Category

DESTAQUES

Por que os primeiros 30 minutos do dia são os mais importantes?

Por | DESTAQUES, PARTILHA DO FUNDADOR

Muitas vezes, somos tentados a acordar resmungando e já com raiva do mundo. Com essa atitude, não é à toa que acabamos tendo um dia ruim!

Você já teve um dia ruim? E quem nunca teve, né?

São João Berchmans acreditava que o sucesso de um dia dependia em grande parte de como a pessoa o começa, especialmente durante os primeiros 30 minutos da manhã.

No livro A vida do Bem-Aventurado João Berchmans, de Francis Goldie, a programação da manhã de Berchmans é descrita em detalhes?

Às quatro da manhã, o despertador anunciava a hora de despertar. João ouvia isso com reverência a Samuel, quando o menino santo reconhecia na quarta chamada a voz do Senhor. Ele fazia o sinal da cruz, dizendo ao se levantar: “Senhor, o que gostaria que eu fizesse? Meu coração está pronto, ó Deus, meu coração está pronto!”. No momento em que ele se levantava, ele se prostrava diante de seu crucifixo … o qual, antes de dormir, ele costumava colocar aos pés de sua cama.

Essa rendição inicial e uma breve oração confiavam aqueles primeiros momentos de vigília a Deus, procurando orientar-se para Ele. Muitas vezes, somos tentados a acordar resmungando e já com raiva do mundo. Com essa atitude, não é à toa que acabamos tendo um dia ruim!

Berchmans não parava por aí, pois estava “convencido de que [seu outro trabalho] dependia, principalmente, da maneira como ele se levantava de manhã”:

Assim que ele se vestia, ele arrumava a cama e, ajoelhando-se, derramava sua alma com tanto ardor que se poderia pensar que era o colóquio de encerramento de uma oração de uma noite inteira. Ele agradecia a seu anjo guardião e ao patrono do dia anterior, por sua proteção durante o dia e a noite; implorava que eles ficassem com ele o resto de sua vida, e especialmente na hora de sua morte … Ele [também] se juntava a uma resolução quádrupla – que todo pensamento, palavra ou ação naquele dia fosse puramente para a glória de Deus ; em ação de graças pela [santa comunhão]; para atingir a verdadeira devoção à Santíssima Virgem e a verdadeira humildade interna; e que seus pensamentos, palavras e ações pudessem estar unidos aos de Cristo, seu Senhor.

Tudo isso era feito durante os primeiros 30 minutos do dia, sem perder tempo  com a preguiça na cama.

Embora inicialmente não sejamos capazes de ter o mesmo fogo que alimentava a fé e a determinação de São João Berchmans, podemos tentar seguir seu exemplo de pequenas maneiras. Por exemplo, em vez de apertar o botão de soneca, tente levantar da cama e proferir uma breve palavra de amor a Deus.

Se quisermos estar mais bem preparados para o que o dia nos reserva, tente começar o dia com o pé direito e na graça de Deus.

Mensagem do Papa Francisco às Células de Evangelização

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES, NOTÍCIAS

Mensagem por ocasião do II Encontro Mundial do Santo Padre com o Organismo do Sistema de Células de Evangelização, em Roma, dia 18 de novembro de 2019. Celebração dos 30 anos das Células.

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

Estou feliz que escolheram voltar à Roma para celebrar o trigésimo aniversário da vossa história. Agradeço o Padre Piergiorgio Perini pelo seu trabalho incansável de evangelização que realizou durante estas décadas. Agora se pode admirar alguns frutos que o Senhor lhes concedeu com a Sua graça. E agradeço pelo testemunho de 65 anos de sacerdócio e 90 anos de idade! Eu pedi à ele a receita: o que ele faz para ser assim?

O Senhor Jesus deixou a seus discípulos um ensinamento desafiador quando disse à eles: “Fui eu que os escolhi para que vão e deem fruto e que esse fruto não se perca” (Jo 15,16). Esse é o chamado o qual não se pode fugir quando se encontra o Senhor e se deixa cativar pelo seu Evangelho. Certamente, Jesus não disse aos discípulos que eles veriam os frutos do trabalho deles. Somente assegurou que os frutos permaneceriam. Essa promessa vale também para nós. É humano pensar que depois de tanto trabalho se queira também ver os frutos do nosso empenho; e ainda, o Evangelho nos move para uma outra direção.

Jesus não abrandou a palavra aos seus discípulos quando falou da radicalidade com que se deve segui-lo. Disse à eles: “Somos empregados que não valem nada porque fizemos somente o nosso dever” (Lc 17, 10). Todavia, se o nosso cansaço para anunciar o Evangelho é total e nos encontra sempre prontos, então a perspectiva muda. Nos lembra uma outra parábola quando Jesus disse: “Felizes aqueles empregados que o patrão encontra acordados e preparados! Eu afirmo à vocês que isto é verdade: o próprio patrão se preparará para servi-los, mandará que se sentem à mesa e ele mesmo os servirá” (Lucas 12, 37). Tocamos com a mão tantas vezes quanto seja grande e infinito o amor de Deus por nós! Se se somos fiéis e vigilantes, então Ele nos concede de ver também os frutos do nosso trabalho.

A vossa história de Células Paroquiais de Evangelização pode facilmente ser inscrita nesse contexto. A fecundidade do vosso empenho se reflete na multiplicação das Células que agora estão presentes em tantas partes do mundo. Não se cansem jamais de seguir a estrada que o Espírito do Senhor Ressuscitado vos coloca à frente. Não parem por conta do novo, e não diminuam os vossos passos pelas dificuldades que são inevitáveis no caminho da evangelização. Quando se é discípulo missionário, então o entusiasmo não pode ser menor! No cansaço, vos sustente a oração dirigida ao Espírito Santo que é o Consolador; na fraqueza, sintam a força da comunidade que não permite jamais que você seja deixado sozinho.

Nas vossas paróquias estão presentes tantas iniciativas, onde sempre, porém, não se aprofunda na vida das pessoas. Também à vocês é confiado o dever de reavivar, sobretudo nesse período, a vida das nossas comunidades paroquiais. Isso será possível na medida em que se tornem, antes de tudo, lugar para escutar a Palavra de Deus e celebrar o mistério da sua morte e ressureição. Somente a partir daqui se pode pensar que a obra da evangelização seja eficaz e fecunda, capaz de trazer frutos.

Infelizmente, por tantas razões, muitos se afastaram das nossas paróquias. É urgente, então, que recuperemos a exigência do encontro para alcançar as pessoas lá onde vivem e trabalham. Se tivermos encontrado Cristo na nossa vida, então não podemos tê-lo somente para nós. É determinante que partilhemos essa experiência também com os outros; essa é a estrada principal da evangelização.

Não se esqueçam: cada vez que encontrem alguém, você conta uma história verdadeira que pode mudar a vida de uma pessoa. E isso não é fazer proselitismo, é dar testemunho. Sempre aconteceu assim. Quando Jesus, passando ao longo da margem do lago viu Pedro, André, Tiago e João que estavam trabalhando, fixou o olhar sobre eles e transformou suas vidas (cf. Lc 5,1-11). A mesma coisa se repete também nos nossos dias, quando o encontro é fruto do amor cristão, muda a vida porque alcança o coração das pessoas e as toca em profundidade. Possa o vosso anúncio tornar-se um testemunho de misericórdia, com o qual se possa deixar evidente que cada atenção dada a um dos mais pequenos seja voltada para o próprio Jesus que se identifica neles (cf. Mt 25,40).

Vos acompanho com a minha benção e vos peço, por favor, que não se esqueçam de orar por mim.

Obrigado.

Grande Célula de Dezembro

Por | DESTAQUES

Sábado dia 14.12.2019 ás 19h00

Venha orar conosco.

Coloque aqui sua intenção para rezarmos na intercessão e no Grupo Parusia

1º e 3º Sábado do Mês às 19h00! Participe com sua família e célula!


Local – Sede da Comunidade Católica Fidelidade

Casa São Bento e Salão São João Paulo II

Rua Giuseppe Venturini, 180 – Frente – Bairro Batistini – São Bernardo do Campo – São Paulo – Cep.: 09842-005

Rua ao Lado direito da Acrilex – Rua sem Saída.


Veja o mapa de como chegar!

Vindo do Centro pela Anchieta e saída na Servidei Demarchi

Exibir mapa ampliado

Vindo Pela Imigrantes

Exibir mapa ampliado

Vindo Pelo Rodoanel

Exibir mapa ampliado

Dicas:

Vindo do Centro de São Bernardo após passar Restaurante Florestal será a Segunda rua à Direita.

Vindo pela Imigrantes ao passar em frente a Empresa ACRILEX continuar por mais 300 Metros e fazer primeiro retorno à Esquerda, pegar pista novamente e será a Segunda rua à Direita.


Pedido de Oração para o Grupo

O bem e o mal que os celulares podem causar ao tempo em família

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES, NOTÍCIAS

Aumentou o tempo que pais e filhos passam “sozinhos acompanhados” – mas nem tudo é má notícia

O site norte-americano The Conversation publicou um relevante artigo de Stella Chatzitheochari, professora de Sociologia da Universidade de Warwick, e Killian Mullan, docente de Sociologia e Política da Universidade de Aston, sobre o tempo que pais e filhos passam diante de uma tela de celular e os impactos desse tempo no seu comportamento relacional.

Um dos impactos mais notáveis na forma de interação é descrito por um termo que foi criado pela professora de Estudos Sociais Sherry Turkle: “sozinho acompanhado”. A expressão retrata a situação de uma pessoa que fica tão absorta com o seu celular a ponto de ignorar quase completamente quem está ao seu lado, como se estivesse de fato sozinha, mesmo estando acompanhada. E este cenário tem se verificado cada vez mais na convivência das famílias.

A pesquisa de Stella Chatzitheochari e Killian Mullan analisou precisamente o tempo diário de convivência entre pais e filhos de 8 a 16 anos, comparando os cenários no ano 2000 e no ano 2015.

Uma descoberta significativa foi que as crianças passaram mais tempo diário com os pais em 2015 do que em 2000: 347 minutos por dia em 2000 contra 379 minutos em 2015, um aumento de meia hora, todo ele passado em casa. No entanto, o que pareceria uma boa notícia tem o seu porém: os adolescentes afirmaram que passaram esse tempo adicional “sozinhos”, embora estivessem em casa com seus pais.

O estudo observou ainda que as famílias reduziram o tempo de televisão em 2015 e passaram mais tempo em refeições ou atividades de lazer. Mas os momentos de convivência, em boa medida, passaram a ser permeados pelo uso intenso do celular – não só pelas crianças e adolescentes, mas pelos pais também. Os dados pesquisados indicaram que tanto adultos quanto adolescentes dedicam praticamente o mesmo tempo a usar dispositivos tecnológicos enquanto estão juntos: 90 minutos, em média. Este padrão se verifica principalmente na faixa de 14 a 16 anos. Em 2015, os adolescentes dessa faixa etária passaram cerca de uma hora a mais em casa “sozinhos acompanhados” do que passavam no ano 2000.

Há muitos pontos benéficos no uso da tecnologia como auxílio para a convivência entre as famílias. Hoje é muito mais fácil, rápido e barato intercambiar mensagens, acompanhar-se mutuamente quando alguém está fora e até mesmo tornar a relação mais afetiva, com a troca de mensagens carinhosas e gestos de preocupação e cuidado ao longo do dia.

Entretanto, também há evidências de que a simples presença de um celular tem o potencial de afetar negativamente as interações pessoais – tanto é que, apesar do aumento do tempo que os filhos e pais passaram em casa em 2015 na comparação com o ano 2000, os pais afirmaram que a qualidade do tempo em família diminuiu em vez de aumentar. A pesquisa identificou, por exemplo, que adultos e crianças usam o celular até durante as refeições, um momento que já é relativamente curto e no qual se perdem ainda mais minutos de interação.

Percebe-se uma tendência das pessoas a concluir que o impacto dessa transformação relacional é predominantemente negativo, mas não necessariamente é assim. Considerando-se que há pontos negativos e positivos na proliferação dos celulares no dia-a-dia das famílias, mais pesquisas são necessárias para se entender mais objetivamente o real impacto deste fenômeno na qualidade do tempo que as famílias passam juntas.

Como quer que seja, ficou bem claro que o tempo “sozinho acompanhado” aumentou, o que já é suficiente para que se preste mais atenção a esse perigo e se tomem medidas simples para melhorar a qualidade do tempo de convivência. Basta, para começar, deixar o celular de lado mais frequentemente.

A mão invisível que destrói as famílias

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES, NOTÍCIAS, PARTILHA DO FUNDADOR

Por que as famílias não estão mais dando certo? De quem é essa mão invisível que destrói os nossos lares?

Temos falado muito sobre família aqui no site. O objetivo desta aula é juntar as peças do quebra-cabeça para apresentar aos nossos alunos “a mão invisível” que a está destruindo por meio de graves modificações nas suas estruturas. Não se trata de “teoria da conspiração”, de especular sobre a existência de um quartel general antifamília em algum lugar do mundo, mas sim de: (i) compreender como nos últimos quatro séculos a família está sendo destruída por uma causa eficiente e, (ii) uma vez descoberto o problema, encontrar os meios para resolvê-lo.

Desde o ano mil a.C. até o século XVII d.C., a renda per capita das pessoas mantinha-se em um padrão retilíneo e modesto. A partir de 1700, no entanto, os gráficos de economia apresentam um crescimento vertiginoso no poder aquisitivo dos povos, causado pela Revolução Financeira ou Industrial. Essas revoluções mudaram o estilo de vida das pessoas, levando-as a considerar o dinheiro a coisa mais valiosa do mundo. Daí se compreende o surgimento de correntes políticas de esquerda e de direita, que vivem brigando por causa da economia de mercado. A humanidade tornou-se escrava dos bancos.

Na antiguidade e na Idade Média, as pessoas tinham outras preocupações além das salariais. As pessoas queriam tempo para rezar, ir à igreja, para cuidar da salvação de suas almas, de modo que havia bem mais feriados religiosos que os de hoje. Apesar dos graves problemas que também existiam nessa época, as pessoas queriam ter família, queriam viver e preparar-se para a salvação eterna.

sistema bancário introduziu um vírus nessa sociedade, tornando-a obsessiva por dinheiro. Hoje ninguém pode negar o quanto os bancos desejam nos emprestar dinheiro. Mas, naquela época, isso soou como uma novidade atraente, de modo que os pais começaram a ficar cada vez mais longe de seus filhos e esposas. Foi o início da destruição da família.

No século XX, os banqueiros identificaram uma saturação do mercado de trabalho, uma vez que praticamente todos os homens já estavam hipnotizados pela febre monetária. Era preciso encontrar uma nova mão de obra. É então que começa todo o discurso feminista de libertação das mulheres, para que elas também possam ter uma carreira profissional e um emprego digno. Como dizia Chesterton, “o feminismo trouxe a confusa ideia de que as mulheres são livres quando servem seus empregadores, mas são escravas quando servem seus maridos”.

O sistema financeiro enriquece a partir da dialética entre empresários e trabalhadores. Nesse sentido, a família atrapalha a perspectiva de mercado, porque a finalidade dela não é a construção de um patrimônio de riquezas infindáveis, mas a educação da prole para o Céu, o que, na visão dos banqueiros, diminui a produção e aquisição de bens de consumo. E é por isso que seria necessário modificar a estrutura familiar.

Para tanto, os revolucionários procuraram modificar a finalidade do sexo. Hoje as pessoas acreditam que o sexo é um parque de diversões, onde se pode fazer tudo o que se quer. Mas, assim como o sistema digestivo serve para a nutrição, apesar do gosto agradável das refeições, o sexo também tem uma finalidade específica, que é a reprodução, ainda que exista o gozo sexual. Quem se alimentar apenas pelo prazer terá problemas de saúde. O mesmo acontece com o sexo só pelo prazer.

A natureza humana exige que haja uma família formada por pai, mãe e filhos. Notem que, dentre todos os animais, o bebê humano é o mais frágil e dependente dos adultos. Ele necessita de uma estrutura adequada que o eduque e o ensine a ser humano. É a sua essência que exige uma união estável entre os pais, de sorte que cada um cumpra o seu papel para a formação da prole.

A finalidade da família não é o romance entre homem e mulher, mas a geração dos filhos. A família tem uma função educacional insubstituível, que não pode ser terceirizada ao Estado. Todas as tentativas neste sentido estão fadadas ao fracasso. Assim como a Igreja deve ser uma grande família de pessoas virtuosas, pai e mãe devem ser esses exemplos de virtudes para os próprios filhos.

No início do século XX, o sociólogo Émile Durkheim fez alguns estudos sobre as causas do suicídio e concluiu que, à medida que uma pessoa se separa de sua família, as chances de ela se suicidar aumentam, porque aumenta a sensação de vazio existencial.

A Revolução Industrial provocou essa sensação nas pessoas ao substituir a família pelo dinheiro. Notem que, na Idade Média, as associações de trabalho, as guildas, eram pensadas como família, assim como os países eram formados por um sentido de paternidade, de pátria. Com a hipnose do dinheiro, no entanto, formou-se o conceito de “empresa”, onde as pessoas são substituíveis. Conforme a análise de Kingsley Davis, as empresas são diferentes das famílias porque, enquanto estas são eternas, aquelas podem ser objeto de descarte.

Acontece que as famílias estão se tornando descartáveis, porque homens e mulheres estão preferindo o dinheiro aos próprios filhos. O gráfico econômico que vimos no começo desta aula indica uma doença espiritual da humanidade. As famílias alternativas, criadas pela indústria, não passam de famílias descartáveis.

A coisa mais importante neste momento, portanto, é recuperar a finalidade verdadeira das famílias, que é povoar este mundo para, um dia, povoar o Céu. Como disse Nosso Senhor: “Não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Lc 16, 13).

Clique aqui e assista à aula completa do Padre Paulo Ricardo

Notas

  1. From the Malthusian Trap to the Industrial Revolution, onde consta o gráfico apresentado pelo Padre Paulo Ricardo ao início da transmissão.

Retiro Vocacional Fidelidade 2019 – Venha conhecer o Carisma!

Por | - ULTIMAS, AGENDA, DESTAQUES, NOTÍCIAS

Venha conhecer o carisma Fidelidade

O Retiro Vocacional Fidelidade é um retiro anual realizado pela Comunidade Católica Fidelidade para apresentar o carisma e missão da comunidade.

É a primeira etapa para quem deseja conhecer e ingressar no período de Caminhante da comunidade em 2020 e futuramente se tornar membro compromissado no carisma da Comunidade Católica Fidelidade.

Comunhão e colaboração são pilares das Novas Comunidades

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES, NOTÍCIAS

Em sua 10ª edição que reuniu 260 pessoas, congresso trouxe palestras das fundadoras da Comunidade Oásis de Caxias do Sul e reflexão de Dom Pedro

Praticando os itinerários de acolhida, missão e formação do 8º Plano Diocesano de Pastoral, o 10º Congresso das Novas Comunidades aconteceu no sábado e domingo (14 e 15/09), pregando a comunhão e colaboração das comunidades com a Igreja, em evento realizado na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, na Vila Curuçá, em Santo André.

Com o tema “Novas Comunidades, Uma Resposta Providencial para o nosso tempo”, o encontro reuniu 260 membros de 19 grupos: Aliança da Cruz, Anunciação, Árvore da Cruz, Fanuel, Fidelidade, Filhos de Israel, Famílias Bethânia, Mãe Santíssima, Missão Belém, Missão Seja Luz, Missão Oráculo Santo, Missão Santa Faustina, Novos Céus, Padre Pio, Peregrinos do Amor, Coração Chagado, Coração Sagrado, Divina Misericórdia e Divina Missão.

Cinco critérios

Após a acolhida e adoração ao Santíssimo Sacramento, com a presença do anfitrião Pe. Vanderlei Ribeiro, o bispo diocesano Dom Pedro Carlos Cipollini realizou a abertura do evento destacando cinco critérios fundamentais para a atuação das novas comunidades, a partir da Exortação Apostólica Pós-Sinodal Christifideles Laici, do Papa João Paulo II, sobre a vocação e missão dos leigos na igreja e no mundo, apresentada no ano de 1988, em Roma, na Itália.

São eles: primado dado à vocação de cada cristão à santidade; a responsabilidade em professar a fé católica, acolhendo e proclamando a verdade sobre Cristo, sobre a Igreja e sobre o homem; o testemunho de uma comunhão sólida e convicta, em relação filial com o Papa; a conformidade e a participação na finalidade apostólica da Igreja, que é a evangelização e a santificação dos homens e a formação cristã das suas consciências; e o empenho de uma presença na sociedade humana que, à luz da doutrina social da Igreja, se coloque ao serviço da dignidade integral do homem.

“Esses cinco critérios ajudam a perceber se estamos no caminho certo. São Paulo diz: Cristo é a cabeça do corpo, que é a Igreja. É uma grande tentação estarmos em comunhão com a cabeça, mas não com o corpo. Quem ama a cabeça, que é Cristo, tem que amar o corpo, que é a própria Igreja”, destaca.

Regimento diocesano

Ao final de sua explanação, Dom Pedro assinou o documento que reconhece o regimento diocesano das novas comunidades.

“Uma grande alegria de ter esse reconhecimento. Que Deus faça a partir de nós, novas comunidades, um sinal visível da glória de Deus na comunhão com a diocese e também na obediência ao nosso bispo”, sintetiza o coordenador da Frater das Novas Comunidades, Reginaldo Rodrigues.

Durante os dois dias, as fundadoras da Comunidade Oásis, de Caxias do Sul (RS), Maria Francisca e Gislaine Benedetti, apresentaram palestras sobre os pontos necessários para uma vida comunitária, sobretudo, num primeiro momento reconhecer Jesus como Senhor e de lutar por uma vida de santidade, por meio da sua misericórdia e da busca por justiça, bem como a partir do batismo, revelar a glória de Deus em seus carismas.

Experiência valiosa

Fundador da Comunidade Católica Missão Seja Luz (região da Paróquia São Geraldo Magella – São Bernardo), o psicanalista e educador social Diego Narcizo, 32 anos, avaliou que o congresso reforçou o chamado de ser sinal e manifestação da Luz de Cristo no mundo.

“Com a missão de auxiliar o homem em sua reconstrução por meio da luz do amor e da verdade, promovendo assim o resgate da integralidade humana criada por Deus, onde somos a sua imagem e semelhança”, elucida Diego, casado com Fabiana Narcizo, com quem tem dois filhos, Ana Clara e Miguel.

Livro Ser Mãe – Pedidos

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES, NOTÍCIAS

Adquirindo o Livro Ser Mãe, você está ajudando na Construção da Capela Nossa Senhora das Graças e nas ações de evangelização da Comunidade Fidelidade. O Valor do Livro é de R$ 25,00. O Pagamento pode ser pelo Pag Seguro ou em Depósito Bancário. Confira abaixo:


Opção de pagamento pelo PagSeguro – Todos os cartões e formas de pagamento
Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Lançamento! Livro “Ser Mãe” de Monica Tinti

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES

No dia 03 de Agosto às 19h00 na Grande Célula Especial.

Antecipe seu pedido!
http://comunidadefidelidade.com/livro-ser-mae-pedidos/

Uma noite de bençãos com mais um lançamento na Fidelidade. Um livro para evangelização e cura das mães e famílias. “Ser Mãe”, A perfeição do amor materno.

Não fique de fora e venha participar. Uma noite com coquetel e dedicatórias. Você e sua família são nossos convidados de honra!

Toda a venda do livro será revertida na Capela Nossa Senhora das Graças.

Jesus Cristo ressuscitou! Está vivo!

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES

Por que procurais entre os mortos aquele que está vivo? Não está aqui, ressuscitou!(Lc 24, 5b-6). Três dias após a morte de Jesus, algumas mulheres foram ao seu túmulo, ouviram este anúncio e se tornaram mensageiras dessa boa notícia.

Também hoje a Igreja testemunha e anuncia, como fez através dos séculos: Jesus Cristo, morto na cruz, ressuscitou, está vivo e presente no meio de nós! Por infinita condescendência para conosco, Deus tornou-se próximo de nós e manifestou-nos amor sem medida, iluminou e deu sentido novo à vida através da ressurreição de Jesus.

A Páscoa, passagem das trevas para a luz, da morte para a vida, empenha-nos decididamente na superação dos sinais de morte ainda presentes na cultura e na convivência humana. O anúncio pascal traz a certeza de que a injustiça e o egoísmo, a violência e o ódio não terão a última palavra sobre a existência.

A Páscoa faz-nos abraçar a defesa da vida humana, em todas as suas fases, e da natureza, ambiente da vida, dom do Criador. O cuidado da Terra, nossa casa comum, e o zelo pela sua capacidade de acolher e abrigar a vida são cada vez mais urgentes e requerem o esforço solidário de todos; essas atitudes decorrem do respeito a Deus criador e amigo da vida.

Não é belo, não é coerente com nossa fé, não é justo com o próximo promover a violência, a cultura da morte, o desprezo à obra de Deus e à vida de nossos semelhantes. A ressurreição de Jesus Cristo revela que Deus está do lado da vida; por isso, somos convocados a estar desse lado também.

Ressuscitou! Não está mais entre os mortos! O amor de Deus, manifestado a nós na ressurreição de seu Filho Jesus Cristo, alimenta a alegria e a esperança; ao mesmo tempo, faz-nos participar da edificação da sociedade, segundo os critérios da verdade, da justiça e da solidariedade. A Páscoa de Jesus é sinal da vitória possível sobre a morte e todos os males.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, ao formular votos de feliz e abençoada Páscoa, convida todos a abraçarem, de maneira decidida, a causa da vida.

Jesus Cristo, que passou da morte para a vida, fortifique nossa esperança. O Deus da vida abençoe a todos.

4 sinais de que você pode estar espiritualmente morto

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES

Assim como há indicações de que o corpo morreu, também há sobre a morte espiritual

Ele está vivo ou está morto?

Essa é uma questão importante, não é? Como verificar se alguém está vivo ou morto? Existem sinais bem estabelecidos. Você pode verificar a respiração, verificar se há pulso, ouvir o batimento cardíaco. Até agora, estamos falando de vida física ou morte. E quanto à vida espiritual ou morte?

Mais especificamente: se você estivesse espiritualmente morto, como saberia?

Podemos considerar quatro sinais de que alguém está espiritualmente morto. Eles geralmente são encontrados juntos e não isoladamente.

Primeiro sinal:

Não há esforço. O que quero dizer com isso? Há uma resignação apática ao status quo e nenhuma aspiração por um futuro melhor. Em outras palavras: “Minhas falhas são permanentes; é assim que eu sou. Virtudes são impossíveis para mim; eu não sou esse tipo de pessoa”. Ausência de esforço tem uma semelhança familiar com o pecado mortal da preguiça (acédia), não é?

Segundo sinal:

Sem compaixão. O que quero dizer com isso? Um coração frio como pedra na presença do pecado e do sofrimento. Na presença do pecado, não há indignação pelos direitos e dignidade de Deus; não há pesar pela perda de uma alma humana. Na presença do sofrimento, não há empatia pelos aflitos, muito menos ação em favor daqueles que sofrem. Há simplesmente uma falta de movimento do corpo, mente e coração.

Considere a observação forte de Santo Agostinho: ??“a esperança tem duas lindas filhas: seus nomes são raiva e coragem. Raiva de que as coisas estejam do jeito que estão. Coragem para colocá-las no caminho que deveriam estar”. Podemos concluir que a ausência de compaixão indica ausência de esperança.

Terceiro sinal:

Sem aprendizado. O que quero dizer com isso? Uma recusa a ser ensinado sobre a santidade de Deus e sobre o nosso pecado. Quando estamos apaixonados, freqüentemente perguntamos à pessoa amada: “Diga-me mais”. Que pessoa sensata não diria “diga-me mais”, quando Jesus diz: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”? (João 14, 6) Nenhum aprendizado indica falta de humildade, isto é, falta de disponibilidade para ouvir a verdade sobre Deus e a verdade sobre nós mesmos.

Quarto sinal:

Sem arrependimento. Quase todos os párocos confirmarão isto: as filas para receber a Santa Comunhão são muito maiores do que as filas da Confissão. O que uma pessoa razoável pode inferir disso? Certamente não que o pecado tenha sido derrotado em nossa vida! Sem arrependimento refere-se a qualquer um que peca sem hesitação, sem se arrepender e sem ter vergonha. É pouco provável que uma cultura que valoriza a auto-estima mais do que a contrição produza muitos grandes santos. Como uma alma, uma cultura sem arrependimento não terá bons frutos ou futuro.

Tendo escrito essas palavras, sei que existe a tentação de pensar em como esses quatro sinais de morte espiritual podem se aplicar aos outros. Podemos ser tentados a fazer uma lista de quais sinais se aplicam a qualquer pessoa que conheçamos.

Vamos resistir a essa tentação! Em vez disso, vamos olhar para essa lista novamente, e refletir sobre a questão dos apóstolos na Última Ceia: “Sou eu, Senhor?” (Mateus 26, 22)

Se isso se aplicar a você, é hora de examinar sua consciência, planejar uma reforma da vida e confessar-se o mais rápido possível. (Sugestão útil: a menos que você tenha sido concebido de modo imaculado, você tem caído em um ou mais desses casos uma vez ou outra!)

Vamos pedir a Nosso Senhor em oração que nos revele onde essas ervas daninhas se enraizaram no jardim de nossas almas. Vamos pedir ajuda divina para arrancar essas ervas daninhas e substituí-las pelas virtudes contrárias.

Vamos compartilhar com um confidente de confiança (um diretor espiritual, o cônjuge ou alguma outra pessoa espiritualmente madura) nossos planos confirmados em oração para consertar nossas vidas. Vamos compartilhar com eles metas identificáveis ??e mensuráveis, para que, na caridade, eles possam nos ajudar a nos responsabilizarmos pela reforma que todos nós devemos empreender.

Considere isto: se nos recusarmos a admitir que a morte espiritual nos ronda, se teimosamente nos recusarmos a admitir que precisamos nos confessar, arrepender e reformar nossa vida, então estaremos dando as costas para as graças da Quaresma e às bênçãos da Páscoa. Seríamos semelhantes a Lázaro recusando-se a sair da tumba, porque dá trabalho fazer isso. Deus nos livre de tal escândalo!

Oração de libertação do vício da pornografia

Por | - ULTIMAS, DESTAQUES

Confie no poder da oração: você pode ser curado

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, amém!

Senhor Jesus, quero neste momento te louvar pelo dom da minha vida, por tudo aquilo que o Senhor já realizou em mim até agora; e por isso te agradeço de coração porque caminhas ao meu lado sem nunca me abandonar! Muito obrigado Jesus!
Mas quero também pedir perdão a Ti Jesus! Sim, porque ainda que eu saiba que Tú caminhas comigo eu ainda não sou tão forte o suficiente para me livrar de determinados vícios que fui adquirindo ao longo da minha caminhada. E aqui quero te apresentar um vício que muito tem perturbado o meu coração e o meu caminho para a santidade; que é o vício da pornografia!

Quero pedir que o Senhor venha me livrar de tudo aquilo que tem me prendido à pornografia! A começar pelo prazer que busco através dela, pensando que estes tipos de prazeres podem me preencher, que podem preencher o vazio que trago dentro de mim e que nem mesmo sei de onde vem. Quero renunciar à busca destes tipos de prazeres mentirosos que o Tentador coloca no meu caminho e que me engana com a sua mentira! Pois na verdade estes prazeres me esvazia e cria abismos dentro da minha alma, que me afastam de Ti, que és o ÚNICO e ABSOLUTO BEM que posso buscar!

Quero ainda pedir a ti Jesus, pela força do Teu Santo Nome que quebre todos os tipos de pensamentos obsessivos em relação ao sexo na minha vida. Pois estes pensamentos surgem com muita força dentro de mim e sempre me arrastam para o Mal, para o pecado! Atinge pela força do teu Sangue o momento que estes tipos de pensamentos se tornaram obsessivos em algum momento da minha vida! Quebra o círculo vicioso que estes pecados tem atingido os meus pensamentos!

Senhor, pela autoridade do Teu Nome que caia por terra agora todo o tipo de rotina que o pecado da pornografia criou na minha vida, quebra no poder do Teu Nome o hábito de olhar para as mulheres com desejos obscenos de possui – las, quebra o hábito de olhar para os homens com desejos de possui – los; quebra pela força do Teu nome o desejo descompensado de olhar a pornografia por meio da internet, de filmes, de revistas, fotografias, redes sociais e tudo o que me cerca!

Eu renuncio a estes desejos obscenos que a pornografia me traz e que me incentivam a buscar. Eu renuncio e peço que pela força do Teu Nome vá aos pés da Tua cruz toda a carga genética, toda a carga hereditária que ainda possam estar influenciando a minha vida na área da minha sexualidade!

Quebra toda a anormalidade sexual que trago da minha linhagem familiar, Senhor Jesus! Que caia sobre mim o poder do Teu Sangue jorrado na cruz e que Ele traga toda a Cura e Libertação que preciso na área da minha sexualidade! Não importando de onde tenha nascido estes distúrbios, não importando de onde tenham nascido estes vícios, seja do emocional, seja de carência afetiva, seja de violência sexual, seja até mesmo de hábitos adquiridos ao longo da minha vida; liberta – me de tudo isso e com a Tua libertação que venha sobre mim toda a cura necessária Senhor Jesus!

Liberta – me Senhor Jesus dos lugares que tem feito com que eu fique preso a pornografia e ao pecado na minha sexualidade!Liberta – me do pecado gerado no segredo do meu quarto, do meu banheiro, do meu ambiente de escola, do meu ambiente de trabalho, das minhas falsas amizades!

Liberta – me do pecado da pornografia realizado dentro da minha casa, escondido da minha esposa, do meu marido, dos meus filhos, mas que nunca foi e nunca será escondido da Tua presença Jesus!

Purifica – me pela força do Espirito Santo os meus desejos, as minhas vontades, as minhas intenções; e rompe agora no poder do Teu Nome Jesus toda a força diabólica que quer me seduzir e me arrastar para a pornografia!

Lave – me por inteiro(a) no Teu Sangue Redentor! E assim que eu tiver a primeira oportunidade Senhor Jesus eu me comprometo a buscar a confissão de todos estes meus pecados, pois eu quero mudar de vida, e sei que pela força deste momento de oração eu posso mudar de vida! Eu assumo agora minha mudança de vida no nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Obrigado por tudo o que o Senhor fez e continuará fazendo na minha vida! Que a Virgem Maria possa ir a frente de todo este meu novo propósito e me ensine a ser cada dia mais santo(a)!
Amém!

(via Livres de todo mal)