Category

CANAIS FIDELIDADE

7º Congresso Católicos em Células – 07 a 09 de Setembro de 2018

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES
Aconteceu nos dias 7, 8 e 9 de setembro de 2018 a sétima edição do congresso nacional Católicos em Células. Sediado na Paróquia Espírito Santo, em São José dos Campos – SP, o evento teve como tema: “Células, um estilo de vida”, baseado no discurso do Santo Padre o Papa Francisco, por ocasião do encontro mundial das células, em 2015. Incluindo a equipe de serviço, mais de 700 pessoas participaram deste congresso: 23 paróquias e 11 novas comunidades de diversas partes do país.

As conferências, que aprofundaram o discurso do Papa, foram ministradas com muita unção e objetividade pelos italianos Pe. Gianni Mezzasalma, da Comunidade Eccomi manda me, de Ragusa (pioneira entre as novas comunidades em células no mundo) e pelo diácono permanente Filippo Crosa, de Milão (com 32 anos de experiência nas células, membro da primeira célula de Pe. PiGi Perini, fundador do Organismo Internacional. Ele é também promotor das células na China). O promotor nacional das células, Sandro F. Peres, juntamente com o Pe. Juarez Dalan, conosco desde o início deste projeto no Brasil, deram também sua contribuição falando da vocação do sistema de células no sábado pela manhã. Já no domingo foi a vez do Pe. Luis Fernando Soares, pároco que acolheu o evento, compartilhar um breve testemunho de como conheceu esta visão de evangelização e a aplicou.

Na tarde do sábado quatro seminários foram ministrados simultaneamente por consultores da Agência Católicos em Células, abordando temáticas como: Como implantar o sistema de células na sua paróquia ou comunidade – O sistema de liderança na paróquia e na comunidade em células – A evangelização oikos e o sistema de células – Quando o crescimento não vem. Os desgastes e dificuldades no sistema de células.

Somos gratos ao Senhor por nos permitir um momento de tantas graças, aprendizado, troca de experiências e convivência fraterna. Somos gratos também às dezenas de irmãos que se dedicaram nas variadas equipes para que o evento se realizasse, de modo especial ao tradutor, Marcos Rosa, que se ocupou dos pregadores antes, durante e após o evento.

Fotos do evento: ACESSE AQUI!

Em breve todas as conferências e seminários estarão disponíveis no nosso canal do YouTube:
CANAL CATÓLICOS EM CÉLULAS

Por Cesar Machado Lima
Secretário Geral Agência Católicos em Células.

Fonte: http://www.catolicosemcelulas.com.br/site/?p=3132

Grande Célula de Oração – 05/09/2018 – Presença especial dos conferencistas Pe Gianni e Diácono Pippo

Por | DESTAQUES, GALERIA DE FOTOS

Confira as fotos da Grande Célula Extraordinária com os conferencistas italianos Pe Gianni e Diácono Pippo da Itália. A Grande Célula reuniu 6 Comunidades e suas células para um louvor e ouvirem como estão as Células de Evangelização na Europa e no mundo. Uma alegria celebrar juntos. Após a Grande Célula os conferencistas foram a SJC para o 7º Congresso dos Católicos em Célula.

9º Encontro das famílias – 26 de agosto de 2018

Por | DESTAQUES, GALERIA DE FOTOS

Aconteceu na tarde deste Domingo 26/08/18 a 9º Edição do Encontros das Famílias, este ano feito no formato de Grande Célula,Temas específicos para os Casais,os Jovens e as Crianças, nos espaços na casa de missão da comunidade Fidelidade,uma tarde de louvor testemunhos e oração para as Famílias que estiveram no Encontro.

 

Leigo consagrado: o que é esta vocação?

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES

Antes de falar sobre o que é leigo consagrado é preciso entender que, além do batismo, através do qual o homem entra na vida cristã e assume o seu chamado na Igreja como leigo, existe outras duas formas de consagração a Deus na Igreja: a consagração religiosa que insere a pessoa na vida consagrada e a consagração ministerial, a qual insere a pessoa no sacramento da ordem, ou seja, no diaconato ou no sacerdócio. Essas duas formas de consagração são como que um aprofundamento da consagração batismal (batismo), levando o cristão a assumir uma radicalidade evangélica e carismática para desempenhar uma missão específica na Igreja.

 Mas, o que é Leigo?

Do latim laicus: comum, ordinário. Que ou quem não pertence ao clero nem fez votos religiosos = LAICO, SECULAR, ECLESIÁSTICO, RELIGIOSO

As Novas Comunidades

As Novas Comunidades, (como Pantokrator, Shalom, Fidelidade, Canção Nova, Recado, dentre outras) vivem uma nova forma de consagração a Deus que também aprofunda a vivência da consagração que todo cristão realiza em seu batismo. Essa consagração não se enquadra totalmente na consagração religiosa, mas essa realidade das Novas Comunidades nos faz entender claramente esse outro modo de consagração: a Consagração de VidaAs Novas Comunidades são instituições adequadas aos desafios do nosso tempo, que foram fundadas sobre os elementos teológicos e canônicos essenciais próprios da vida consagrada, mas com características originais em relação às suas formas tradicionais.

“O elemento jurídico especificante dos Institutos de Vida Consagrada é a profissão dos conselhos evangélicos, ou seja, a manifestação feita perante a autoridade eclesiástica, e aceita por esta, do propósito de levar uma vida de observância da castidade no celibato, da pobreza e da obediência, de acordo com as constituições do respectivo Instituto. Nessa profissão, está a diferença na consagração feita nos Institutos de Vida Consagrada, de outros tipos de consagração, como a batismal ou a realizada em algumas sociedades de vida apostólica.”

O leigo consagrado

consagração vivida de modo secular ocorre no caso de leigos que se consagram a Deus pela profissão dos conselhos evangélicos (pobreza, castidade e obediência), mas que permanecem atuando no mundo dentro das realidades comuns. Tendem à perfeição da caridade (amor) e procuram cooperar para a santificação do mundo, principalmente a partir de dentro, como fermento. O apostolado do leigo consagrado é vivido na sua realidade externa de vida (fora do Instituto) e nas suas profissões não se distinguem normalmente dos fieis comuns. Nesses casos o leigo consagrado vive uma consagração total a Deus pela profissão dos conselhos evangélicos, semelhantemente aos religiosos, mas também vive a secularidade pelo fato de viver no mundo, inserido nas realidades temporais, assim como os leigos.

Na Consagração de Vida buscamos hoje reproduzir Cristo, como na Vida Consagrada, embora não o façamos exatamente na forma como Cristo viveu, o que significa que esse desprendimento de todas as coisas para uma especial acolhida do Reino também faz parte da consagração de vida e do testemunho que deve dar ao mundo. Porém, a característica deste desprendimento depende do Carisma da Comunidade, do estado de vida próprio (solteiro, casado, celibatário) e da forma de vida em que a pessoa vive a sua consagração (vida comum ou aliança). Em função disso esse desprendimento em alguns casos pode ser mais interior e, em outros, mais exterior. Por exemplo: uma pessoa casada deve ter um desprendimento interior dos bens, mas não vive um total desprendimento exterior como um celibatário, porque precisa usar dos bens para o sustento da família.

Como vivem os leigos consagrados

Nós que vivemos nas Novas Comunidades também somos leigos e consagramos nossa vida a Deus, leigos consagrados, assumimos em nossa promessa de consagração obrigações (segundo a Regra de Vida e os Estatutos) com vínculo estável e reconhecido pelo Bispo. Devemos permanecer como leigos empenhados nos valores seculares próprios e peculiares do laicato através da nossa consagração. A consagração de vida nos ajuda a viver mais perfeitamente o nosso chamado batismal como leigos e dá autenticidade profética para testemunharmos no mundo os valores do Reino e da caridade cristã. Vivemos como consagrados no mundo, estamos no mundo, mas não somos do mundo, pertencemos a Deus.

“Estais no coração do mundo com o coração de Deus.”
(Papa Francisco no encontro promovido pela conferência italiana dos institutos seculares)

Luciane Bidóia
Consagrada da Comunidade Pantokrator

Fonte: https://pantokrator.org.br/po/vocacao/leigo-consagrado/

O aborto é, cientificamente, indefensável

Por | - ULTIMAS, NOTÍCIAS

Sim, há, de modo inegável, uma nova vida humana desde a concepção

Ao estudar, com vivo interesse, Medicina e Bioética não se pode deixar de constatar que o aborto é, cientificamente, indefensável. Quem o defende, parece fazê-lo muito mais por razões ideológicas que científicas.

Não é necessário grande esforço para saber que seria ilógico, por exemplo, definir uma casa como mero aglomerado desordenado de tijolos. Ora, também é absurdo determinar o ser humano, em seus primeiros dias de vida (sim, há, de modo inegável, uma nova vida humana desde a concepção), como simples acúmulo de células que pode ser descartado qual dejeto qualquer. E por que afirmamos isso?

Por saber, com certeza científica, que da fusão – na fertilização – dos 23 cromossomos masculinos trazidos pelo espermatozoide e dos 23 femininos contidos no óvulo surge um novo ser vivo diferente do pai e da mãe. Cada um de nós começou a vida, portanto, como uma simples célula chamada zigoto, que tem três principais propriedades.

A primeira é a coordenação. O desenvolvimento da nova vida trazida no ventre materno, em seus primeiros dias, é um processo complexo e belo que apresenta, sem dúvida alguma, a rigorosa unidade do novo ser humano, pois há nele ordenada sequência e coordenada interação de atividades moleculares e celulares sob controle do novo genoma – termo criado, em 1920, por Hans Winkler. Sim, os genes reguladores presentes nesse código genético asseguram o tempo exato, o lugar preciso e a especificidade dos eventos de modelagem do novo vivente. Daqui, se conclui que o embrião é, mesmo em seus 14 primeiros dias, um indivíduo real no qual cada célula individual está integrada em um único processo demonstrador da existência de um novo ser vivo e autônomo.

A segunda é a continuidade. De fato, não há ruptura, mas uma sequência bem sistemática no novo ser humano em desenvolvimento a partir da fusão do espermatozoide e do óvulo (a singamia). O zigoto é, portanto, o princípio de um novo organismo em seu contínuo (e jamais interrompido) ciclo vital, de modo a não existir aí uma fase mais importante que outra, pois todas elas são parte de um processo ininterrupto. Se essa continuidade não ocorrer, o processo vital cessa. Desse modo, o que há são etapas de diferenciação – ininterruptas e progressivas – qualitativas e complexas, de um verdadeiro e único indivíduo humano. Indivíduo bem definido que será, logo, chamado de Maria, de Antônio, de Luan etc.

A terceira é a graduação. A forma final do novo ser humano concebido é atingida gradualmente como em toda reprodução sexuada ou gâmica. Portanto, também o ser humano começa seu ciclo vital como célula única que, desde o estado de zigoto, mantêm, de modo regular, um desenvolvimento permanente e bem orientado até sua forma final. Isso tudo – frisemos bem – não vem de fora, mas de dentro, ou seja, é uma virtualidade contida no próprio genoma a partir, é claro, da concepção. É científico e lógico afirmar, então, que cada ser humano tem, desde as primeiras horas, sua própria identidade, individualidade e unicidade que hão de acompanhá-lo para sempre.

Isso posto, não se entende bem porque alguns defendam existir vida apenas a partir do 14º dia quando já há as células cerebrais no novo ser humano. Aliás, por volta de 2006, um médico afirmava que alguém é dado como medicamente morto quando se constata nessa pessoa a cessação do sistema nervoso. Como até o 14º dia o nascituro não tem ainda sinais do sistema nervoso, então também não é vivo, concluía o médico.

Ora, essa afirmação, além de não considerar o que aqui expusemos, comete um grave erro de lógica filosófica. Sim, o moribundo não tem mais sinais do sistema nervoso, e o nascituro, antes de 14 dias, não tem ainda os referidos sinais, mas irá desenvolvê-los. Tal distinção é imprescindível, embora não pareça fazer diferença a quem prefira, na hora de defender o aborto, a mera ideologia à Ciência, à Lógica ou ao Juramento de Hipócrates, o pai da Medicina no Ocidente. Infelizmente!

Módulo 2 – Paróquia São Pedro – Teresópolis (RJ)

Por | GALERIA DE FOTOS, NOTÍCIAS

Foi realizado nos dias 21 e 22 de Julho de 2018, na Paróquia São Pedro, em Teresópolis – RJ, o II Módulo do Ano para a Transição.

Com a participação dos paroquianos que são o grupo de arranque na Paróquia, Padre Ernande Nascimento criou nesta data 3 Células protótipos para iniciarem as reuniões, intercessão e formações com o compromisso de evangelização com as Células Paroquiais.

Este II Módulo também foi ministrado como um retiro, que propiciou muita fraternidade e oração.

Os participantes puderam tirar suas dúvidas em partilhas e dar passos efetivos agora com as células protótipos. Também traçaram planos de se reunir como lideres e para estudo das apostilas.

O Módulo foi ministrado pelos missionários Adir Magno, Consultor Católicos em Células de São Gonçalo – RJ e pelo Consultor Prof. Daniel Oliveira, fundador da Comunidade Fidelidade – SBC.

Glorifiquemos a Deus pela sua ação que envia Seu povo a evangelizar por todo o mundo e a toda criatura.

Daniel Tadeu de Oliveira
Moderador Geral – Comunidade Católica Fidelidade

9º Encontro das famílias – 26 de agosto as 14h00 – Bom demais!!!

Por | DESTAQUES, NOTÍCIAS

Você e sua família estão convidados a participar desta tarde de cura e liberação para toda família. Com café da tarde, espiritualidade, ensino, espaço de brincadeiras para as crianças e muito mais.

Não deixe de vir com sua família e célula! Procure seu líder ou a comunidade para mais informações.

Contato WhatsApp: (11) 9.4594-3555

Células da Fidelidade: http://comunidadefidelidade.com/celulasfidelidade/

 

 

Quer se salvar? Então siga os 7 conselhos de Santo Afonso

Por | - ULTIMAS, NOTÍCIAS

E aproveite a incrível oração de consagração do seu dia ao Senhor (conselho #7)

Se você quer se salvar, anote aí os sábios conselhos de Santo Afonso Maria de Ligório:

1. Frequente os santíssimos sacramentos.

2. Faça todos os dias uma meditação.

3. Vá à santa missa diariamente.

4. Visite todos os dias Jesus sacramentado.

5. Examine sua consciência.

6. Tenha sobretudo grande devoção a Nossa Senhora, que se chama a “Mãe da perseverança”.

7. Consagre-se também muitas vezes inteiramente ao Senhor, e diga-lhe com ternura, especialmente de manhã, antes das suas ocupações:

Ó Deus eterno, eis-me aqui prostrado em presença de vossa infinita majestade, e adorando-vos humildemente, consagro-vos todos os meus pensamentos, palavras e obras deste dia.

Tenho a intenção de fazer tudo por vosso amor, para vossa glória, para cumprir a vossa divina vontade, para vos servir, louvar, e bendizer, para ser iluminado acerca dos mistérios de nossa santa fé, para assegurar a minha salvação e esperar na vossa misericórdia, para satisfazer à vossa divina justiça pelos meus muitos e gravíssimos pecados, em sufrágio das almas santas do purgatório e para obter para todos os pecadores a graça de uma verdadeira conversão.

Numa palavra, tenho a intenção de fazer tudo em união com as intenções puríssimas que em sua vida tiveram Jesus e Maria, todos os santos do céu e todos os justos da terra.

Quisera que me fosse possível assinar esta minha intenção com o meu próprio sangue e repeti-la a cada instante tantas vezes, quantos são os instantes de toda a eternidade.

Recebei, ó meu Deus amado, esta minha boa vontade; dai-me a vossa santa bênção com a graça eficaz de nunca cometer um pecado mortal em toda a minha vida, e particularmente neste dia, no qual desejo e pretendo ganhar todas as indulgências que possa ganhar, e assistir a todas as missas que hoje vão ser celebradas no mundo inteiro, aplicando-as todas em sufrágio das almas santas do purgatório, a fim de que sejam livradas daquelas penas.

Assim seja. 

(“Meditações para todos os dias e festas do Ano”,Tomo II – Santo Afonso Maria de Ligório)

Tríduo de São Bento – 11/07 – 3º Dia Missa com Pe. Frei Diego

Por | GALERIA DE FOTOS, NOTÍCIAS

Confira as fotos do terceiro dia do tríduo de São Bento, baluarte da Comunidade por isso todos os anos celebramos esta festa de São Bento.

Tríduo de São Bento – 10/07 – 2º Dia Missa com Pe. Paulo Afonso

Por | GALERIA DE FOTOS, NOTÍCIAS

Confira as fotos do segundo dia do tríduo de São Bento, baluarte da Comunidade por isso todos os anos celebramos esta festa de São Bento.

Tríduo de São Bento – 09/07 – 1º Dia Missa com Pe. Osvaldo

Por | GALERIA DE FOTOS, NOTÍCIAS

Confira as fotos do primeiro dia do tríduo de São Bento, baluarte da Comunidade por isso todos os anos celebramos esta festa de São Bento.

“Há uma tragédia silenciosa em nossas casas”, viral que tem contagiado a internet

Por | DESTAQUES, FORMAÇÕES, NOTÍCIAS

Circula na rede um texto extraordinário atribuído ao psiquiatra Luís Rajos Marcos. Vale a leitura e a meditação.

Há uma tragédia silenciosa que está se desenvolvendo hoje em nossas casas e diz respeito às nossas joias mais preciosas: nossos filhos. Nossos filhos estão em um estado emocional devastador! Nos últimos 15 anos, os pesquisadores nos deram estatísticas cada vez mais alarmantes sobre um aumento agudo e constante da doença mental da infância que agora está atingindo proporções epidêmicas.

As estatísticas:

– 1 em cada 5 crianças tem problemas de saúde mental;
– um aumento de 43% no TDAH foi observado;
– um aumento de 37% na depressão adolescente foi observado;
– um aumento de 200% na taxa de suicídio foi observado em crianças de 10 a 14 anos.

O que está acontecendo e o que estamos fazendo de errado?

As crianças de hoje estão sendo estimuladas e superdimensionadas com objetos materiais, mas são privadas dos conceitos básicos de uma infância saudável, tais como:

pais emocionalmente disponíveis;
limites claramente definidos;
responsabilidades;
nutrição equilibrada e sono adequado;
movimento em geral, mas especialmente ao ar livre;
jogo criativo, interação social, oportunidades de jogo não estruturadas e espaços para o tédio.
Em contraste, nos últimos anos as crianças foram preenchidas com:

– pais digitalmente distraídos;
– pais indulgentes e permissivos que deixam as crianças “governarem o mundo” e sem quem estabeleça as regras;
– um sentido de direito, de obter tudo sem merecê-lo ou ser responsável por
obtê-lo;
– sono inadequado e nutrição desequilibrada;
– um estilo de vida sedentário;
– estimulação sem fim, armas tecnológicas, gratificação instantânea e ausência de momentos chatos.

O que fazer?

Se queremos que nossos filhos sejam indivíduos felizes e saudáveis, temos que acordar e voltar ao básico. Ainda é possível! Muitas famílias veem melhorias imediatas após semanas de implementar as seguintes recomendações:

– Defina limites e lembre-se de que você é o capitão do navio. Seus filhos se sentirão mais seguros sabendo que você está no controle do leme.
– Oferecer às crianças um estilo de vida equilibrado, cheio do que elas PRECISAM, não apenas o que QUEREM. Não tenha medo de dizer “não” aos seus filhos se o que eles querem não é o que eles precisam.
– Fornecer alimentos nutritivos e limitar a comida lixo.
– Passe pelo menos uma hora por dia ao ar livre fazendo atividades como: ciclismo, caminhadas, pesca, observação de aves/insetos.
– Desfrute de um jantar familiar diário sem smartphones ou tecnologia para distraí-lo.
– Jogue jogos de tabuleiro como uma família ou, se as crianças são muito jovens para os jogos de tabuleiro, deixe-se guiar pelos seus interesses e permita que sejam eles que mandem no jogo.
– Envolva seus filhos em trabalhos de casa ou tarefas de acordo com sua idade
(dobrar a roupa, arrumar brinquedos, dependurar roupas, colocar a mesa, alimentação do cachorro etc.).

– Implementar uma rotina de sono consistente para garantir que seu filho durma o suficiente. Os horários serão ainda mais importantes para crianças em idade escolar.
– Ensinar responsabilidade e independência. Não os proteja excessivamente
contra qualquer frustração ou erro. Errar os ajudará a desenvolver a resiliência e a aprender a superar os desafios da vida.
– Não carregue a mochila dos seus filhos, não lhes leve a tarefa que esqueceram, não descasque as bananas ou descasque as laranjas se puderem fazê-lo por conta própria (4-5 anos). Em vez de dar-lhes o peixe, ensine-os a pescar.
– Ensine-os a esperar e atrasar a gratificação.
Fornecer oportunidades para o “tédio”, uma vez que o tédio é o momento em que a criatividade desperta. Não se sinta responsável por sempre manter as crianças entretidas.
– Não use a tecnologia como uma cura para o tédio ou ofereça-a no primeiro segundo de inatividade.

– Evite usar tecnologia durante as refeições, em carros, restaurantes, shopping centers. Use esses momentos como oportunidades para socializar e treinar cérebros para saber como funcionar quando no modo “tédio”.
– Ajude-os a criar uma “garrafa de tédio” com ideias de atividade para quando estão entediadas.
– Estar emocionalmente disponível para se conectar com crianças e ensinar-lhes autorregulação e habilidades sociais.
– Desligue os telefones à noite quando as crianças têm que ir para a cama para evitar a distração digital.
– Torne-se um regulador ou treinador emocional de seus filhos. Ensine-os a reconhecer e gerenciar suas próprias frustrações e raiva.
– Ensine-os a dizer “olá”, a se revezar, a compartilhar sem se esgotar de nada, a agradecer e agradecer, reconhecer o erro e pedir desculpas (não forçar), ser um modelo de todos esses valores.
– Conecte-se emocionalmente – sorria, abrace, beije, faça cócegas, leia, dance, pule, brinque ou rasteje com elas.

E compartilhe se você percebeu a importância desse texto!

Dr. Luís Rajos Marcos
Médico Psiquiatra

Pesquisa revela o (pouco) tempo que as crianças passam conversando com os pais

Por | - ULTIMAS, NOTÍCIAS

Seria a tecnologia a responsável pela péssima comunicação entre pais e filhos?

Estudos e mais estudos alertam sobre a importância de um bom relacionamento entre pais e filhos. A conexão entre eles é fundamental para o crescimento da criança e seu desenvolvimento saudável.

Mas os lares estão cada vez mais tomados pelos smartphones e seus aplicativos de mensagens instantâneas, Facebook e Instagram, que proporcionam uma ilusão: a sensação de que as pessoas estão conectadas. Na verdade, esta hiperconexão diminui o tempo real que a família tem para estreitar seus laços.

Um amplo estudo sobre o tempo das crianças americanas revelou que os pequenos dedicam só quatro minutos por dia para conversar com seus pais.

E o pior é saber as consequências deste comportamento. A psicologia pediátrica diz que as crianças que falam pouco com os pais demonstram maior desobediência e agressividade em comparação àquelas que passam mais tempo conversando com seus pais e as mães.

Por outro lado, um estudo feito em restaurantes onde pais e mães estavam com os filhos mostrou que 75% dos pais usavam dispositivos móveis durante a refeição. Destes, 30% usaram os celulares continuamente, ignorando os filhos.

Outras pesquisas evidenciam também que a maioria das crianças tentam chamar a atenção dos pais através de comportamentos irritantes. Por outro lado, muitos pais tentam acalmar os filhos usando a tecnologia, ao invés da interação pessoal.

Ao oferecerem celulares e tablets às crianças ou liberarem muito tempo de exposição às telas para pacificá-las, os pais condicionam os filhos a preferirem a tecnologia à conversa. E isso gera reflexos em todas as fases do desenvolvimento do indivíduo.

Vale dizer que o uso frequente e compulsivo da internet está associado ao aumento de 250% dos casos de depressão no mundo. Um número alarmante, né? Por isso, queremos te motivar adotar certas atitudes quando o assunto for tecnologia e relacionamentos.

Você pode, por exemplo, restringir o tempo de uso dos aparelhos eletrônicos em casa. Pode também postergar a compra de celulares para os filhos e desligar o seu quando você realmente não precisar dele.

Dedicar tempo aos filhos e ter uma interação mais significativa e longe das tecnologias são passos importantes no caminho da recuperação do vínculo entre os membros da família.

Outra dica: é sempre bom desligar os dispositivos eletrônicos duas horas antes de dormir. Use este tempo para construir uma rotina noturna que inclua conversas e oração.

  “O futuro da humanidade se molda na família”

Foi o que disse João Paulo II. Mas, infelizmente, 54% das crianças entrevistadas pela AVG Technologies afirmaram que se sentiam menos valorizadas por seus pais, pois tinham que dividir o tempo deles com uma tela.

A boa notícia é que as famílias sabem se adaptar a diversas situações e nunca é tarde para começar uma rotina que fomente e conserve o tempo destinado às conexões familiares reais e efetivas.