Category

DOWNLOADS

LIVRO DE COLORIR PARA BAIXAR OU IMPRIMIR

Por | DESTAQUES, DOWNLOADS, ESPAÇO KIDS

Paz de Cristo irmãos e irmãs. Segue abaixo imagens para imprimir e usar com as crianças nas Células.

LIVRO INFANTIL DOWNLOAD COMPLETO

Livro – A Alma de todo Apostolado!

Por | DOWNLOADS

Nenhum livro, talvez, tenha sacudido tão profundamente o homem como este.

Tornou-se  um livro clássico das almas interiores.

Palavras de São Pio X, durante a visita ad limina dos bispos do Canadá em 1914:

“Se quereis que Deus abençõe e torne fecundo o vosso apostolado, empreendido para a sua glória, impregnai-vos bem do espírito de Jesus Cristo, procurando adquirir uma intensa vida interior. Para este fim, nao vos posso indicar melhor guia do que “A alma de todo o apostolado” de Dom Chautard, abade cisterciense. Recomendo-vos, calorosamente, esta obra, que estimo particularmente, e da qual fiz o meu próprio livro de cabeceira”.

A Alma de Todo Apostolado
Download Aqui do Livro para Leitura!

Folder para sua Lectio Divina

Por | DOWNLOADS, FORMAÇÃO DE LIDERES, LECTIO DIVINA

A leitura orante da Bíblia, ou LECTIO DIVINA, é um alimento necessário para a nossa vida espiritual. A partir desta oração, conscientes do plano de Deus e sua vontade, podemos produzir os frutos espirituais em nossa vida.

A LECTIO DIVINA é deixar-se envolver pelo plano amoroso e libertador de Deus. Santa Teresinha do Menino Jesus dizia, em seu período de aridez espiritual, que quando os livros espirituais não lhe diziam mais nada, ela buscava no Evangelho o alimento da sua alma.

BAIXE AQUI O FOLDER – Folder Lectio Divina

Como fazer a LECTIO DIVINA?

A LECTIO DIVINA tradicionalmente é uma oração individual, porém, podemos fazê-la em grupos. O importante é rezar com a Palavra de Deus lembrando o que dizem os bispos católicos no Concílio Vaticano II, relembrando a mais antiga tradição católica, que conhecer a Sagrada Escritura é conhecer o próprio Cristo. Os monges diziam que a LECTIO DIVINA é a escada espiritual dos monges, mas é também a de todo cristão!

Quais os passos da LECTIO DIVINA?

1) Oração inicial: Comece invocando o Espírito Santo, que nos faz conhecer e querer fazer a vontade de Deus. Reze, por exemplo, com a seguinte oração:

«Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. – Enviai, Senhor, o vosso Espírito, e tudo será criado; e renovareis a face da terra. Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo Senhor nosso. Amém.»

2) Leitura da Palavra de Deus: Leia, com calma e atenção, um pequeno trecho da Bíblia (aconselhamos que nas primeiras vezes utilize-se os textos dos Evangelhos, por serem mais familiares a todos). Se for preciso, leia o texto quantas vezes forem necessárias.

Procure identificar as coisas importantes deste trecho da Bíblia: o ambiente, os personagens, os diálogos, as imagens usadas, as ações. Você conhece algum outro trecho que seja parecido com este que leu? É importante que você identifique tudo isto com calma e atenção, como se estivesse vendo a cena. É um momento para conhecer e reconhecer a Boa Notícia que este trecho nos traz!

3) Meditar a Palavra de Deus: É o momento de descobrir os valores e as mensagens espirituais da Palavra de Deus: é hora de saborear a Palavra de Deus e não apenas estudá-la. Você, diante de Deus, deve confrontar este trecho com a sua vida. Feche os olhos, isto pode ajudar. É preciso concentrar-se!

4) Rezar a Palavra de Deus: Toda boa meditação desemboca naturalmente na oração. É o momento de responder a Deus após havê-lo escutado. Esta oração é um momento muito pessoal que diz respeito apenas à pessoa e Deus. É um diálogo pessoal! Não se preocupe em preparar palavras, fale o que vai no coração depois da meditação: se for louvor, louve; se for pedido de perdão, peça perdão; se for necessidade de maior clareza, peça a luz divina; se for cansaço e aridez, peça os dons da fé e esperança. Enfim, os momentos anteriores, se feitos com atenção e vontade, determinarão esta oração da qual nasce o compromisso de estar com Deus e fazer a sua vontade.

5) Contemplar a Palavra: Desta etapa a pessoa não é dona. É um momento que pertence a Deus e sua presença misteriosa, sim, mas sempre presença. É um momento no qual se permanece em silêncio diante de Deus. Se ele o conduzirá à contemplação, louvado seja Deus! Se ele lhe dará apenas a tranqüilidade de uns momentos de paz e silêncio, louvado seja Deus! Se para você será um momento de esforço para ficar na presença de Deus, louvado seja Deus!

6) Conservar a Palavra de Deus na vida: Leve a Palavra de Deus e o fruto desta oração para a sua vida. Produza os frutos da Palavra de Deus semeada no seu coração, frutos como: paz, sorriso, decisão, caridade, bondade, etc… Não se preocupe se alguma coisa não for bem, um dos frutos da Palavra de Deus é a noção do erro e a conversão pela sua misericórdia. O importante é que a semente da Palavra de Deus produza frutos, se 30, 60 ou 100 por um… o importante é que produza, e que o Povo de Deus possa ser alimentado pelos testemunhos de fé, esperança e amor na vivência de um cristianismo sincero.

Termine com a oração do Pai Nosso, consciente de querer viver a mensagem do Reino de Deus e fazer a sua vontade.

Como ler a Bíblia? Veja umas dicas.

Por | DOWNLOADS, FORMAÇÃO DE LIDERES, FORMAÇÕES

Download para Impressão: Como Usar a Bíblia

Download da Tabela periódica Bíblica: Tabela Periódica Bíblica

tabelaperiodicabibliaO que é a Bíblia

A Bíblia é um conjunto de livros escritos durante vários séculos, por várias mãos. A palavra Bíblia, ao pé da letra, significa “livrinhos”, plural da palavra grega biblíon (“livrinho”) que, por sua vez, é o diminutivo da palavra biblos (“livro”). A palavra “Bíblia” para se referir às Sagradas Escrituras foi usada pela primeira vez por João Crisóstomo, no quarto século depois de Cristo.

Assim, a Bíblia consiste de uma coleção de livros menores, diferentes entre si. Cada um desses livros aborda uma mensagem com a finalidade de iluminar a vida do povo de Deus, de acordo com a realidade da época em que foi escrito. Há, ao todo, 73 livros, escritos de diversos modos: história, poesia, hinos, cartas e outros escritos, conforme a mensagem a ser comunicada.

Os 73 livros que se encontram na Bíblia cristã dividem-se em duas partes: Antigo e Novo Testamento. A palavra “testamento” vem da tradução grega para a palavra hebraica berit, que significa “aliança”, “pacto”. Logo, as duas grandes partes da Bíblia referem-se à Antiga e à Nova Aliança entre Deus e o seu povo. Também se usa os termos primeiro testamento e segundo testamento ou seja, primeira aliança e segunda aliança.

Existe uma diferença entre a Bíblia dos católicos e a dos protestantes. As Bíblias protestantes não trazem sete livros: Judite, Tobias, 1º Macabeus, 2º Macabeus, Baruc, Eclesiástico e Sabedoria, além de Ester 10,4-16,24 e Daniel 13-14. Estes livros foram considerados inspirados num segundo momento, quando a Bíblia hebraica já estava bem formada, e entraram no conjunto dos textos sagrados somente quando a Bíblia hebraica foi traduzida para o grego, na tradução da Setenta, por volta do ano 250 antes de Cristo.

Como os protestantes aceitam somente a Bíblia hebraica como inspirada, estes textos ficaram de fora. Já os católicos aceitam a Bíblia grega e, portanto, os sete livros acima, escritos em grego, foram considerados sagrados. Hoje, porém, algumas Bíblias protestantes trazem também estes livros, que são conhecidos como “deuterocanônicos”.

ANTIGO TESTAMENTO – PRIMEIRO TESTAMENTO

Pentateuco (a Lei) = Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio

Os cinco primeiros livros da Bíblia formam o Pentateuco. Pentateuco é uma palavra grega que significa “cinco livros”. Foram escritos ao longo de 500 anos e falam da criação do mundo e da Aliança que Deus fez com o povo hebreu.

Livros históricos = Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias, Tobias, Judite, Ester, 1 e 2 Macabeus.

Os livros históricos formam a maior parte do Antigo Testamento. Contam a história desde a entrada na Terra Prometida até pouco antes do nascimento de Jesus. São divididos em três grupos:

  1. a) Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis: procuram mostrar que o importante na caminhada do povo é a fidelidade à Aliança com Deus. Quando as lideranças e o povo são fiéis à Aliança, recebem a bênção; quando há desrespeito ao pacto, caem em desgraça.
  2. b) 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias, 1 e 2 Macabeus: escritos após o exílio na Babilônia, contam a história de modo a orientar o povo na reconstrução para organização e sobrevivência diante do poder estrangeiro.
  3. c) Rute, Tobias, Judite, Ester: apresentam situações vividas pelos judeus na Palestina ou no estrangeiro, com a finalidade de iluminar o povo. Não são acontecimentos históricos. São histórias inventadas a partir de situações reais e concretas do povo.

Livros sapienciais (Saber) e poéticos = Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos, Sabedoria, Eclesiástico

Nestes livros, temos a sabedoria e a espiritualidade do povo de Deus. Os livros de sabedoria são cinco: Jó, Provérbios, Eclesiastes, Sabedoria e Eclesiástico. Os livros de poesia são dois: Salmos e Cântico dos Cânticos.

Livros proféticos = Isaías, Jeremias, Lamentações, Baruc, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias, Malaquias

Os livros proféticos são tradicionalmente divididos em dois grupos: os profetas maiores e os menores, de acordo simplesmente com o tamanho dos livros. Os quatro maiores são Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel. Profetas foram aqueles que, ao longo da história, convocaram as lideranças e o povo para a conversão ou volta ao projeto de Deus, denunciaram situações injustas e alertaram para o julgamento de Deus. Anunciam a esperança, encorajam o povo a reconstruir sua própria história.

NOVO TESTAMENTO – SEGUNDO TESTAMENTO

Evangelhos = Mateus, Marcos, Lucas, João   –   Palavras da Salvação! Gloria a vós Senhor

A palavra “evangelho” quer dizer “boa notícia”. Cada um dos quatro evangelhos narra a boa notícia de Jesus, sua vida e missão, desde o nascimento até a paixão, morte e ressurreição. Foram escritos entre 30 e 70 anos depois da morte e ressurreição de Jesus, a partir das histórias que as comunidades recordavam e transmitiam de boca em boca. Os Evangelhos foram escritos não para mostrar os fatos históricos exatamente como aconteceram, e sim como um meio de se manter viva a lembrança das ações e das palavras de Jesus, para que continuassem iluminando sempre a vida do povo.

Atos dos Apóstolos = O evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos formam uma só obra.

O evangelho de Lucas apresenta o caminho de Jesus, da Galileia a Jerusalém. Os Atos dos Apóstolos mostram o caminho das primeiras comunidades cristãs, ou seja, dos discípulos de Jesus, de Jerusalém a Roma.

Cartas de São Paulo = São 14 = Romanos, 1 e 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses, 1 e 2 Timóteo, Tito, Filemon, Hebreus, Tiago, 1 e 2 Pedro, 1 a 3 João, Judas.

Curiosidade: Hebreus é anônima, tradicionalmente atribuída a São Paulo – Dizem então que são 13 Cartas…

As cartas encontradas no Novo Testamento são divididas em dois grandes grupos: as cartas de Paulo e as cartas católicas. As cartas de Paulo visam responder a situações concretas e resolver problemas específicos das várias comunidades que o apóstolo acompanhava. As sete cartas católicas, ou universais, foram escritas para toda a Igreja, e não para pessoas ou comunidades em particular. Essas cartas são: uma de Tiago, duas de Pedro, três de João e uma de Judas.

Apocalipse = Apocalipse de João

O Apocalipse de João foi escrito para iluminar a vida das comunidades que enfrentavam a perseguição no final do primeiro século depois de Cristo. Nesse livro, há muitas imagens e símbolos do Antigo Testamento que para nós muitas vezes dificultam a compreensão, mas eram familiares ao povo da Bíblia. A palavra apocalipse não quer dizer previsão sobre o futuro, mas revelação. No Apocalipse encontramos a revelação do próprio Jesus Ressuscitado.

Abreviaturas e citações

Para facilitar as citações em geral, os livros da Bíblia foram divididos em capítulos e os capítulos em versículos (pequenos versos). Existem várias traduções da Bíblia no Brasil, e por isso, o modo mais prático de citar um texto não é pelo número da página, e sim pelo livro, seguido do capítulo e do versículo. Cada livro é citado usando-se uma abreviatura. A lista a seguir apresenta as abreviaturas dos livros bíblicos por ordem alfabética:

Ab Abdias
Ag Ageu
Am Amós
Ap Apocalipse
At Atos dos Apóstolos
Br Baruc
Cl Colossenses
1Cor 1ª carta aos Coríntios
2Cor 2ª carta aos Coríntios
1Cr 1º livro das Crônicas
2Cr 2º livro das Crônicas
Ct Cântico dos Cânticos
Dn Daniel
Dt Deuteronômio
Ecl Eclesiastes (Coélet)
Eclo Eclesiástico (Sirácida)
Ef Carta aos Efésios
Esd Esdras
Est Ester
Ex Êxodo
Ez Ezequiel
Fl Carta aos Filipenses
Fm Carta a Filemon
Gl Carta aos Gálatas
Gn Gênesis
Hab Habacuc
Hb Carta aos Hebreus
Is Isaías
Jd Carta de Judas
Jl Joel
Jn Jonas
Jo Evangelho segundo João
1Jo 1ª carta de João
2Jo 2ª carta de João
3Jo 3ª carta de João
Jr Jeremias
Js Josué
Jt Judite
Jz Juízes
Lc Evangelho segundo Lucas
Lm Lamentações
Lv Levítico
Mc Evangelho segundo Marcos
1Mc 1º livro dos Macabeus
2Mc 2º livro dos Macabeus

 

Ml Malaquias
Mq Miquéias
Mt Evangelho segundo Mateus
Na Naum
Ne Neemias
Nm Números
Os Oséias
1Pd 1ª carta de Pedro
2Pd 2ª carta de Pedro
Pr Provérbios
Rm Carta aos Romanos
1Rs 1º livro dos Reis
2Rs 2º livro dos Reis
Rt Rute
Sb Sabedoria
Sf Sofonias
Sl Salmos
1Sm 1º livro de Samuel
2Sm 2º livro de Samuel
Tb Tobias
Tg Carta de Tiago
1Tm 1ª carta de Timóteo
2Tm 2ª carta de Timóteo
1Ts 1ª carta aos Tessalonicenses
2Ts 2ª carta aos Tessalonicenses
Tt Carta a Tito
Zc Zacarias

 

Exemplos

Para indicar todo o capítulo 12 do Gênesis, basta escrever: Gn 12.

Para indicar o versículo 3 do capítulo 12, escreve-se: Gn 12,3. Como se vê, capítulo e versículo são separados por vírgula.

Para indicar mais de um versículo, basta usar um hífen entre eles:

Gn 12,1-3 se refere, por exemplo, ao livro do Gênesis, capítulo 12, do versículo 1 até o 3.

Quando se quer indicar versículos que não se encontram na sequência, usa-se o ponto: Gn 12,1.4.7.14 se refere ao capítulo 12 do Gênesis, versículos 1, 4, 7 e 14.

O mesmo vale para os capítulos: Gn 11-14 se refere aos capítulos 11 até o 14 do livro do Gênesis. Já Gn 11.14 se refere aos capítulos 11 e 14, saltando os capítulos 12 e 13.

Para citar textos em versículos de diversos capítulos, usa-se o ponto-e-vírgula: Gn 11,12; 13,4; 15,7 se refere ao livro do Gênesis, capítulo 11, versículo 12; capítulo 13, versículo 4; capítulo 15, versículo 7.

Uma citação como Gn 11,3-14,7 merece atenção. Note-se que depois do hífen existe outra vírgula, e não o ponto-e-vírgula como no exemplo anterior. Como vimos, o número antes da vírgula indica sempre o capítulo. Assim, a citação Gn 11,3-14,7 está indicando o livro do Gênesis, do capítulo 11, versículo 3, até o capítulo 14, versículo 7.

Comunidade de comunidades: uma nova paróquia – Doc. 100

Por | DOWNLOADS, FORMAÇÕES

Doc100-Comunidade_de_Comunidades –

2455_1_20140602110603Este documento “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia. A conversão pastoral da paróquia” apresenta as diretrizes do episcopado brasileiro para a Igreja no Brasil. Tem como objetivo iluminar o nosso ser Igreja, a sermos comunidade dos que vivem de Cristo Jesus, iluminados e guiados pela força e suavidade do Espírito Santo, acolhidos pela bondade materna do Pai.
O conteúdo do Documento é exigente e desafiador. Propõe uma verdadeira transformação da paróquia. A expressão paróquia como comunidade de comunidades “é presença eclesial no território, âmbito para a escuta da Palavra, o crescimento da vida cristã, o diálogo, o anúncio, a caridade generosa, a adoração e a celebração. Através de todas as suas atividades, a paróquia incentiva e forma os seus membros para serem agentes da evangelização. É comunidade de comunidades, santuário onde os sedentos vão beber para continuarem a caminhar, e centro de constante envio missionário”.
Uma paróquia comunidade de comunidades é dinâmica, missionária. Ela necessita de uma conversão pastoral como nos lembra o Documento de Aparecida. Novo espírito, novo ardor, novas dinâmicas, pois a sua missão é “transmitir uma herança. (…) Para transmitir a herança é preciso entregá-la pessoalmente, tocar a pessoa para quem você quer doar, transmitir essa herança”.
A conversão da paróquia em comunidade de comunidades “consiste em ampliar a formação de pequenas comunidades de discípulos convertidos pela Palavra de Deus e conscientes da urgência de viver em estado permanente de missão. Isso implica em revisar a atuação dos ministros ordenados, consagrados e leigos, superando a acomodação e o desânimo. O discípulo de Jesus Cristo percebe que a urgência da missão supõe desinstalar-se e ir ao encontro dos irmãos”.
Por meio deste Documento, que deverá ser estudado, refletido, assimilado e posto em prática, o episcopado brasileiro convoca a todos a darem sua contribuição responsável para apresentar um rosto de Igreja renovado e fiel aos ensinamentos de Jesus.

Palestras do 5 Congresso Diocesano das Novas Fundações

Por | DOWNLOADS, GALERIA DE ÁUDIO

Paz queridos irmãos. Aqui estão as Palestras para ouvirem.

Peço encarecidamente que não compartilhem para que possamos com os Cd´s ajudar a obra da Comunidade Fidelidade.

Os Dvd´s das Palestras ja podem ser encomendados com a comunidade fidelidade. fidelidade@comunidadefidelidade.com

Mp3 das Palestas para ouvir:

Evangelho e Homilia com Padre Marcio Pontes – Abertura do Congresso

1 Partilha – Essências de uma nova Fundação – Nei

2 Partilha – Alegria do Anuncio pelo Carisma – Nei

3 Partilha – Levem sempre a palavra do Evangelho, não tenham medo – Nei