofrido de tanto pensar em como não ser “mais um” a se entregar a presente apostasia que reina na sociedade.  Em como não compactuar com conceitos e imposições que são contra o evangelho e ser exemplo para a família e para os irmãos.

Veja mais

“Anjos da guarda existem, ouçamos sua voz!”, diz Papa

Por | FORMAÇÕES

No dia em que a Igreja celebra os Santos Anjos da Guarda, Papa convidou fiéis a pensar no relacionamento com esse “companheiro de caminho”

Da Redação, com Rádio Vaticano

Os anjos da guarda existem, não são uma doutrina fantasiosa, mas companheiros que Deus colocou ao lado do homem no caminho da vida. Foi o que disse o Papa Francisco na homilia desta quinta-feira, 2, na Casa Santa Marta, no dia em que a Igreja celebra a memória dos Santos Anjos da Guarda.

As leituras do dia apresentam duas imagens: o anjo e o menino. Deus colocou um anjo ao lado do homem para protegê-lo. “Se alguém aqui acredita que pode caminhar sozinho, engana-se muito, cai no erro da soberbia, acredita ser grande e autossuficiente”.

Francisco explicou que Jesus ensinou aos apóstolos ser como as crianças. Os discípulos brigavam para ver quem era o maior entre eles, mas Jesus ensinava a atitude das crianças, que é a docilidade, a necessidade de conselho, de ajuda. Este é o caminho, não se trata de quem é maior, disse o Papa. Segundo ele, os que se aproximam dessa atitude de uma criança estão mais próximos da contemplação do Pai, escutam com o coração aberto e dócil o anjo da guarda.

“Todos nós, segundo a tradição da Igreja, temos um anjo conosco, que nos guarda, nos faz ouvir as coisas. Quantas vezes ouvimos: ‘Deveria fazer isso, assim não, tenho que ficar atento…’ Muitas vezes! É a voz do nosso companheiro de viagem. Temos de nos assegurar que ele nos levará até o fim de nossa vida com seus conselhos, temos de dar ouvidos à sua voz, não nos rebelar, pois a rebelião, o desejo de ser independente todos nós o temos: é a soberba”.

Assim sendo, ninguém caminha sozinho e não pode pensar que está só, porque pode contar com esse “companheiro”. Expulsá-lo é uma atitude perigosa, ressaltou Francisco, porque ninguém pode aconselhar a si mesmo.

“O Espírito Santo me aconselha, o anjo me aconselha. O Pai disse: ‘Eu mando um anjo diante de ti para guardar-te, para te acompanhar no caminho, para que não erres’. (…) Hoje eu pergunto: como está minha relação com o meu anjo da guarda? Eu o escuto? Digo-lhe ‘bom dia’? Peço-lhe para velar meu sono? Falo com ele? Peço conselhos? O anjo está ao meu lado!”.

Sistema de Células recebe Reconhecimento Pontifício

Por | CÉLULA - DEFINIÇÕES
Em 29 de maio de 2009, o sistema de Células Paroquiais de Evangelização (CPE), introduzida na Europa em 1985 pelo sacerdote Dom Pigi Perini, da Paróquia de Santo Eustorgio, em Milão, recebeu, em Roma, o Reconhecimento por parte do Conselho Pontifício para os Leigos.
O Bispo Clemens, que presidiu a cerimônia, explica o significado deste ato para a Igreja: “… com o reconhecimento pontifício, a Igreja como que acolhe o carisma, o caminho, o método, o modo de evangelizar. É um momento de reflexão e também de aceitação. Ou seja, a Igreja aceita o sistema de células como um bom caminho, justo, viável e também dá um novo impulso ao movimento, para que se intensifique a sua utilização. “
Segundo Dom Pigi, que é presidente do Organismo Internacional de Serviço das Células Paroquiais, a partir de agora, essa nova estratégia de evangelização será proposta de forma universal para toda a Igreja: “Esta aprovação pelo Conselho Pontifício para os Leigos faz compreender que esse método não é meu, mas pertence à Igreja, e que a Igreja a faz sua e a propõe. Isso abre muitos caminhos, envolvendo  bispos e párocos, e há esperança de que possa trazer muitos frutos. “
Segundo o Pe. Arnaud Adrien, responsável pelo sistema em células na França, o reconhecimento oficial obtido é um convite para se mostrar o dinamismo dessa proposta: ” Este reconhecimento pelo Conselho Pontifício nos envia a todas as nações. Então nós temos que fazer um grande trabalho de divulgação e convidar outras pessoas para conhecer esse método de evangelização, que poderá renovar profundidamente as paróquias”.
Fonte: http://www.h2onews.org/index.php?option=com_content&view=article&id=18857:h2onews&catid=1:eventi&Itemid=55

Católicos em Células?! Fundamentos e conhecimento.

Por | CÉLULA - DEFINIÇÕES

O que são Células?

O termo “célula” é sugestivo, pois a Igreja de Cristo, como nos diz São Paulo, é um “corpo” (cf ICor 12, 27) e sabemos que o corpo humano é composto por milhares de pequenas unidades que se juntam para formar o corpo. Essas unidades são chamadas células. Um bebê tem seu início em uma pequena célula no útero da sua mãe, então ela cresce e se multiplica em duas células. Essas duas se transformam em quatro, as quatro em oito e assim por diante.

Uma célula que cresce e se multiplica, transforma-se em um corpo humano, vivo, saudável e maravilhoso! Assim a Igreja de Cristo deve crescer, pois este foi o mandato de Jesus: “Ide, então fazei de todos os povos discípulos meus”. (Mt 28,19)

Células de Evangelização – São pequenos grupos, de no mínimo 3 pessoas e no máximo 12 pessoas, que crescem e multiplicam-se como células humanas.

Como as células crescem?
Através da evangelização. Cada membro da célula, evangeliza uma ou mais pessoas de seu relacionamento cotidiano, trazendo-as para a célula, então se da o crescimento multiplicando-se ou através de implantação de novos núcleos celulares.

Multiplicação – Uma célula quando ultrapassa o número ideal de participantes (12 pessoas) multiplica-se em 2 ou 3 novas células. Os líderes auxiliares da célula (mãe) serão os líderes das novas células (filhas).

Implantação – Se a necessidade exigir, um líder já treinado dentro do sistema de células e participante de uma célula, começa sozinho ou com mais um membro uma nova célula. Desta forma uma célula com 12 pessoas, pode iniciar 12 novas células.

Tipos de células

Heterogênea: Composta de pessoas que possuem algo em comum como: parentesco, estado de vida comum, faixa-etária, profissão, lazer.

Homogênea: Composta de pessoas que possuem algo em comum faixa-etária, profissão, lazer.

Objetivos das células

1- Louvor (Liturgia)
2- Evangelização (Kerigma)
3- Comunhão fraterna (Koinonia)
4- Discipulado (Katequese)
5- Serviço (Diakonia)

Elementos da Reunião Celular
As reuniões vivenciam os objetivos celulares em 5 passos (5 “E´s”); baseado em At 2,42-47

1° Passo – Encontro – (Acolhida) -> COMUNHÃO
Objetivo: Integrar as pessoas, fazendo com que elas estejam à vontade na reunião não sentindo-se ameaçadas.
Atividades: Perguntar e dinâmicas – pequeno lanche
Duração: 10-15 min

2° Passo – Exaltação (Louvor) -> Louvor
Objetivo: Interação entre nós e Deus, focalizamos nossa atenção na presença de Deus entre nós.
Atividades: Cânticos, salmos, louvor espontâneo e silêncio.
Duração: 15 min.

3° Passo – Edificação (Ensino) -> Discipulado
Objetivo: Interação – Deus para nós através de sua Palavra, indo ao encontro das necessidades, edificando as pessoas, ajudando-as na vivência cristã.
Atividades: Estudo da Bíblia, perguntas, respostas e partilha
Duração: 40 min.

4° Passo – Evangelização (Missão) -> Evangelização
Objetivo: Interação; Deus agindo por meio de nós (alcançando os afastados) encorajamento para a missão evangelizadora.
Atividades: Planejamento de estratégias de evangelização, motivação por parte do líder para evangelizar, apresentação dos nomes dos que serão e estão sendo evangelizados para a oração.
Duração: 15 min.

5° Passo – Entrega (oração) -> Serviço
Objetivo: Interação entre Deus e nós. Através de súplicas e intercessão pelas necessidades da Obra de Deus e pelas necessidades pessoais. Aqui também se faz a partilha de bens materiais, quando for necessário.
Atividades: Oração uns pelos outros, intercessão pelos que estão sendo evangelizados, compromisso com a oração pelas pessoas durante a semana, partilha material.
Duração: 15 min.

Tempo de Reunião: 1 hora e meia.

Local da Reunião: Preferencialmente nas casas, porém se for necessário em qualquer lugar (escola, fábrica…)

Dia – Qualquer dia
Horário – Qualquer horário

Vantagens das células
1- Envolvimento pessoal
2- As pessoas ficam mais unidas
3- O pequeno grupo facilita a evangelização
4- Integração das pessoas na Igreja através de amizades
5- Acompanhamento pessoal (pastoreio)
6- Revelação de dons espirituais e geração de novos líderes
7- Ajuda mútua
8- Ensino bíblico prático

Fundamentos Bíblicos das Células
O Princípio de Jetro: Êxodo 18, 13-25
Ministério de Jesus
• Pequeno grupo de discípulos:
Mt 13,36
• Evangelização nas casas:
Mt 8,14; Mc 2,3; Mt 8,14; Mc 5,38-42; Lc 7,36; Lc 10,38-42; Lc 19,10
Igreja Primitiva
• Reuniões Cristãs nos lares: At 2, 42-47; At 12-17; At 20,7-12.20; Rm 16, 3-5; I Cor 16, 3-5; Colossenses 4,15; Filemon 2.

O texto acima nos mostra alguns aspectos que contrariam a doutrina católica:

1) A liderança das células é dada a um leigo, chamado de ‘líder’, vinculado a outra célula, pois dela deriva sua ‘formação’ e liderança.

2) Estrutura “piramidal”: cada célula de 12 pessoas (máximo) pode gerar 12 céluas, onde cada uma geraria mais 12, crescendo em ‘progressão geométrica”. Ou seja, cada membro de célula é um ‘líder’ em potencial de inúmeras células!

3) Todas as atividades da célula não tem a participação de um clérigo, no caso dos ‘católicos em células’, já que cada membro da célula é um líder em potencial de uma nova célula.

CATÓLICOS EM CÉLULAS NO MUNDO

EUA
A primeira experiência católica com a visão de células data de 1982. O irlandês – Pe. Michael Eivers -, depois de muito orar e estudar, buscando uma direção de Deus para o seu ministério, tomou conhecimento da estratégia da maior igreja evangélica do mundo, na Coréia do Sul, liderada pelo Pr. Paul Y. Cho, toda articulada em pequenos grupos familiares.
(Tal como no Movimento “Carismático”, a origem do movimento de “católicos em células” vem do protestantismo – estratégia da ‘maior’ (?) igreja evangélica do mundo, liderada por Paul Cho. Estratégia esta que deriva do ‘livre-exame’ da Bíblia, da negação do Magistério da Igreja. Mais um fruto de ‘experiências’ buscadas por alguém insatisfeito pelo que o ensino da Igreja oferecia…)

ITÁLIA
Em 1988, inspirado na Paróquia de São Bonifácio, Pe. PiGi Perini, implantou a visão de células na Paróquia Santo Eustorgio, em Milão (ITA), tendo sido estimulado pelo Cardeal Martini (arcebispo na época).

VENEZUELA
O Pe. Vincenzo Mancini Pozzati vem, desde 1991 – influenciado por Pe. PiGi –, desenvolvendo o sistema de células em seu país. Atualmente conta com mais de 2000 células, ligadas à Fundação Bom Samaritano, uma associação de fiéis cuja sede com sede em Caracas.

Já existem, no Brasil, dois ‘pólos’ de proliferação do movimento de ‘católicos em células’ :

PARÓQUIA ESPÍRITO SANTO

A Paróquia Espírito Santo, da Diocese de São José dos Campos, iniciou primeiro esta experiência. Liderada pelo Pe. Luis Fernando Soares, desde 2004 esta comunidade vem provando grande crescimento e multiplicação, por ter assumido como propósito tornar cada casa da paróquia uma célula, extensão da comunidade e cada membro, um discípulo e missionário de Jesus Cristo.
http://www.paroquiaespiritosanto.com.br/

COMUNIDADE FANUEL

A Comunidade Fanuel, da Diocese de Santo André, é uma associação privada de fiéis liderada pelo casal Sandro Fatobene Peres e Rosemeire S. F. Peres.
Em 2006 fez a transição de uma comunidade com células para uma comunidade em células e desde então vem crescendo na compreensão do que é ser o corpo de Cristo, à semelhança das comunidades descritas no Novo testamento.
http://www.comunidadefanuel.com/

(As informaçãoes em itálico foram extraídas do blog “LIBERTOS DO ‘OPRESSOR’”)

Em breve apresentarei as contestações ao sistema de células, feitas por estudos de igrejas protestantes tradicionais. Antes de mais nada, é importante frisar que, tal como o Movimento Carismático, o sistema de células inicialmente foi um rompimento com o sistema tradicional das ‘denominações’ evangélicas, e de certo modo estes sistemas e movimentos são usados para uma ‘união’ de denominações, inclusive entre católicos e evangélicos. Seria, na verdade, uma forma de convivência “ecumênica” entre católicos e evangélicos, atendo-se somente ao ‘que os une’, e desprezando essencialmente ‘o que os separa’, como Maria, os Santos, a Eucaristia, o Primado Petrino, o Magistério da Igreja.

Pax Christi!

Palestras do 5 Congresso Diocesano das Novas Fundações

Por | DOWNLOADS, GALERIA DE ÁUDIO

Paz queridos irmãos. Aqui estão as Palestras para ouvirem.

Peço encarecidamente que não compartilhem para que possamos com os Cd´s ajudar a obra da Comunidade Fidelidade.

Os Dvd´s das Palestras ja podem ser encomendados com a comunidade fidelidade. fidelidade@comunidadefidelidade.com

Mp3 das Palestas para ouvir:

Evangelho e Homilia com Padre Marcio Pontes – Abertura do Congresso

1 Partilha – Essências de uma nova Fundação – Nei

2 Partilha – Alegria do Anuncio pelo Carisma – Nei

3 Partilha – Levem sempre a palavra do Evangelho, não tenham medo – Nei

As 5 urgências ação evangelizadora da Igreja no Brasil

Por | FORMAÇÕES

Os Bispos católicos do Brasil elaboram em conferência (CNBB) a cada 4 anos as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Como diz o nome, é um conjunto de diretrizes que nortea a ação pastoral de todos nós agentes missionários participantes da Igreja. As atuais Diretrizes em vigor (2011-2015) apontam 5 exigências:

PRIMEIRA EXIGÊNCIA: uma ação missionária permanente. Veremos nas páginas destas Diretrizes, a palavra discípulos-missionários, que é fruto da Assembleia de Aparecida(2007). A clara necessidade de sempre anunciar de novo a Jesus Cristo e o seu Reino. É preciso anunciar, mostrar, apresentar Jesus Cristo para o mundo e uma conversão pastoral que deve mexer nas estruturas internas das comunidades paroquiais. Ousar o Evangelho foi o lema usado pelo movimento Equipes de Nossa Senhora no XI Internacional em Brasília em julho de 2012. Anunciar com ousadia, mansidão e coragem…de todas as formas que o mundo atual exige.

SEGUNDA EXIGÊNCIA: Iniciação à vida cristã. O Zelo e o cuidado com os que irão receber os sacramento de iniciação. A fraterna acolhida, a devida instrução com catequese programada e agentes capacitados e o testemunho coerente de toda a comunidade. Incomoda-me reconhecer que a pergunta mais feita na secretaria paroquial: se é preciso participar da preparação ao batismo? Quantos padrinhos podem ser? Se pode batizar em casa ou no sítio???? Urge uma formação séria e corajosa para este belo momento da vida. Como também a catequese para Primeira Comunhão e Crisma que ainda é muito tímida em nossas comunidades. Não podemos esquecer igualmente da catequese para adultos. Jamais supor que nossos fieis conheçam a razão de sua fé. Com alegria e otimismo padres do centro do País testemunharam nestes congressos que participei que a catequese de Primeira Comunhão e Crisma é um período de 6 anos e que nos Estados Unidos da América do Norte, o curso de noivos de um semestre.

TERCEIRA EXIGÊNCIA: Animação da Vida da Ação da Igreja a partir da Palavra de Deus. A Igreja não é um ONG do Bem e Deus tampouco é uma ideia ética.  Toda Ação Pastoral precisa ser vivificada pela Palavra de Deus que é vida e traz eficácia. A Igreja é um corpo. Um organismo vivo e dinâmico, guiado pelo Espírito de Deus através e de seus sinais e Palavra. Pela minha experiência pastoral percebo muitos grupos usarem em seus movimentos, mensagens de poetas e romancistas, que ficam aquém da riqueza, da beleza e a força da Palavra de Deus. A proposta é que a Bíblia seja o manual do católico.

QUARTA URGÊNCIA: A Vida Comunitária da Igreja.  Mudanças sociais  e culturais também afetaram o íntimo da comunidade de fé, que é a sua convivência fraterna, na partilha,na acolhida,na participação. Nos tornamos individualistas e mesmo estando presente em grandes eventos, como estas Missas “tipo Padre Marcelo”, estamos indiferentes ao outro. Deixamos de ser fieis e somos massa. Urge redescobrir o sentido e o lugar teológico da comunidade e do Domingo o Dia do Senhor.

QUINTA URGÊNCIA: colocar-se a serviço da vida plena de todos. É a verdadeira caridade. Opção evangélica de Jesus Cristo. Socorrer quem necessita. A vida em primeiro plano. A saúde, a dignidade, os sentimentos de segurança e afeto. Pela fé oferecemos, doamos o que é nosso: o tempo, as habilidades, os próprio sentimentos de solidariedade. ” Eu vim para que todos tem vida plenamente”.

Claro que nossos bispos também oferecem indicações para uma ação pastoral. Este quadriênio está focado nos jovens, em vista da Jornada Mundial da Juventude em 2013 no RJ e da Família que tem a atenção permanente. Apontam igualmente para a responsabilidade com o Meio Ambiente dizendo que a natureza é casa e amparo da vida.

Percebemos assim uma inversão de urgências nos últimos 30 anos. Nos anos 80 a primazia era a luta pelos direitos humanos e sociais. Atualmente estamos mais focados na missão do anúncio e do testemunho coerente. Diria que é fazer o tema de casa  e arrumar a cozinha.

Baixe aqui o Documento doc94cnbb