Fale com Ele – Artigo de Dom Pedro Carlos Cipollini

Na crise que estamos vivendo, muito se ouve dizer: “só por Deus”. Só por Deus mesmo podemos superar tantos obstáculos. Obstáculos que pessoas egoístas e sem escrúpulos arrumaram para o Brasil. Na situação que estamos não podemos perder a esperança. Neste sentido a oração é a grande força. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) convocou um dia de oração por nossa Pátria. Vamos prolongar este dia enquanto não conseguirmos dias melhores.

O livro Grande Sertão – Veredas -romance de Guimarães Rosa-, é admirável por vários motivos. A mim chama atenção a questão teológica que perpassa a obra. Refiro-me ao constante questionamento sobre o mistério de Deus e a existência do mal.

Alguns trechos são memoráveis, como por exemplo, “com Deus existindo, tudo dá esperança: sempre um milagre é possível, o mundo se resolve. Mas, se não tem Deus, há-de a gente perdidos no vai-vem, e a vida é burra. É o aberto perigo das grandes e pequenas horas, não se podendo facilitar – é todos contra os acasos. Tendo Deus, é menos grave se descuidar um pouquinho, pois no fim dá certo. Mas, se não tem Deus, então, a gente não tem licença de coisa nenhuma!… Deus existe mesmo quando não há. Mas o demônio não precisa existir para haver – a gente sabendo que ele não existe, aí é que ele toma conta de tudo”. (Ed. Nova Fronteira, 36ª Ed. p. 48).

E posto que em meio ao “mistério da iniquidade”, como chama São Paulo ao problema do mal no mundo (cf. 2Ts 2,7), existe um Deus criador, fonte da vida e Pai de bondade, revelado por seu filho Jesus Cristo, como viver sem falar com Ele, sem viver para Ele.

O reconhecimento da existência de Deus exige do que se acredita, entrar em contato com Ele e isto é o que se chama oração. Na definição de Teresa D’Ávila, mística espanhola e padroeira dos professores, “orar é falar com alguém que sabemos nos amar”. Orar não é nada complicado, é falar com Deus, pensar nele e abrir seu coração para escutá-lo. O que é preciso é querer falar com Ele e a Ele estar atento.

A oração é preceito essencial de todas as religiões e existe até mesmo em meio aos que dizem não ter religião. Há uma percepção difusa e universal de que a fé e a oração fazem bem para a saúde. Neste sentido é interessante o livro do Dr. Kenneth H. Cooper: “É melhor acreditar”. Esta obra versa sobre a importância da fé para a saúde e a boa forma.

E aqui também, não posso deixar de lembrar o que escreve Guimarães Rosa no mesmo romance que citei acima: “Hem? Hem? O que mais penso, testo e explico; todo-o-mundo é louco. O senhor, eu, nós, as pessoas todas. Por isso é que se carece principalmente de religião; para se desendoidecer, desdoidar. Reza é que sara da loucura. No geral. Isso é que é a salvação-da-alma…(op. Cit.p.8).

Lembro-me dos noticiários dos jornais, quando o Dalai Lama ganhou o prêmio Nobel da Paz. Foram avisá-lo, ele estava em oração. Não queria ser interrompido quando rezava. Assim, foi um dos últimos a saber que tinha ganho o prêmio. Eis um homem que valoriza a oração.

No cristianismo a oração é essencial, é o respiro da alma. O grande orante da Bíblia, que nos ensina a orar é Jesus. Passava noites em oração, rezava e saia tão transfigurado da oração que um dia, seus discípulos pediram que lhes ensinasse a rezar. Jesus ensinou o “Pai Nosso”

Sem a oração a pessoa está paralítica para a corrida do Amor, permanece presa ao chão de tudo aquilo que não é Deus, não pode se realizar. Portanto, reze, fale com Ele, fale com Deus, Ele está interessado em te escutar.

Artigo escrito por Dom Pedro Carlos Cipollini para o Jornal Diário do Grande Abc