Category

MUSICA

Sim, há um caminho mais inteligente e mais suave

Por | - ULTIMAS, FORMAÇÕES, GRUPO DE JOVENS

Pare um instante e reflita no que dizem estas poucas linhas…

Realmente hoje temos muita ciência, mas pouca sabedoria. O primado da técnica sobre a ética e da ciência sobre a moral não garantem a felicidade do homem moderno. Isso faz com que ele tenha medo daquilo mesmo que construiu com suas mãos e sua inteligência. Há um caminho mais suave para se viver e ser feliz.

Que caminho é esse?

É por onde se observa coisas simples e naturais, medita e equilibra: ciência e fé. Por exemplo:

A rua mais limpa não é aquela que se varre mais vezes, é a que se suja menos.

A consciência mais tranquila não é a que se confessa muito, mas a que peca menos.

Ser rico não é se matar de trabalhar, de negociar, às vezes até passando os outros para trás. Ser rico não é ter muito, é precisar de pouco.

Ser culto e erudito não é apenas devorar muitos livros, mas também saber aprender com os outros.

Ser saudável não é fazer muito regime e muita ginástica; é comer menos, dormir mais, se agitar pouco.

Ter saúde não é tomar frascos e frascos de vitaminas; é se alimentar bem, sem exagero, com uma dieta balanceada, colorida, saudável.

Realizar-se não é falar muito e parecer “o bom”; é saber usar o silêncio para degustar a sabedoria que os outros nos passam e que nos enriquece.

Ser humilde não é se desvalorizar e enterrar os próprios talentos, é ser fiel à verdade de sua vida e de sua realidade.

Ser casto não é fazer penitências pesadas para vencer as tentações, é fugir delas, na vigilância e na oração.

Ser eficiente não é correr contra o tempo, é saber usar o tempo, contar com ele. Tudo que é feito sem contar com ele, ele se incumbe de destruir.

Ser perfeito não é querer imitar os outros, é desenvolver os próprios talentos e aceitar a sua realidade.

Ser produtivo não é se matar de trabalhar, é trabalhar sempre, sem pressa, mas sem parar, como a planta.

Quando você não conseguir fazer alguma coisa de maneira rápida, não desista; apenas tente fazer devagar.

Que tal seguir um caminho mais suave, mais natural, mais humano?

(via Felipe Aquino)

Musicas de Casamento e Agora? Como Escolher?

Por | ENTHOAR, MUSICA, PARTILHA DO FUNDADOR

A Paz de Jesus! Caros irmãos e irmãs em Cristo.

Sabemos que a música é divina e nos acompanha em todos os momentos de nossa vida. Quando estamos felizes cantamos, para celebrar cantamos, para louvar cantamos… E nós, ministros de música, somos responsáveis por fazer desses momentos mais especiais ainda, escolhendo músicas saudáveis para nosso dia a dia e de nossos irmãos, principalmente se for dentro de uma liturgia.

A música litúrgica tem suas regras e tradições, sendo assim, o casamento também, por isso existe a celebração do sacramento do matrimônio com missa e sem missa, e mesmo que este seja sem missa, não deixa de ter uma liturgia, pois há comunhão da palavra e em alguns a Comunhão Eucarística.

Indo direto ao assunto, este artigo trata sobre a escolha de músicas para um casamento, tarefa difícil visto a ausência de letras específicas para este sacramento, porém os compositores atuais nos favorecem. Antigamente era muito difícil ter acesso a novos discos e musicas, principalmente para momentos específicos, agora temos cd´s, internet, etc.  Visto essas dificuldades que existiam, para muitos um fundo musical resolvia, musicas instrumentais, canto coral, um piano ou órgão… O que não deixa de ser usado hoje e não é errado, desde que também se tenha conceitos.

Hoje, os casamentos são cheios de glamour e se preocupam com a perfeição do momento, com a beleza de uma orquestra ou músicos profissionais, com momentos apoteóticos e visuais deslumbrantes, com iluminação e sonorização profissional e infelizmente se preocupam pouco se a musica está de acordo com o rito sacramental.

É nosso dever como ministros de música responsáveis, apoiar o casal a escolher músicas de acordo com o rito sacramental, o casal pode sugerir as músicas, mas não podemos deixar que escolham musicas só pelo fato delas terem sido parte de suas experiências amorosas, ou de um momento especial que tiveram, ou que fez parte de seu primeiro encontro…

As musicas podem até serem instrumentais, digo as puramente instrumentais, que não possuíram letras, desde que tenham seu ritmo de acordo com um casamento… Exemplo, não pode ser rápido demais em alguns momentos e nem lenta demais em outros, tem que ter bom senso e discernimento.  Diga-se de passagem, que já vi grupos “estragando” uma musica instrumental linda, colocando nela uma letra absurda… E outros que tocaram uma música instrumental tão lenta na entrada da noiva que mais parecia um funeral.

Pode-se até tocar uma musica secular instrumental, mas com certos conceitos: se a musica for conhecida vai atrair a atenção de todos, remetendo assim a sua letra, e se a letra não for de princípios religiosos… Da na mesma!

Portanto, mesmo sendo instrumental, a letra de uma musica é tudo. É preciso muita atenção em analisar a letra num todo, ao que e a quem o compositor se referiu, se não possui palavras gírias ou fora de contexto religioso, se possui “princípios” de moral, éticos e principalmente religiosos.

Meus irmãos, se seguirmos estes pequenos conceitos, vamos ver que poucas musicas seculares passam pela peneira.

Enfim, o ideal é escolher musicas religiosas, cantos religiosos, hoje existem muitos compositores cristãos investindo em letras de relacionamento e amor, músicas próprias para o sacramento, que nos elevam ao centro do sacramento que é o amor e a doação recíproca de duas pessoas que Deus uniu. Temos que procurar…

Lembrem-se também da responsabilidade que é participar e tocar em um casamento, além de você ser testemunha presente é também responsável por um momento único e indissolúvel, e mais… Hoje gravado em áudio e vídeo para o casal rever por muitos anos o que foi escolhido, celebrado e tocado… Por isso também devemos nos preocupar com a beleza sim… Em nos preparar para tocar e cantar bem.

Espero ter ajudado nessas poucas palavras sobre a importância de escolher musicas adequadas para um casamento e bem celebrá-lo, tem muito mais para partilharmos sobre este assunto, mais fica para um próximo artigo.

Um abraço e que Deus abençoe a todos em seus ministérios.

Prof. Daniel Oliveira

Com. Fidelidade

Material sobre Sonorização de Ambientes!

Por | MUSICA

Olhem que material ” Abençoado” e tenho certeza que será útil para toda a nossa Diocese ” Sem exceção” peço que distribuam este material aos responsáveis pela sonorização da sua Comunidade, Grupo de Orações, Eventos da RCC.

Download da Apostila: Aqui! download

Para que ponham em prática estes métodos e dicas desta apostila e vamos juntos contribuir para que a Boa Nova chegue aos ouvidos do Povo de Deus conforme narra São Paulo: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus.” Rom 10:17

Material fornecido pelo Ministério Dom de Deus – Mauá.

Ministério das Artes – Download da Apostila: Aqui!

Música Sacra! A disciplina Santa e Católica!

Por | MUSICA

“Nada de admirar, pois, que o canto sacro e a arte musical também tenham sido usados, conforme consta de muitos documentos antigos e recentes, para ornamento e decoro das cerimônias religiosas sempre e em toda parte, mesmo entre os povos pagãos; e que sobretudo o culto do verdadeiro e sumo Deus desde a antiguidade se tenha valido dessa arte” (Sua Santidade, o Papa Pio XII – Carta Encíclica Musicae Sacrae Disciplina).

A música sacra não obedece a leis e normas diversas das que regulam todas as formas de arte religiosa, antes à própria arte em geral. Na verdade, não ignoramos que nestes últimos anos alguns artistas, com grave ofensa da piedade cristã, ousaram introduzir nas Igrejas obras destituídas de qualquer inspiração religiosa, e em pleno contraste até mesmo com as justas regras da arte.
Procuram eles justificar esse deplorável modo de agir com argumentos especiosos, que eles pretendem fazer derivar da natureza e da própria índole da arte.
Afinal, dizem eles que a inspiração artística é livre, que não é lícito subordiná-la a leis e normas estranhas à arte, sejam elas morais ou religiosas, porque desse modo se viria a lesar gravemente a dignidade da arte e a criar, com vínculos e ligames, óbices ao livre curso da ação do artista sob a sagrada influência do estro. (Sua Santidade, o Papa Pio XII – Carta Encíclica Musicae Sacrae Disciplina)

O Apostolado possibilita nesta seção a docência e o estudo da música sacra, para que os fiéis possam ouvir na voz humana a imitação do coral angélico.

A música sacra deve ser o canto celestial, sem inovações e distorções artísticas, primando assim pelo decoro da Missa e dos atos oficiais da solene liturgia católica que não é propriedade privada de nenhum grupo ou movimento.

Desde os Antigo Testamento a solenidade demonstra o respeito ao Sagrado, assim, já nos tempos do Novo Testamento, nos ensina São Pio de Pietrelcina: “Devemos assistir a Santa Missa como assistiram a Virgem Santíssima e as piedosas mulheres. Como assistiu São João Evangelista ao Sacrifício Eucarístico e ao Sacrifício cruento da Cruz”.

Santa Cecília, rogai pela música sacra!