Category

SANTOS BALUARTES

Novena a Nossa Senhora das Graças – De 18 a 27 de Novembro

Por | - ULTIMAS, N. S. DAS GRAÇAS

Cheio de confiança, reze a novena a Nossa Senhora das Graças

Modo de rezar a novena:

1 – Ato de contrição;
2 – Meditação do dia;
3 – Súplica a Nossa Senhora;
4 – Três Ave-Marias, depois a jaculatória: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”;
5 – Oração final.

Ato de contrição

Senhor meu, Jesus Cristo, Deus e Homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas, e porque Vos amo e estimo, pesa-me, Senhor, por Vos ter ofendido e pesa-me também por ter perdido o Céu e merecido o inferno. Proponho, firmemente, com o auxílio de Vossa divina graça e pela poderosa intercessão de Vossa Mãe Santíssima, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender. Espero alcançar o perdão de minhas culpas, por Vossa infinita misericórdia. Assim seja.

Meditação do dia

Súplica a Nossa Senhora – Para todos os dias depois da meditação.

Ó Imaculada Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe, ao contemplar-vos de braços abertos derramando graças sobre os que vo-las pedem, cheios de confiança na vossa poderosa intercessão, inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas inúmeras culpas, acercamo-nos de vossos pés para vos expor, durante essa oração, as nossas mais prementes necessidades (momento de silêncio e de pedir a graça desejada).

Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa, este favor que confiantes vos solicitamos, para maior glória de Deus, engrandecimento do vosso nome, e o bem de nossas almas. E para melhor servirmos ao Vosso Divino Filho, inspirai-nos profundo ódio ao pecado e dai-nos coragem de nos afirmar sempre verdadeiros cristãos. Amém.

Rezar três Ave-Marias.

Jaculatória: Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.

Oração final

Santíssima Virgem, eu reconheço e confesso vossa Santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha. Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus, alcançai-me de vosso amado Filho a humildade, caridade, obediência, castidade, santa pureza de coração, de corpo e espírito; alcançai-me a perseverança na prática do bem, uma santa vida, uma boa morte e a graça de (pede-se uma graça) que peço com toda a confiança. Amém.

Meditação para cada dia

1º dia – Primeira apariçãoContemplemos a Virgem Imaculada em sua primeira aparição a Santa Catarina Labouré. A piedosa noviça, guiada por seu Anjo da Guarda, é apresentada à Imaculada Senhora. Consideremos sua inefável alegria. Seremos também felizes como Santa Catarina se trabalharmos com ardor na nossa santificação. Gozaremos as delícias do Paraíso se nos privarmos dos gozos terrenos.

2º dia – Lágrimas de Maria
Contemplemos Maria chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o coração de seu Filho seria ultrajado na cruz, escarnecido, e seus filhos prediletos perseguidos. Confiemos na Virgem compassiva e também participemos do fruto de suas lágrimas.

3º dia – Proteção de Maria
Contemplemos Nossa Imaculada Mãe, dizendo, em suas aparições, a Santa Catarina: “Eu mesma estarei convosco: não vos perco de vista e vos concederei abundantes graças”. Sede para mim, Virgem Imaculada, o escudo e a defesa em todas as necessidades.

4º dia – Segunda aparição
Estando Santa Catarina Labouré em oração, a 27 de novembro de 1830, apareceu-lhe a Virgem Maria, formosíssima, esmagando a cabeça da serpente infernal. Nessa aparição, vemos seu desejo imenso de nos proteger sempre contra o inimigo de nossa salvação. Invoquemos a Imaculada Mãe com confiança e amor.

5º dia – As mãos de MariaContemplemos, hoje, Maria desprendendo de suas mãos raios luminosos. “Estes raios, disse Ela, são a figura das graças “que derramo sobre todos aqueles que mas pedem e aos que trazem com fé a minha medalha”. Não desperdicemos tantas graças! Peçamos, com fervor, humildade e perseverança, pois Maria Imaculada nos alcançará.

6º dia – Terceira aparição
Contemplemos Maria aparecendo a Santa Catarina, radiante de luz, cheia de bondade, rodeada de estrelas, mandando cunhar uma medalha e prometendo muitas graças a todos que a trouxerem com devoção e amor. Guardemos fervorosamente a Santa Medalha, pois, como um escudo, ela nos protegerá dos perigos.

7º dia – Súplica
Ó Virgem Milagrosa, Rainha Excelsa Imaculada Senhora, sede minha advogada, meu refúgio e asilo nesta terra, meu consolo nas tristezas e aflições, minha fortaleza e advogada na hora da morte.

8º dia – Súplica
Ó Virgem Imaculada da Medalha Milagrosa, fazei com que esses raios luminosos que irradiam de vossas mãos virginais iluminem minha inteligência para melhor conhecer o bem e abrasem meu coração, vivos sentimentos de fé, esperança e caridade.

9º dia – Súplica
Ó Mãe Imaculada, fazei com que a cruz de vossa Medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e conduza-me à vida eterna.

8 coisas que talvez não sabia sobre o popular São Judas Tadeu

Por | SÃO JUDAS TADEU

São Judas Tadeu é um dos santos mais populares e queridos entre os católicos devido aos inúmeros “favores” que seus devotos asseguram ter conseguido por meio da sua intercessão. Confira a seguir, oito coisas que talvez não sabia sobre São Judas Tadeu, o conhecido padroeiro das causas impossíveis.

1. Tadeu significa “magnânimo”

A tradição na Igreja conhece este apóstolo como Judas Tadeu. Os Evangelistas São Mateus e São Marcos o nomeiam simplesmente “Tadeu” (Mt 10, 3; Mc 3, 18) e Lucas o denomina “Judas, irmão de Tiago” (Lc 6, 16; At 1, 13). Judas significa “Deus seja louvado”.

Não sabemos exatamente de onde provém o segundo nome Tadeu, provavelmente vem do aramaico “taddà”, isto é “peito” e, portanto, significaria “magnânimo”. Ou talvez surgiu da abreviação de um nome grego como “Teodoro, Teódoto”.

2. Era primo de Jesus

Algumas pessoas afirmam que São Judas Tadeu era irmão do Apóstolo São Tiago, filho de Alfeu (Cleofas), o qual era irmão de São José. Segundo o documento publicado pela Congregação para o Clero, Cleofas se casou com Maria de Cleofas, depois de enviuvar de seu primeiro matrimônio do qual nasceu São Judas Tadeu.

Esta outra Maria era a “irmã” da Virgem Maria que estava ao pé da cruz (Jo 19,25). Portanto, São Tiago Menor e Judas seriam primos de Jesus e sobrinhos de São José e da Santíssima Virgem. Entretanto, não conseguiram comprovar se Maria de Cleofas era “irmã” de sangue da Virgem Maria ou somente sua cunhada porque nesse tempo se chamava “irmãos” os parentes em geral.

3. Parecia muito com Jesus

São Judas Tadeu normalmente é representado com uma medalha no peito, com o rosto de Cristo impresso. Isto acontece porque se parecia com Jesus fisicamente e também espiritualmente. Além disso, o santo carrega uma chama de fogo na cabeça a qual manifesta que recebeu o Espírito Santo em Pentecostes.

Outros escultores o mostram levando uma Bíblia em referência ao livro que leva seu nome. Em sua mão aparece uma machadinha, referente ao seu martírio, ou um cajado como símbolo das grandes distâncias que percorria enquanto pregava.

4. Morreu mártir junto com São Simão

São Judas Tadeu pregou primeiro na Judeia, em seguida foi para a Mesopotâmia e finalmente a Pérsia, lugar no qual se reuniu com o apóstolo São Simão e juntos combateram as heresias de Zaroes e Arfexat, dois sacerdotes pagãos que levantaram o povo contra as obras dos apóstolos. Ambos os apóstolos receberam juntos a coroa do martírio e, por isso, a Igreja os celebra no mesmo dia. As relíquias dos santos estão em um altar da Basílica de São Pedro no Vaticano.

5. Teve uma visão de Jesus antes de morrer

Antes de morrer, São Judas olhou para São Simão e lhe disse que viu o Senhor que os chamava para Ele. Segundo a antiga tradição, mataram São Simão cortando seu corpo em dois e cortaram a cabeça de São Judas Tadeu com uma machadinha. A Igreja no ocidente celebra o seu dia em 28 de outubro.

6. É padroeiro das causas impossíveis

Santa Brígida da Suécia, mística e padroeira da Europa, escreveu que um dia Jesus lhe recomendou que quando quisesse obter certos favores, deveria pedir pela intercessão de São Judas Tadeu. Por esta razão, é considerado padroeiro das causas impossíveis, assim como Santa Rita de Cássia.

7. Tem uma epístola na Bíblia

A Epístola ou Carta de Judas faz parte do Novo Testamento e é atribuída a São Judas Tadeu. Foi escrita em grego entre os anos 62 e 65, antes da queda de Jerusalém. Foi escrita por Judas, irmão de São Tiago, e não está dirigida a ninguém, nem a alguma Igreja em particular.

Através dela, repreende os falsos mestres e convida todos a manterem a pureza da fé. A carta termina com uma bela oração (Jd 1, 25) que diz: “Ao Deus único, Salvador nosso, por Jesus Cristo, Senhor nosso, sejam dadas glória, magnificência, império e poder desde antes de todos os tempos, agora e para sempre. Amém”.

8. A Igreja não avaliza as polêmicas correntes de oração

Normalmente, circulam pela Internet e em papéis deixados nas casas ou nos templos, uma suposta “corrente ou Novena Milagrosa a São Judas Tadeu”, a qual exige que o conteúdo seja compartilhado a um número determinado de pessoas e dentro de um período de tempo para obter bênçãos e ameaça com males aqueles que não o façam. A origem é desconhecida, mas a Igreja não avaliza estas iniciativas.

REDAÇÃO CENTRAL, 28 Out. 19 / 06:00 am (ACI).-

Hoje é celebrada Santa Teresa D’Ávila, Doutora da Igreja

Por | NOTÍCIAS, SANTA TERESA AVILA

“Nada te perturbe, nada te espante, tudo passa!  Só Deus não muda. A paciência, por fim, tudo alcança. Quem a Deus tem, nada lhe falta, pois só Deus basta”. Esta é provavelmente a frase mais conhecida no mundo de Santa Teresa D’Ávila (1515-1582), celebrada neste dia 15 de outubro pela Igreja Católica.

Teresa de Cepeda y Ahumada nasceu no dia 28 de março de 1515, em uma nobre família de Ávila, na Espanha, filha de Alonso Sánchez de Cepeda e Beatriz de Ahumada.

Aos 20 anos, decidiu-se pela vida religiosa, apesar da resistência de seu pai. Em sua biografia, diz que ela saiu de sua casa em uma manhã para entrar no mosteiro carmelita da Encarnação. Lá, viveu por 27 anos, com uma grande comunidade religiosa composta por cerca de 180 freiras, suportando e superando uma grave doença, que marcou sua vida.

Por volta dos 40 anos, Teresa sentiu o chamado que ficou conhecido como “experiência mística”, o que mudou o curso de sua vida. Aos 47 anos, começou uma terceira fase, empreendendo sua tarefa de fundadora andarilha.

As carmelitas, como a maioria das religiosas, tinham decaído muito do primeiro ardor no começo do século XVI. As religiosas podiam sair da clausura com o menor pretexto, de modo que o convento se converteu no lugar ideal para quem desejava uma vida fácil e sem problemas. As comunidades eram extremamente numerosas, o que era causa e efeito do relaxamento. Por exemplo, no convento de Ávila havia 140 religiosas.

Santa Teresa empreendeu o desafio de levar a cabo a iluminada ideia de fundar uma comunidade mais reduzida e reformada. A santa estabeleceu a mais estrita clausura e o silêncio quase perpétuo. O convento carecia de rendas e reinava nele a maior pobreza; as religiosas vestiam hábitos rudimentares, usavam sandálias em vez de sapatos (por isso foram chamadas descalças) e eram obrigadas à perpétua abstinência de carne.

Santa Teresa não admitiu no princípio mais do que 13 religiosas, mas logo aceitou que houvesse 21. Em 1567, o superior geral dos carmelitas, João Batista Loiro (Rossi), visitou o convento de Ávila e ficou muito satisfeito com o trabalho realizado ali pela santa. Assim, concedeu a esta plenos poderes para fundar outros conventos do mesmo tipo e até autorizou a fundar dois conventos de frades reformados (carmelitas contemplativos).

Caracterizada por sua simplicidade, prudência, amabilidade e caridade, Santa Teresa tinha uma profunda vida de oração e, em obediência a seu confessor, porque ela não era uma pessoa culta e se expressava com um castelhano singelo, escreveu suas visões e experiências espirituais. Essas obras são agora um grande presente para a Igreja.

Os escritos de Santa Teresa sublinham, sobretudo, o espírito de oração, a maneira de praticá-lo e os frutos que produz. Como a santa escreveu precisamente na época em que estava dedicada à difícil tarefa de fundar conventos de carmelitas reformadas, suas obras, prescindindo de seu conteúdo e natureza, dão testemunho de seu vigor, laboriosidade e capacidade de recolhimento.

Escreveu o “Caminho de Perfeição” para dirigir a suas religiosas e o livro das “Fundações” para animá-las e edificá-las. Quanto ao “Castelo Interior”, pode-se considerar que escreveu para a instrução de todos os cristãos.

Santa Teresa morreu nos braços da Beata Ana, em Alba de Tormes no dia 4 de outubro de 1582, pronunciando as palavras: “Sou filha da Igreja”. Sua canonização se realizou em 1622. Foi proclamada Doutora da Igreja em 27 de setembro de 1970 pelo Papa Paulo VI.

REDAÇÃO CENTRAL, 15 Out. 19 / 05:00 am (ACI).-

O dia em que Santa Teresa espantou o diabo com o poder da água benta

Por | - ULTIMAS, SANTA TERESA AVILA

A Doutora da Igreja relata experiências pessoais que corroboram a força espiritual deste sacramental poderoso

Santa Teresa de Jesus (também conhecida como Santa Teresa de Ávila) é nada menos que Doutora da Igreja.

Religiosa e reformadora da ordem carmelita no século XVI, ela relatou, em suas memórias, ter aprendido que “não há coisa de que os demônios fujam mais, para não mais voltar, do que a água benta”.

Em sua autobiografia, o “Livro da Vida”, ela conta:

“Estava eu certa vez num oratório e me apareceu, do lado esquerdo, uma figura abominável; percebi especialmente a boca, porque falava: era horrível. Parecia que lhe saía do corpo uma grande chama, muito clara, sem nenhuma sombra. Disse-me, aterrorizando-me, que eu me livrara de suas garras, mas que voltaria a elas”.

O depoimento está no início do capítulo 31 de seu livro.

Em seguida, ela revela que tentou espantar o diabo com o Sinal da Cruz: ele foi embora, mas acabou voltando.

“Isso me aconteceu por duas vezes. Não sabendo o que fazer, peguei da água benta que ali havia e lancei-a para onde essa figura se encontrava. Ela nunca mais voltou”.

Em outro trecho, Santa Teresa escreve que o demônio a atormentou em certa ocasião durante cinco horas,

“…com dores e desassossegos interiores e exteriores tão terríveis que pensei não poder suportar. As pessoas que estavam comigo ficaram espantadas e não sabiam o que fazer, nem eu a que recorrer”.

De novo, a santa carmelita relata que só encontrou alívio depois de pedir água benta e jogá-la num local em que, por perto, havia visto um demônio. Ela prossegue:

“A partir de muitos fatos, obtive a experiência de que não há coisa de que os demônios fujam mais, para não mais voltar, do que da água benta. Eles também fogem da cruz, mas retornam. Deve ser grande a virtude da água benta”.

Ela ainda afirma que experimentou o consolo da alma depois de tomar a água, que lhe gerou “uma espécie de deleite interior”:

“Não se trata de ilusão nem de coisa que só aconteceu uma vez, mas sim de algo frequente que tenho observado com cuidado. Digamos que seja como se a pessoa estivesse com muito calor e sede e bebesse um jarro de água fria, sentindo todo o seu corpo refrescar. Penso no quão importante é tudo o que a Igreja ordena e muito me alegra ver que tenham tanta força as palavras que comunica à água benta para que esta fique tão diferente da comum”.

O restante do mesmo capítulo acrescenta vários outros relatos de Santa Teresa sobre o poder da água benta.

Mas, afinal, o que é a água benta?

A água benta é um dos vários sacramentais que existem no cotidiano do católico. Os sacramentais são sinais materiais instituídos pela Igreja para incentivar em nós um relacionamento cada vez mais profundo com Cristo e para nos ajudar a focar na santificação de cada parte da nossa vida, inclusive nas mais singelas e cotidianas. São extensões dos sete sacramentos e nos ajudam a enxergar e acolher a graça de Deus no nosso dia-a-dia.

Exemplos de sacramentais são o crucifixo, o escapulário, as medalhas bentas, o sal abençoado, as imagens sacras, a água benta…

água benta tem o duplo significado de nos lembrar do nosso batismo e simbolizar a limpeza espiritual. É usada inclusive em exorcismos: o diabo não suporta a água benta porque é inteiramente impuro, imundo para toda a eternidade. Ela evoca a água que fluiu do lado de Cristo, símbolo do batismo, e traz à mente o dia da derrota do diabo: a crucificação de Cristo para nos redimir do pecado e nos oferecer a salvação.

Um antigo costume era fixar recipientes com água benta em algumas paredes da casa: podiam ser simples copos de louça, em cuja água benta cada morador da casa tocava antes de fazer o Sinal da Cruz, acolhendo assim a bênção de Deus. Era frequente que esses recipientes simples, porém dignos, estivessem fixados perto das portas, de modo que as pessoas recorressem a eles ao saírem e retornarem à casa, ou dentro dos quartos dos membros da família, como convite a se manterem sempre puros e próximos de Deus. A água benta também ficava sempre ao alcance quando se desejava de modo especial afastar as influências do maligno.

O depoimento pessoal de um sacerdote da nossa época

pe. Edward Looney é um sacerdote norte-americano que sempre leva consigo uma garrafinha de água benta quando viaja. Ele afirma:

“O mal pode continuar presente em um recinto muito tempo depois do que quer que tenha acontecido lá dentro…”

Santa Teresa de Ávila e sua assustadora visão do inferno

Por | - ULTIMAS, SANTA TERESA AVILA

Foi algo terrível, mas que fez Santa Teresa se lembrar da misericórdia de Deus

Embora Santa Teresa de Ávila tenha experimentado algumas das experiências mais extáticas da presença de Deus já registradas, ela também teve visões do inferno.

Em sua autobiografia, ela escreve sobre uma dessas visões e como isso a atormentou pelo resto de sua vida:

“Eu me encontrava, como eu pensava, mergulhada diretamente no inferno. Percebi que era da vontade do Senhor que eu visse o lugar que os demônios tinham preparado para mim e o qual eu merecia por meus pecados. Isso aconteceu no menor espaço de tempo, mas acredito que seria impossível para mim esquecê-lo. A entrada, pensei, parecia uma passagem muito longa e estreita, como uma fornalha, muito baixa, escura e bem confinada; o chão parecia estar cheio de água que lembrava lama suja e fedorenta, e nela havia muitos répteis de aparência perversa. No final, havia um lugar oco escavado em uma parede, como um armário, e foi ali que eu estava, em confinamento. Mas a visão de tudo isso foi agradável em comparação com o que eu senti lá … Acho que meus sentimentos não poderiam ser exagerados, e ninguém pode entendê-los. Senti um fogo dentro da minha alma, cuja natureza sou totalmente incapaz de descrever … Fui colocada neste lugar que parecia um buraco na parede, e aquelas mesmas paredes, tão terríveis à vista, caíram sobre mim e me sufocaram completamente. Não havia luz e tudo estava na maior escuridão”. 

Foi uma experiência aterrorizante, mas ela entendeu completamente por que Deus permitiu que ela visse em primeira mão os tormentos do inferno:

“A visão foi um dos mais favoráveis ??sinais que o Senhor me concedeu: foi um grande benefício para mim, tanto ao tirar de mim todo o medo das tribulações e decepções desta vida, como também ao me fortalecer e dar graças ao Senhor, que, como agora acredito, me livrou de tais tormentos terríveis e intermináveis.”

Ela entendeu que, se não tivesse se afastado do vício e adotado uma vida de virtude, esse seria seu destino. Teresa agradeceu a Deus pelas muitas graças que recebeu e por sua misericórdia ao poupar seu tormento.

Além disso, essa visão levou Santa Teresa a sentir grande tristeza pelas pessoas que se aproximavam daquele destino, por meio de suas escolhas deliberadas:

“Também me inspirou com impulsos fervorosos para o bem das almas: pois realmente acredito que, para libertar um delas dessas torturas terríveis, morreria de bom grado muitas mortes. Afinal, se vemos alguém na terra que é especialmente querido por nós sofrendo grandes provações ou dores, nossa própria natureza parece nos levar à compaixão, e se os sofrimentos são severos, eles também nos oprimem.”

O inferno é um lugar muito real e, embora não deva ser nossa única razão para escolher a virtude em vez do vício, é um bom ponto de partida e deve nos levar a uma vida unida a Deus. Nossas escolhas são importantes e a boa notícia é que podemos mudar nossas vidas, não importa o quão longe seguimos no caminho errado.

NOSSA SENHORA DAS MERCÊS

Por | - ULTIMAS, N. S. DAS MERCÊS

Nossa Senhora das Mercês é um dos títulos da Virgem Maria. Surgiu em 1218 quando São Pedro Nolasco, São Raimundo do Peñafort e o Rei Dom Jaime I da Espanha tiveram o mesmo sonho com a Virgem Maria. No sonho, ela pedir para que eles fundassem uma Ordem Religiosa que tivesse como objetivo libertar os cristãos escravizados pelos muçulmanos. Na época, os muçulmanos tinham invadido parte da Península Ibérica, prendendo e escravizando inúmeros cristãos. A recém criada Ordem passou a se chamar Ordem dos Mercedários em homenagem a Nossa Senhora das Mercês. Muitos membros da ordem chegaram a doar suas vidas pela libertação de cristãos que tinham sido escravizados. Por tudo isso, a imagem é rica em símbolos. Vamos conhece-los.

O significado da palavra “Mercê”

Mercê é uma palavra do português arcaico e significa Favor, graça, benefício, perdão, indulto. Este último significado é relevante há história de Nossa Senhora das Mercês, pois significa libertação. Assim, entendemos que Nossa Senhora das Mercês veio para libertar da escravidão. Na época, tratava-se da escravidão real feita pelos muçulmanos. Hoje, podemos falar da escravidão moral à qual muitos estão submetidos, ficando presos a vícios e pecados que escravizam e tiram a liberdade.

A coroa de doze estrelas

A coroa de doze estrelas sobre a cabeça de Nossa Senhora das Mercês nos lembra que a Virgem Maria é rainha do céu e da terra. Lembra-nos também a passagem de Apocalipse 12 em que São João menciona a mulher com uma coroa de doze estrelas. Esta coroa significa que a Virgem Maria age e ensina conforme a Doutrina dos Apóstolos, que eram doze. Por isso, ela é chamada também de Rainha dos Apóstolos.

A veste toda branca de Nossa Senhora das Mercês

A veste branca de Nossa Senhora das Mercês simbolizam a pureza de coração da Virgem Maria. Ela é pura. E por causa da pureza de seu coração ela deseja a libertação de todo tipo de escravidão.

Os detalhes em dourado

Os detalhes em dourado em toda a veste de Nossa Senhora das Mercês significam que esta mulher vem do céu, está na glória de Deus. Tem a ver com a coroa que ela usa, lembrando-nos também que ela é rainha.

O escapulário de Nossa Senhora das Mercês

Nossa senhora das Mercês apresenta-se com um escapulário branco cobrindo a frente de seu corpo. O escapulário significa proteção. E o símbolo do escapulário é todos aqueles que lutam pela libertação da escravidão, seja ela qual for, tem a proteção de Nossa Senhora.

A cruz no centro superior do escapulário

Na parte de cima do escapulário de Nossa Senhora das Mercês vemos uma cruz circundada de vermelho. Este símbolo nos lembra da cruz de Cristo, de seu sofrimento, de seu sangue, o sangue pelo qual Ele pagou o preço da nossa libertação. É por isso que Nossa Senhora das Mercês luta pela libertação de toda escravidão, porque “É para que sejamos homens livres que Cristo nos libertou. Ficai, portanto, firmes e não vos submetais outra vez ao jugo da escravidão”. (Gálatas 5,1)

A corrente na mão de Nossa Senhora das Mercês

A corrente na mão de Nossa Senhora das Mercês nos falam que ela quer a libertação de todo e qualquer tipo de escravidão. A Ordem dos Mercedários atendeu a este pedido da Mãe e libertou milhares de cristãos da escravidão causada pelos muçulmanos. Hoje ela quer que nós lutemos pela libertação dos inúmeros tipos escravidão que existem em nossa sociedade. Que todas as correntes, de qualquer tipo de escravidão sejam quebradas para que os filhos de Deus vivam na liberdade de Cristo.

A rosa na mão de Nossa Senhora

A rosa que às vezes aparece na mão de Nossa Senhora das Mercês significam a doçura e a bondade com que devemos agir pela libertação do próximo. Nunca devemos forçar ninguém a nada, mas propor, com delicadeza, amor e bondade. É isso que ela sempre faz. É assim que ela age.

Oração a Nossa Senhora das Mercês

Mãe querida das Mercês, com a simples confiança de filhos, recorremos a Ti. Vimos aos Teus pés de Rainha e Mãe de misericórdia, suplicando o Teu poderoso auxílio. O nosso mundo vive aprisionado em tantas formas de escravidão e opressão. Nosso tempo não é menos atribulado que aquele em que Tu, compadecida da Terra, inspiraste a fundação de uma ordem religiosa, destinada à redenção dos cativos cristãos. Novas formas de escravidão social, política ou psicológica que derivam, em última instância, da corrupção do pecadosurgem a cada dia. Aqui nos tens, ó Mãe das Mercês, lutando para livrar-nos de tantas cadeias e opressões do nosso mundo. Ajuda-nos com a Tua misericórdia para que possamos recuperar a feliz liberdade dos filhos de Deus. Amém.

NOSSA SENHORA DAS MERCÊS

Por | N. S. DAS MERCÊS

O surgimento da invocação e do título Virgem Maria “das Mercês” deriva da Ordem das Mercês, cujo apostolado da redenção de cativos era, na Idade Média, chamado de “obra de mercê ou misericórdia”. A Ordem atribui à Virgem Santíssima uma especial participação em sua fundação, motivo pelo qual a honrou ao longo dos séculos com especial devoção, seguindo o exemplo de São Pedro Nolasco, que já em 1249 dedicou-lhe uma Igreja.

Desde os primeiros momentos da fundação da Ordem, os religiosos deram à festividade geral da Virgem um sentido próprio. Em 1600, foi-lhes permitido celebrar sob o título das Mercês a festa da natividade de Maria. Já em 1616 é concedida aos mercedários a celebração litúrgica da festa de Nossa Senhora das Mercês com textos próprios. Em 1696, seu culto foi estendido a toda a Igreja.

Origem da devoção das Mercês

O vocábulo “mercê”, no séc. XIII, era sinônimo da obra de misericórdia corporal por excelência, qual seja, a de redimir cativos. Assim, as casas da Ordem de São Tiago, que costumavam receber cativos, eram chamadas Casas de Mercê, conforme documentação medieval.

A 29 de abril de 1249, os frades da Ordem das Mercês obtiveram licença do bispo de Barcelona, Dom Pedro de Centelles, para edificar uma igreja dedicada a Santa Maria em sua Casa – Hospital de Santa Eulália – construída próxima ao mar.

O povo barcelonês começou a chamar a comenda dos frades mercedários de casa da Ordem das Mercês, e, posteriormente, de casa “das Mercês”.  Consequentemente, a imagem de Santa Maria que todos veneravam na nova igreja da Casa das Mercês de Barcelona começou a ser conhecida como Santa Maria das Mercês. Nesta igreja, iniciou-se o culto a Maria com o título de “Mercês” que, em seguida, se estenderá a todas as igrejas em que se estabeleçam os mercedários.

Como atos em honra de Santa Maria das Mercês, a Ordem desde seu início praticou:
* A entrega do hábito de Santa Maria aos novos frades. Dizia-se ao postulante: “Queres receber o hábito de Santa Maria?”, e o peticionário respondia: “sim, quero”.

O Ofício diário de Santa Maria. Este era obrigatório para todos os clérigos e para os leigos, que rezavam um oficio adaptado.

* A Missa e a Salve Rainha dos dias de sábado. É muito provável que o belo costume da Missa de Santa Maria e do Canto da Salve Rainha em sua honra nos dias de sábado tenha sido introduzida na Ordem por disposição do próprio São Pedro Nolasco. Consta que, em 1307, Galcerán de Miralles levava à igreja da comenda de Nossa Senhora de Bell-lloch a quantidade de três libras de cera, para que mantivessem um círio acesso todos os sábados durante a celebração da missa da virgem e o canto da Salve Rainha.
Outro gesto significativo de devoção mariana, provindo dos tempos de São Pedro Nolasco, era a despedida dos redentores ao partir para a terra de mouros. Esta se fazia diante do altar da igreja dedicado à Virgem. No retorno da missão, a procissão de redentores e redimidos, com seus estandartes, prosseguia até a igreja das Mercês, para agradecer à Celestial Protetora por sua proteção no decurso da missão redentora.

O nome de Maria no título da Ordem

Um dos títulos com que, no início, era chamada a obra fundada por São Pedro Nolasco foi “Ordem das Mercês” ou da “Misericórdia dos cativos”. A esta denominação muito rapidamente se somou o nome de Maria.
A primeira vez que se encontra documentalmente o nome de Maria no título da ordem é na bula do papa Alexandre IV, Prout Scriptura testatur, dada em Perúgia a três de maio de 1258. O papa, escrevendo aos arcebispos, bispos, abades, etc., para informá-los das graças e das faculdades concedidas aos mercedários, por motivo da obra benéfica que praticam em favor dos cativos, diz: “Dado que o Mestre e os frades da Bem Aventurada Virgem Maria das Mercês, outras vezes chamados de Santa Eulália (…) trabalham com todas as suas forças…”.

O Papa, portanto, uniu o nome de Maria ao vocábulo “Mercê”, obtendo a denominação Bem-aventurada Virgem Maria das Mercês, como parte do título da Ordem. Do contexto da bula, infere-se que o nome de Maria das Mercês já era conhecido. Não se deve supor que o Papa tenha usado o nome de Maria sem razão, ou que o impôs por autoridade. Ademais, o Papa não enviou a bula exclusivamente aos frades da Ordem.

Há de se buscar uma explicação lógica na interdependência entre a Virgem Santíssima e a Ordem dedicada à redenção dos cativos. Os frades das Mercês estavam persuadidos de que a Virgem Maria, Mãe de Deus, interveio de modo direto na fundação da Ordem. Consequentemente, os legisladores das constituições de 1272 oficializaram o nome de Maria no título, chamando-a: Ordem da Virgem Maria das Mercês da Redenção dos Cativos de Santa Eulália.

Por causa desta convicção, nos documentos do séc. XIII não aparece o nome do primeiro Mestre e iniciador da obra das Mercês – São Pedro Nolasco – no título da Ordem. Este gesto de abnegação e de escondimento da parte de São Pedro Nolasco foi certamente intencional. Assim, tanto ele, como os primeiros membros da Ordem recém-fundada desejavam que toda glória e toda honra da fundação fossem atribuídas a Maria Santíssima, mensageira da Trindade, aquela que a Ordem considera como fundadora e Mãe.

Conforme descreve, dentre tantos, o historiador mercedário Nadal Gaver (1445), essa presença de Maria concretizou-se no relato da aparição da Virgem Maria a São Pedro Nolasco ordenando-lhe fundar uma Ordem em sua honra, destinada à redenção dos cativos, visto que, tal fundação, de acordo com a própria Virgem Mãe, era vontade de Deus.

Imagens de Maria, igrejas e santuários mercedários

Em todas as casas da Ordem existiram desde o começo imagens de Santíssima Virgem Maria das Mercês. A primeira presença da imagem da Mãe das Mercês deu-se em Barcelona. Na comenda desta cidade encontrava-se a imagem da Virgem sentada com o Menino, esculpida em mármore branco, encomendada por São Pedro Nolasco e hoje conservada no museu da catedral barcelonesa.

No séc. XIV, foi substituída, por ser demasiado pequena, para o templo que se tornava grande, por outra imagem feita pelo escultor da catedral de Barcelona, Bernardo Roca, segundo contrato firmado a 13 de setembro de 1361. Tal contrato fora firmado pelo referido artista e o prior de Barcelona, Frei Bonananto de Prixana. É esta imagem que, como Padroeira de Barcelona, hoje preside o altar-mor da Basílica das Mercês da dita cidade.

Além da veneração e do culto à Santíssima Virgem Maria das Mercês, durante o primeiro século de existência da Ordem, Pedro Nolasco e seus frades sentiram especial predileção por igrejas em que se tributava culto a Maria. Isso se dava, dentre outros motivos, ou porque lhes foram confiadas as igrejas dedicadas a Maria já existentes, ou porque a Ordem as construiu sob o patrocínio da Virgem.

O primeiro e mais notável santuário mariano da Ordem das Mercês, no séc. XIII, foi o de Santa Maria de El Puig, em Valência. Existem também outras igrejas dedicadas à Virgem: Santa Maria dels Prats (Tarragona), Santa Maria de Sarrion (Teruel), Santa Maria de Arguines (Castellón), Santa Maria de El Olivar (Estercuel), Santa Maria de Acosta (Huesca), Santa Maria de Montflorite (Huesca), Santa Maria de Perpignan (França) e Santa Maria de El Puig de Osterno ou Montetoro, Santuário Mariano da ilha de Menorca. No Brasil, existem 34 Paróquias dedicadas a Nossa Senhora das Mercês.

Marianismo mercedário

Está fora de toda dúvida que a Ordem das Mercês nasceu, cresceu e atuou em clima de amor e devoção à Virgem Maria. Sem a intervenção, presença e apoio da Celestial Rainha e Mãe, não podiam explicar-se adequadamente nem a origem da Ordem, nem o atrativo que sobre Pedro Nolasco e seus seguidores imediatos exerceram as igrejas dedicadas a Santa Maria; nem a iniciativa de consagrar e dedicar a Santa Maria a igreja da casa de Barcelona, cabeça e fundamento da Ordem, quando esta era conhecida por Casa, Hospital e Ordem de Santa Eulália.

Também não se poderia explicar nem o empenho tenaz de introduzir o santo nome de Maria no título da Ordem, depois de ter-se provado e usado vários; nem por que o hábito branco da Ordem chamou-se hábito de Santa Maria. Tampouco se explicaria como uma Ordem de poucos frades e de caráter militar; fundada por um leigo para a redenção de cativos, foi capaz de introduzir na igreja uma nova invocação mariana, a de Santa Maria das Mercês.

Prova desta forte característica mariana da Ordem, desde seus primórdios, é que todas as doações para a redenção eram feitas em nome de Maria. São numerosos os documentos existentes de doações feitas por benfeitores à Ordem para as redenções, em que se especifica a motivação mariana de tais doações. Cita-se um exemplo do que acabamos de afirmar: Ferrer de Portell e sua mulher Escalona “para glória de Deus e da Virgem Maria e o bem de suas almas”, a 25 de outubro de 1234, ofereceram seus bens a Pedro Nolasco para redenção dos cativos. Igualmente Ramón de Morella, a 3 de março de 1245, ao doar o hospital de Arguines a Pedro Nolasco, fê-lo “em honra de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Bem-aventurada Virgem Maria, sua mãe”. O Rei Jaime II, a 15 de maio de 1300, outorgava um benefício à Ordem  “por reverência à Virgem Maria”.

Se os fiéis davam essas esmolas para a honra de Maria, então isso significa que os religiosos solicitavam-nas em seu nome, coisa que não teriam podido fazer se não estivessem convencidos de uma particular intervenção de Maria na fundação da Ordem.

O purgatório, o inferno e o céu que Santa Faustina Kowalska viu

Por | SANTA FAUSTINA

Santa Faustina Kowalska, a quem foi revelada a Divina Misericórdia, certo dia perguntou ao Senhor por quem devia rezar; algum tempo depois, Deus concedeu a Irmã Faustina revelações, visões do céu, do purgatório e do inferno com uma mensagem para todos os seres humanos.

1. O purgatório

Uma noite, “vi o Anjo da Guarda que me mandou acompanhá-lo. Imediatamente encontrei-me em um lugar enevoado, cheio de fogo, e, dentro deste, uma multidão de almas sofredoras. Essas almas rezavam com muito fervor, mas sem resultado para si mesmas; apenas nós podemos ajudá-las”, assinalou Santa Faustina.

“E perguntei a essas almas qual era o seu maior sofrimento. Responderam-me, unânimes, que o maior sofrimento delas era a saudade de Deus. Vi Nossa Senhora que visitava as almas no Purgatório. As almas chamam a Maria ‘Estrela do Mar’. Queria conversar mais com elas, mas meu Anjo da Guarda fez-me sinal para sair. Saímos pela porta dessa prisão de sofrimento. [Ouvi então uma voz interior] que me dizia: ‘A Minha misericórdia não deseja isto, mas a justiça exige’”.

2. O inferno

Em um retiro de oito dias em outubro de 1936, Santa Faustina Kowalska viu o abismo do inferno com vários tormentos. Em seguida escreveu a sua visão a pedido do próprio Cristo.

“Hoje, conduzida por um Anjo, fui levada às profundezas do Inferno. É um lugar de grande castigo, e como é grande sua extensão. Tipos de tormentos que vi: O primeiro tormento que constitui o Inferno é a perda de Deus; o segundo, o contínuo remorso de consciência; o terceiro, o de que esse destino já não mudará nunca; o quarto tormento, é o fogo, que atravessa a alma, mas não a destrói; é um tormento terrível, é um fogo puramente espiritual aceso pela ira de Deus”, descreveu a santa.

Do mesmo modo, assinalou que “o quinto é a contínua escuridão, um horrível cheiro sufocante e, embora haja escuridão, os demônios e as almas condenadas veem-se mutuamente e veem todo o mal dos outros e o seu”.

“O sexto é a continua companhia do demônio; o sétimo tormento, o terrível desespero, ódio a Deus, maldições, blasfêmias. São tormentos que todos os condenados sofrem juntos, mas não é o fim dos tormentos. Existem tormentos especiais para as almas, os tormentos dos sentidos. Cada alma é atormentada com o que pecou”.

Por outro lado, indicou que existem terríveis prisões subterrâneas, abismos de castigo, onde um tormento se distingue do outro. “Eu teria morrido vendo esses terríveis tormentos” – explicou Santa Faustina – “se não me sustentasse a onipotência de Deus. Estou escrevendo isso por ordem de Deus, para que nenhuma alma se escuse dizendo que não há Inferno, ou que ninguém esteve lá e não sabe como é”.

3. O céu

No dia 27 de novembro de 1936, a santa escreveu uma visão do céu, na qual pôde ver suas belezas incomparáveis e a felicidade que nos espera depois da morte e como todas as criaturas glorificam e agradecem a Deus sem cessar.

Ela indicou que esta fonte de felicidade é invariável em sua essência, mas é sempre nova, derramando felicidade para todas as criaturas. “Deus me tem feito entender que há uma coisa de um valor infinito a Seus olhos, e isso é, o amor a Deus; amor, amor e novamente amor, e nada pode comparar-se a um só ato de amor a Deus”.

Do mesmo modo, contou que “Deus em sua grande majestade, é adorado pelos espíritos celestiais, de acordo com seus graus de graças e hierarquias em que são divididas, não me causou temor nem susto; minha alma estava cheia de paz e amor; e quanto mais conheço a grandeza de Deus, mais me alegro de que Ele seja O que é”.

“Regozijo-me imensamente em Sua grandeza e me alegro de que sou tão pequena, já que sinto tão pequena, Ele me carrega em Seus braços e me aperta a Seu coração”, destacou Santa Faustina Kowalska.

São Benedito

Por | SÃO BENEDITO

São Benedito nasceu perto de Messina, na ilha da Sicília, Itália, no ano de 1526. Benedito significa abençoado. Seus pais foram escravos vindos da Etiópia para a Sicília. Era filho de Cristovão Manasceri e de Diana Larcan. O casal não queria ter filhos para não gerarem mais escravos. O senhor deles, sabendo disso, prometeu que, se eles tivessem um filho, daria a ele a liberdade. Assim, eles tiveram Benedito. E, como prometido, ele foi libertado pelo seu senhor ainda menino.

Benedito foi educado por seus pais na fé cristã. Quando menino, cuidava das ovelhas e sempre aproveitava para rezar o Rosário, ensinado por sua mãe.

A vida de São Benedito

Quando tinha 20 anos foi insultado por causa de sua raça. Porém, com muita calma e paciência suportou tudo. Vendo isso, o líder dos eremitas franciscanos, Frei Jerônimo Lanza, convidou-o para fazer parte da congregação. São Benedito aceitou prontamente, vendeu tudo o que tinha e se tornou um eremita franciscano, ficando com eles por volta de 5 anos.

Papa Pio IV, desejando unificar a ordem franciscana, ordenou aos eremitas que se juntassem a qualquer ordem religiosa. Benedito foi para o mosteiro da Sicília, um convento em Santa Maria de Jesus. Era o convento dos franciscanos capuchinhos. Benedito entrou como irmão leigo, assumindo uma função tida como secundária: a de cozinheiro. Benedito, porém, fez da cozinha um santuário de oração e fervor. Vivia sempre alegre e com muita mansidão, conquistando a todos com sua comida saborosa e sua simpatia.

Foi transferido depois para o convento de Sant’Ana di Giuliana, ficando por 4 anos. Depois retornou para o convento de Santa Maria de Jesus, permanecendo ali até sua morte.

Superior do mosteiro

Por causa de sua vida exemplar, trabalho, oração e ajuda a todos, Frei Benedito tornou-se um líder natural. Em 1578 foi convidado para ser o Guardião, (superior) do mosteiro, cargo que aceitou depois de muita relutância. Apesar de ser analfabeto, administrou o mosteiro com grande sucesso, seguindo com rigor os preceitos de São Francisco. Organizou os noviços, foi caridoso os padres, era o primeiro a dar exemplo nas orações e no trabalho.

São Bernedito, um analfabeto procurado pelos teólogos

Os teólogos vinham de longe para conversar com São Benedito e aprender com ele. Frei Benedito tinha o dom da sabedoria e o dom da ciência. E, apesar de sua condição de analfabeto, ensinava a todos.

Mandava os porteiros não dispensarem nenhum pobre sem antes dar-lhes alimento e ajuda, mesmo na dificuldade do mosteiro. Quando termina seu mandato como superior, ele volta com alegria para o seu ofício de cozinheiro.

A fama de São Benedito

Todos queriam ver e tocar em São Benedito, por causa de sua fama de santidade, palavras, milagres e orações. Os escravos simpatizavam muito com ele, por ser negro, pobre e com grandes virtudes. Em torno do seu nome surgiram numerosas irmandades. São Benedito é um dos Santos mais populares no Brasil, com inúmeras paróquias por todos os lugares inspiradas em seu modelo de humildade e caridade.

Os Milagres de São Benedito

Grande é o numero de milagres de São Benedito, inclusive a ressurreição de dois meninos, a cura de vários cegos e surdos, a multiplicação de peixes e pães, e vários outros milagres. Alguns milagres de multiplicação de alimentos aconteceram na cozinha de São Benedito. Por isso, ele é tido carinhosamente pelo povo como o Santo Protetor da cozinha, dos cozinheiros, contra a fome e a falta de alimentos.

Falecimento

Um dia Frei Benedito profetizou que quando morresse teria que ser enterrado às pressas para evitar problemas para seus irmãos. Depois disso, ficou gravemente doente e faleceu no dia 4 de abril de 1589, aos 65 anos de idade. E a profecia se cumpriu: quando ele faleceu uma multidão invadiu o mosteiro para vê-lo, conseguir algum objeto seu ou um pedaço de sua roupa de monge para terem como relíquia do santo pobre e humilde, causando problemas para o convento.

Na hora de sua morte ele disse com muita alegria: Jesus! Jesus! Minha mãe, doce Maria! Meu Pai São Francisco! E morreu em paz. Seu corpo foi transladado para a igreja e exalava suave perfume. Exumado posteriormente, estava intacto, (incorrupto). Em 1611 seu corpo foi colocado em uma urna de cristal na igreja de Santa Maria em Palermo para visitação e permanece até os dias de hoje.

Imagem de São Benedito

São Benedito foi canonizado em 24 de maio de 1807, pelo Papa Pio Vll. É representado com o menino Jesus nos braços por que fora visto várias vezes com um lindo bebê nos braços quando estava em profunda oração. Por orientação da CNBB, no Brasil a festa de São Bendito é comemorada no dia 5 de outubro.

Oração a São Benedito

Glorioso São Benedito, grande confessor da fé, com toda a confiança venho implorar a vossa valiosa proteção. Vós, a quem Deus enriqueceu com dons celestes, consegui-me as graças que ardentemente desejo, para maior glória de Deus. Confortai o meu coração nos desalentos.

Fortificai minha vontade para cumprir bem os meus deveres. Sede o meu companheiro nas horas de solidão e desconforto. Assisti-me e guiai-me na vida e na hora da minha morte, para que eu possa bendizer a Deus nesse mundo e gozá-lo na eternidade. Com Jesus Cristo, a quem tanto amastes. Assim seja, amém.

São Benedito, um dos santos mais queridos e cuja devoção é muito popular no Brasil. Cultuado inicialmente pelos escravos negros, por causa da cor de sua pele, e origem: era africano e negro; passou a ser amado por toda população como exemplo da humildade e da pobreza. Este fato também lhe valeu o apelido que tinha em vida, de: “o Mouro”. Este adjetivo italiano é usado para todas as pessoas de pele escura e não apenas para os procedentes do Oriente. Já entre nós ele é chamado de São Benedito, o Negro, ou apenas “o Santo Negro”. Há tanta identificação com a cristandade brasileira que até sua comemoração tem uma data só nossa. Embora em todo o mundo sua festa seja celebrada em 04 de abril, data de sua morte, no Brasil ela é celebrada desde 1983, em 05 de outubro, por uma especial deferência canônica concedida à CNBB. Benedito Manasseri nasceu em 1526, na pequena aldeia de São Fratelo, em Messina, na ilha da Sicília, Itália. Era filho de africanos escravos vendidos na ilha. O seu pai Cristoforo herdou o nome do seu patrão, e tinha se casado com sua mãe, Diana Lancari. O casamento foi um sacramento cristão, pois eram católicos fervorosos. Considerados pela família à qual pertenciam, quando o primogênito Benedito nasceu, eles foram alforriados junto com a criança, que recebeu o sobrenome dos Manasseri, seus padrinhos de batismo. Cresceu pastoreando rebanhos nas montanhas da ilha e, desde pequeno, demonstrava tanto apego a Deus e à religião que os amigos brincando profetizavam: “nosso santo mouro”.

Aos vinte e um anos de idade, ingressou entre os eremitas da Irmandade de São Francisco de Assis, fundada por Jerônimo Lanza sob a regra franciscana, em Palermo, capital da Sicília. E se tornou um religioso exemplar, primando pelo espírito de oração, pela humildade, pela obediência e pela alegria numa vida de extrema penitência. Na irmandade exercia a função de simples cozinheiro, era apenas um irmão leigo e analfabeto, mas a sabedoria e o discernimento que demonstrava fizeram com que os superiores o nomeassem mestre de noviços e mais tarde ele foi eleito o superior daquele convento. Mas quando o fundador faleceu em 1562, o Papa Paulo IV extinguiu a irmandade ordenando que todos os integrantes se juntassem à verdadeira Ordem de São Francisco de Assis, pois não queria os eremitas pulverizados em irmandades sob o mesmo nome. Todos obedeceram. Inclusive Benedito, que sem pestanejar, escolheu o convento de Santa Maria de Jesus, também em Palermo, onde viveu o restante de sua vida. Ali, exerceu igualmente as funções mais humildes como faxineiro e depois cozinheiro, ganhando fama de santidade pelos milagres que se sucediam por intercessão de suas orações.

Além disto, eram muitos, príncipes, nobres, sacerdotes, teólogos e leigos, enfim ricos e pobres, todos se dirigiam à ele em busca de conselhos e de orientação espiritual segura. Também foi eleito superior e quando seu período na direção da comunidade se concluiu, voltou a reassumir, com alegria, a sua simples função de cozinheiro. E foi na cozinha do convento, que ele morreu, no dia 04 de abril de 1589, como um simples frade franciscano, em total desapego às coisas terrenas e à sua própria pessoa, mas apenas um irmão leigo gozando de grande fama de santidade, a qual o envolve até os nossos dias. Foi canonizado em 1807, pelo Papa Pio VII. Seu culto se espalhou pelos quatro cantos do planeta. Em 1652, já era o santo padroeiro de Palermo, mais tarde foi aclamado o santo padroeiro de toda a população afro-americana, mas especialmente pelos cozinheiros e profissionais da nutrição. E mais, na igreja do convento de Santa Maria de Jesus, na capital siciliana, se venera uma relíquia de valor incalculável: o corpo do “Santo Mouro”, profetizado na infância e ainda milagrosamente intacto. Mas, assim foi toda a vida terrena de Santo Benedito, repleta de virtudes e especiais dons celestiais providos do Espírito Santo.

Santa Maria Faustina Kowalska, apóstola da Divina Misericórdia

Por | SANTA FAUSTINA

Santa Faustina teve experiências místicas onde Jesus, foi recordando à humilde religiosa

A misericórdia divina revelou-se manifestamente na vida desta bem-aventurada, que nasceu no dia 25 de agosto de 1905, em Glogowiec, na Polônia Central. Faustina foi a terceira de dez filhos de um casal pobre. Por isso, após dois anos de estudos, teve de aplicar-se ao trabalho para ajudar a família.

Com dezoito anos, a jovem Faustina disse à sua mãe que desejava ser religiosa, mas os pais disseram-lhe que nem pensasse nisso. A partir disso, deixou-se arrastar para diversões mundanas até que, numa tarde de 1924, teve uma visão de Jesus Cristo flagelado que lhe dizia: “Até quando te aguentarei? Até quando me serás infiel?”

Faustina partiu então para Varsóvia e ingressou no Convento das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia no dia 1 de agosto de 1925. No convento tomou o nome de Maria Faustina, ao qual ela acrescentou “do Santíssimo Sacramento”, tendo em vista seu grande amor a Jesus presente no Sacrário. Trabalhou em diversas casas da congregação. Amante do sacrifício, sempre obediente às suas superioras, trabalhou na cozinha, no quintal, na portaria. Sempre alegre, serena, humilde, submissa à vontade de Deus.

Santa Faustina teve muitas experiências místicas onde Jesus, através de suas aparições, foi recordando à humilde religiosa o grande mistério da Misericórdia Divina. Um dos seus confessores, Padre Sopocko, exigiu de Santa Faustina que ela escrevesse as suas vivências em um diário espiritual. Desta forma, não por vontade própria, mas por exigência de seu confessor, ela deixou a descrição das suas vivências místicas, que ocupa algumas centenas de páginas.

Santa Faustina sofreu muito por causa da tuberculose que a atacou. Os dez últimos anos de sua vida foram particularmente atrozes. No dia 5 de outubro de 1938 sussurrou à irmã enfermeira: “Hoje o Senhor me receberá”. E assim aconteceu.

Beatificada a 18 de abril de 1993 pelo Papa João Paulo II, Santa Faustina, a “Apóstola da Divina Misericórdia”, foi canonizada pelo mesmo Sumo Pontífice no dia 30 de abril de 2000.

Santa Faustina, rogai por nós!

Novena de São Judas Tadeu

Por | SÃO JUDAS TADEU

A Igreja celebra a festa de São Judas Tadeu no dia 28 de outubro.
É o santo dos aflitos e desesperados.
A novena abaixo tem como base e celebrada anualmente no Santuário São Judas Tadeu, no bairro do Jabaquara, em São Paulo, SP.

1º Dia ? São Judas ajuda-nos a compreender a realidade.

São Judas Tadeu, escolhido por Cristo, o amor profundo a Jesus fez que soubésseis escolher o caminho de Deus, na pregação do Evangelho. É necessário que aprendamos vossas virtudes, sigamos vosso exemplo como melhor meio de tornarmo-nos discípulos de Cristo.

Que nós sigamos o vosso exemplo tanto na alegria e na vitória, na luta e no sofrimento. Que compreendamos que todas as realidades, agradáveis ou difíceis, deverão ser assumidas como oportunidades benfazejas, que nos levarão ao crescimento na fé e à capacidade de servir no amor de Cristo.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

2º Dia ? São Judas, queremos ser construtores do Reino.

São Judas Tadeu, Apóstolo e construtor do Reino de Deus, que espalhastes a Boa Nova da Salvação em Cristo, desejamos que venha o quanto antes o Reino de Deus a todos os homens, sedentos de Deus e da sua verdade. É preciso que muitos sejam como vós fostes: construtores do Reino de Deus.

Desejamos ser apóstolos e propagadores da mensagem, da verdade e do amor que Cristo ensinou e dar testemunho cristão nos ambientes em que vivemos sem vacilar na fé e na esperança. Queremos dar testemunho, vivendo o Evangelho, mediante o amor que nos compromete com Cristo.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

3º Dia ? São Judas, ajudai-nos a sermos irmãos.

São Judas Tadeu, Apóstolo de Jesus Cristo e servidor dos homens, vós que vistes o exemplo de Cristo, que veio para servir e não para ser servido, rogai por nós para que compreendamos o valor do serviço desinteressado e gratuito.

Auxiliai-nos a adquirir o sentido da doação ao próximo, na família, no trabalho e na comunidade. Vós que fizestes de vossa vida uma doação total, pelo anúncio do Evangelho e pelo testemunho de Cristo até o martírio, inspirai-nos coragem e sabedoria, para colocarmos nossas energias e talentos a serviço do irmão.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

.4º Dia ? São Judas, ajudai-nos a sermos generosos.

São Judas Tadeu, Apóstolo sempre fiel ao chamado do Mestre e obediente à voz do Pai, nada vos afastou de seu plano de amor. De vós queremos aprender a renunciar a qualquer plano egoísta para aceitar em tudo a vontade do Pai.

Ajudai-nos, São Judas, a sermos generosos no seguimento de Cristo, e humildes na renúncia a tudo o que nos afasta de seu caminho. Fazei que procuremos, em primeiro lugar, o que nos torna instrumentos de paz e sinais de Cristo para nossos irmãos.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

5º Dia ? São Judas, ajudai-nos a sermos puros de coração.

São Judas Tadeu, Apóstolo de Jesus Cristo e sinal de santidade de Deus, ajudai-nos a alcançar a graça da pureza de intenções para que nosso interior seja fonte de paz e bondade, jorrando a vida de Deus para nossos irmãos.

Que saibamos ser donos de nós mesmos e de nossos sentidos, e possamos estar entre aqueles que são chamados bem-aventurados porque são puros de coração. Conquistai-nos um coração puro, para que através dele possamos enxergar o Cristo em nosso caminho e indicá-lo aos irmãos.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

6º Dia ? São Judas, ajudai-nos a sermos fiéis à Verdade.

São Judas Tadeu, Apóstolo e instrumento de reconciliação, alcançai-nos do Pai o dom da firmeza diante do mal, do egoísmo e da injustiça. Fazei-nos sempre atentos à advertência de Cristo: ‘Vigiai e orai, para não cairdes em tentação’.

Vós que lutastes para vencer o pecado, dai-nos um espírito resoluto e a graça de não cairmos em tentação. E se isto acontecer, rogai por nós, para termos ânimo de nos reerguermos e voltarmos à união com Cristo, vosso e nosso Mestre.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

7º Dia ? São Judas, ajudai-nos a termos fé.

São Judas Tadeu, Apóstolo e homem de fé inabalável, a ponto de fazerdes de Cristo vossa única e absoluta certeza, rogai por nós, para que cresça nossa fé e se torne luz para os irmãos. Reconhecemos, diante de Deus, que freqüentemente nossa fé é vacilante e frágil. Sabemos que é um precioso dom de Deus, que é preciso acolher com simplicidade, cultivar pela oração e pelo reconhecimento do evangelho.

Ajudai-nos a pedir humildemente, como vós pedistes com os apóstolos: Senhor, aumentai a nossa fé!

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

8º Dia – São Judas, ajudai-nos sermos solidários.

São Judas Tadeu, Apóstolo e irmão dos pobres, hoje vos pedimos que nos alcanceis o espírito de pobreza. Com Cristo anunciastes a boa nova aos pobres e dele ouvistes a solene proclamação: ‘Bem-aventurados os que têm espírito de pobre porque deles é o reino do céu’.

Rogai por nós, para que o desejo de lucro não nos domine e a ganância de ter mais não tire a capacidade de doar-nos aos mais necessitados e de sermos solidários com os pobres, os doentes, os oprimidos e marginalizados. Encorajados pelo testemunho dos apóstolos, não nos falte o senso de fraternidade, para trabalharmos com todas a forças pela defesa e promoção dos mais desamparados. E que aprendamos a reconhecer em cada um deles o próprio Cristo, nosso irmão e Senhor!

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

9º Dia ? São Judas, ajudai-nos a sermos homens novos.

São Judas Tadeu, Apóstolo e Mártir, que experimentastes no convívio com Cristo o infinito amor do seu Coração, alcançai-nos a graça da conversão, para que nossos corações se tornem semelhantes ao Dele.

Reconhecemos em Jesus o homem que mais amou, e modelo para todos os homens de bom coração. Por vossa intercessão, sejamos renovados interiormente, segundo a promessa de Deus, de derramar sobre nós uma água pura e dar-nos um coração novo.

São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (faça seu pedido com fé). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre desta graça e nunca deixar de vos louvar e honrar. Farei tudo para espalhar através de minha vida e meu testemunho o amor ensinado por Jesus e vivido por vós.

São Judas Tadeu, rogai por nós!

Pai Nosso, …
Ave Maria …
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre amém.

São Judas Tadeu

Por | SÃO JUDAS TADEU

São Judas Tadeu, nasceu em Caná de Galiléia, na Palestina. Era filho de Alfeu (ou Cleofas) e Maria Cleofas. O pai, Alfeu, era irmão de São José e a mãe, prima-irmã de Maria Santíssima. Portanto, Judas Tadeu era primo-irmão de Jesus, tanto pela parte do pai como da mãe. Um de seus irmãos, Tiago, também foi chamado por Jesus para ser apóstolo. Era chamado de Tiago Menor para diferenciar do outro apóstolo Tiago que, por ser mais velho que o primeiro, era chamado de Maior. Judas Tadeu tinha quatro irmãos: Tiago, José, Simão e Maria Salomé.

O relacionamento da família de Judas Tadeu com o próprio Jesus Cristo, pelo que se consegue perceber na Bíblia é o seguinte: Alfeu (Cleofas) era um dos discípulos a quem Jesus apareceu no caminho de Emaús, no dia da ressurreição. Maria Cleofas, uma das piedosas mulheres que tinham seguido a Jesus desde a Galiléia e permaneceram ao pé da cruz, no Calvário, junto com Maria Santíssima . Dos irmãos dele, Tiago foi um dos doze apóstolos, que se tornou o primeiro bispo de Jerusalém. José, apenas conhecido como o Justo. Simão foi o segundo bispo de Jerusalém, após Tiago. E Maria Salomé, a única irmã, foi mãe dos apóstolos Tiago Maior e João evangelista. É de se supor que houve muita convivência de Judas Tadeu com o primo e os tios. Essa fraterna convivência, além do parentesco, pode ter levado são Marcos a citar Judas e os irmãos como irmãos de Jesus (Mc 6,3).

A Bíblia trata pouco de Judas Tadeu. Mas, aponta o seguinte: Judas Tadeu foi escolhido por Jesus, para apóstolo. Quando os evangelhos nomeiam os doze escolhidos, consta sempre Judas ou Tadeu entre a relação. O livro dos Atos dos Apóstolos também se refere a ele (At 1,13). É citado especialmente nas Escrituras no episódio da santa Ceia, na quinta-feira santa, narrado por João evangelista (Jo 14,22). Nesta oportunidade, quando Jesus confidenciava aos apóstolos as maravilhas do amor do Pai e lhes garantia especial manifestação de si próprio, Judas Tadeu não se conteve e perguntou: ‘Mestre, por que razão hás de manifestar-te só a nós e não ao mundo?’ Jesus lhe respondeu afirmando que teriam manifestação dele todos os que guardassem sua palavra e permanecessem fiéis a seu amor. Sem dúvida, nesse fato, Judas Tadeu demonstra sua generosa compaixão por todos os homens, para que se salvem todos.

São Mateus e São Marcos citam-no com o nome de Tadeu, como se estivessem temerosos de usar o primeiro nome, já evitando a possível confusão com o nome do renegado traidor.

Mesmo assim a confusão se fez, e por muitos anos esse grandioso condutor da palavra divina ficou esquecido dos devotos, Até mesmo aqueles que procuravam deturpar a pureza de Maria agarravam-se na história de Judas Tadeu para sacrilegamente usar o termo ‘irmão’, como um pejorativo, contra a mais pura das mulheres.

A vida de São Judas Tadeu

Depois que os Apóstolos receberam o Espírito Santo, no Cenáculo em Jerusalém, iniciaram a construção da Igreja de DEUS, com a evangelização dos povos. São Judas iniciou sua pregação na Galiléia. Depois viajou para a Samaria e outras populações judaicas. Tomou parte no primeiro Concílio de Jerusalém, realizado no Ano 50. A seguir, foi evangelizar na Síria, Armênia e Mesopotâmia (atual Pérsia), onde ganhou a companhia de outro apóstolo, Simão, o ‘zelote’, que evangelizava no Egito.

A pregação e o testemunho de São Judas Tadeu e seus companheiros, foi realizado de modo enérgico e vigoroso, pedindo ao povo que destruissem os falsos idolos e aceitassem Jesus Cristo no coração, atraindo e cativando os pagãos e povos de outras religiões que se converteram ao cristianismo, quando foram alvo da inveja dos feiticeiros. Isso provocou a fúria invejosa de falsos pregadores, de feiticeiros e de ministros pagãos, que conseguiram incitar parte da população contra São Judas Tadeu e São Simão que foram trucidados a golpes de machado, no dia 28 de outubro do ano 70. Aráduas, cidade pertecente a Pérsia, foi o local do martírio de São Judas São Judas escolheu o martirio que o levaria à vida Eterna.

Certa vez, Santa Brígida estava orando, quando teve uma visão de Jesus. Este lhe disse: ‘Invocai com grande confiança ao meu apóstolo Judas Tadeu. Prometo socorrer a todos quantos por seu intermedio a mim recorrerem’.

São Judas Tadeu mostrou que sua adesão a JESUS CRISTO era completa e incondicional, testemunhando sua fé com doação da própria vida.

São Jerônimo nos assegura que o Apóstolo pregou e evangelizou Edessa, bem como em toda Mesopotâmia (Pérsia).

Devido ao seu martírio, São Judas Tadeu é representado em suas imagens segurando um livro, simbolizando a palavra que anunciou, e uma machadinha, o instrumento de seu martírio.

Suas relíquias atualmente são veneradas na Basílica de São Pedro, em Roma.

Santa Gertrudes e São Bernardo de Claraval entre muitos outros Santos, também foram fervorosos cultivadores do culto a SÃO JUDAS TADEU. Santa Gertrudes escrevendo sua biografia, conta que JESUS lhe apareceu aconselhando invocar São Judas Tadeu, até nos ‘casos mais desesperados’. A partir de então, cresceu a fé do povo na especial intercessão do Santo, principalmente nos ‘casos impossíveis’.

No texto grego São JUDAS é chamado LEBEU que significa: ‘LEB’ – CORDATO, BONDOSO, OU CORAJOSO. TADEU porém, vem da palavra siria ‘THAD’ que quer dizer: MISERICORDIOSO, BENIGNO.

Santa Teresa de Ávila (Santa Teresa de Jesus)

Por | SANTA TERESA AVILA

Santa Teresa de Ávila, conseguiu recuperar o fervor de muitas carmelitas

Com grande alegria lembramos, da vida de santidade daquela que mereceu ser proclamada “Doutora da Igreja”: Santa Teresa de Ávila (também conhecida como Santa Teresa de Jesus). Teresa nasceu em Ávila, na Espanha, em 1515 e foi educada de modo sólido e cristão, tanto assim que, quando criança, se encantou tanto com a leitura da vida dos santos mártires a ponto de ter combinado fugir com o irmão para uma região onde muitos cristãos eram martirizados; mas nada disso aconteceu graças à vigilância dos pais.

Aos vinte anos, ingressou no Carmelo de Ávila, onde viveu um período no relaxamento, pois muito se apegou às criaturas, parentes e conversas destrutivas, assim como conta em seu livro biográfico.

Certo dia, foi tocada pelo olhar da imagem de um Cristo sofredor, assumiu a partir dessa experiência a sua conversão e voltou ao fervor da espiritualidade carmelita, a ponto de criar uma espiritualidade modelo.

Foi grande amiga do seu conselheiro espiritual São João da Cruz, também Doutor da Igreja, místico e reformador da parte masculina da Ordem Carmelita. Por meio de contatos místicos e com a orientação desse grande amigo, iniciou aos 40 anos de idade, com saúde abalada, a reforma do Carmelo feminino. Começou pela fundação do Carmelo de São José, fora dos muros de Ávila. Daí partiu para todas as direções da Espanha, criando novos Carmelos e reformando os antigos. Provocou com isso muitos ressentimentos por parte daqueles que não aceitavam a vida austera que propunha para o Carmelo reformado. Chegou a ter temporariamente revogada a licença para reformar outros conventos ou fundar novas casas.

Santa Teresa deixou-nos várias obras grandiosas e profundas, principalmente escritas para as suas filhas do Carmelo : “O Caminho da Perfeição”, “Pensamentos sobre o Amor de Deus”, “Castelo Interior”, “A Vida”. Morreu em Alba de Tormes na noite de 15 de outubro de 1582 aos 67 anos, e em 1622 foi proclamada santa. O seu segredo foi o amor. Conseguiu fundar mais de trinta e dois mosteiros, além de recuperar o fervor primitivo de muitas carmelitas, juntamente com São João da Cruz. Teve sofrimentos físicos e morais antes de morrer, até que em 1582 disse uma das últimas palavras: “Senhor, sou filha de vossa Igreja. Como filha da Igreja Católica quero morrer”.

No dia 27 de setembro de 1970 o Papa Paulo VI reconheceu-lhe o título de Doutora da Igreja. Sua festa litúrgica é no dia 15 de outubro. Santa Teresa de Ávila é considerada um dos maiores gênios que a humanidade já produziu. Mesmo ateus e livres-pensadores são obrigados a enaltecer sua viva e arguta inteligência, a força persuasiva de seus argumentos, seu estilo vivo e atraente e seu profundo bom senso. O grande Doutor da Igreja, Santo Afonso Maria de Ligório, a tinha em tão alta estima que a escolheu como patrona, e a ela consagrou-se como filho espiritual, enaltecendo-a em muitos de seus escritos.

Santa Teresa de Ávila, rogai por nós!