Deus abençoe a todos!

Por inúmeras vezes fui questionado quanto a atuação específica da Comunidade Fidelidade, sua finalidade e competência.

E em meio a simples palavras sempre coloquei sutilmente as nossas ações de evangelização e a forma de vida fraterna que experimentamos, digo que “trabalhamos” na área de cura pessoal e libertação, que queremos ser exemplo de santidade, etc. Como as vezes é difícil expressar o Carisma. Porém sempre em meu coração ficou o desejo de uma explicação a mais que deveria ter partilhado, afinal como todos sabemos, muito mais do que fazer, precisamos ser.

Uma vez que fomos chamados a ser comunidade pela vocação, o fazer se tornou consequência. Todas as Comunidades Novas são chamadas primeiramente a “Ser”; Ser o sal da terra e luz no mundo pelo carisma e pela experiência comunitária. Fazemos tantas coisas e corremos o risco de deixar de ser.

Então quando me perguntam o que a comunidade faz, eu dou um sorriso e respondo: evangelizamos.  Sim, evangelizamos sendo comunidade. Agora se a pessoa tiver um pouco mais de “tempo”, poderia partilhar nossa vida, alegrias e tristezas, experiências religiosas que temos com Jesus, pois é com ela (a vida) que evangelizamos e onde somos comunidade. Assim sendo a primeira atuação da Comunidade é na minha vida, na de meus irmãos de comunidade, na nossa fraternidade semanal e as vezes diária.

Ser comunidade em comunhão com a igreja já é um testemunho de evangelização, pena que muitos já não entendem isso… Por exemplo: os primeiros cristãos levaram tão a sério viver em comunidade, que os pagãos exclamavam admirados: «vede como eles se amam!» (cf. Jo 15, 12.13.17; 1 Jo 2, 8; Mt 22, 39; Jo 17, 23; Act 4, 32).  E nos dias de hoje quando colocamos o carisma suscitado por Deus em nossas vidas ordinárias a evangelização se torna novamente efetiva. Então a resposta para tal pergunta deste tema, poderia ser: vivemos em comunidade!

Acredito que se nossas comunidades fossem enumerar tudo que realizamos e fizemos ou ainda estamos fazendo em atos concretos, daria um livro cada, pois não dá para viver em comunidade sem se preocupar com o irmão, sem ter contato, sem falar com todos, sem sacrifícios, sem evangelização verbal, sem movimentos. E o Senhor vem me incomodando com uma palavra: conveniência. Muitos cristão hoje vivem um fé “conveniente”, mais não uma conveniência para o bom, e sim para o “fácil”. Aquilo que exige um pouco mais de sacrifício e labuta já não é tão atrativo ou conveniente para mim. Cria-se inúmeras “igrejas” e “religiões” convenientes onde eu decido o que é ou não pecado e muitas outras coisas, a quem devo ou não obedecer, e muitos outros que querem aderir a Igreja Católica mais levantando bandeiras de rebelião para “atualizar” a igreja… Oras! Quem deve se moldar a quem?

Creio que parte das respostas para esta indagação é a vida comunitária. Nas Novas Comunidades queremos viver e respirar o cristianismo como os primeiros cristãos, sendo mais entregues à vida comunitária.

Para finalizar e para ficar mais claro aos que ainda questionam, ou que gostariam de saber das atividades concretas da Comunidade, convido-lhe a acompanhar nossa agenda e missões e conhecer de perto nossa opção de vida.

Nascemos para viver unidos. Na Família, na Sociedade, na Comunidade, na Paróquia…