Tag

Fidelidade

Quem Somos

Por | A FIDELIDADE

Sobre a Comunidade Católica Fidelidade

A Comunidade Fidelidade é uma associação pública de fiéis, de reconhecimento Diocesano, nascida na esteira dos novos movimentos pós-Concílio Vaticano II, constituída de fiéis católicos unidos em fraternidade, cujo objetivo é levar seus membros a uma vida santificante e equilibrada, buscando viver o batismo de maneira radical.

A Comunidade Fidelidade tem por Fundador Prof. Daniel Tadeu de Oliveira, casado, 3 filhos, natural de São Bernardo do Campo, SP.

Nossa palavra de fundação e inspiração está no Evangelho de Mateus 5, 17 – 48 e o propagamos com o seu último versículo: “Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai Celeste é perfeito”.

Nesta inspiração e no amadurecimento, fomos formando e confirmando nosso Carisma de “Viver na Santidade e levar as pessoas a trilhar este caminho de busca pela Santidade” em suas vidas quotidianas pela moral cristã, justiça, equilíbrio espiritual e psicológico, reconciliando o indivíduo com sua própria história.

Em 2001 o Senhor nos deu o nome “Fidelidade” uma ordem para sermos fiéis e obedientes ao Senhor e a sua Igreja, fortalecendo e confirmando assim nosso Carisma e Missão. Palavra do Nome: “Assim fala o Senhor: eis que volto a Sião, venho residir em Jerusalém. Jerusalém chamar-se-á a cidade-fidelidade, e a montanha de Sião, a montanha-santidade. ” Zc 8, 2.

Temos como Santos Baluartes São Bento e Santo Antônio. São Bento pelo seu empenho pela Santidade e Vivência Cristã e Santo Antônio por ser um Grande Evangelizado e pregador e pela nossa fundação ter sido nesta Paróquia, onde acreditamos que Santo Antônio teve sua intercessão.

Com o Reconhecimento Diocesano de nossos estatutos em 05 de Setembro de 2016, temos engajamento canônico no que a Igreja hoje conhece como “Comunidades Novas” na atual realidade de Comunidade de vida e aliança e somos acompanhados na Diocese pelo Padre assessor designado pelo nosso Bispo, onde procuramos testemunhar assim a comunhão fraterna, o serviço e a obediência à Igreja Católica e sua doutrina e a Diocese dentro de nosso chamado e vocação nesta realidade.

Nossa Espiritualidade: Somos conduzidos a uma espiritualidade de oração e serviço, “ora et labora” (Abade São Bento), buscando a Santa Missa e a Eucaristia. Buscamos viver diariamente a comunhão e a contemplação com a Palavra de Deus através da Lectio Divina. Procuramos viver todos os momentos de oração com uma espiritualidade carismática e de profunda entrega.

Nossa Missão de envio: Acreditamos na segunda vinda de Jesus Cristo como professa a Fé da Igreja Católica e temos como objetivo evangelizar e preparar o povo de Deus para sua volta, levando a palavra de Jesus e a fé católica. Para tanto realizamos encontros e visitas de oração, atendimento espiritual e também evangelização por meio de células católicas.

Nossa Fraternidade e Formação: Servimos como Comunidade de Vida e Aliança, sendo assim todos os membros efetivos trabalham fora e tem suas famílias ligadas a comunidade, partilhamos do mesmo carisma e missão em nossos encontros e serviços, com a disponibilidade de vocacionados a um carisma particular. Procuramos testemunhar o que acreditamos em nossas vidas a partir do carisma e usamos de nosso tempo disponível para os trabalhos de evangelização e nas obras da comunidade.

Dos Trabalhos e atividades da Comunidade – Hoje nossos trabalhos de formação e evangelização estão presentes em vários apostolados: Colunas em Jornais locais, Rádio Web, Internet e mídias sociais, música e animação litúrgica, células de evangelização, missão Fidelidade para oração do terço e oração com as famílias, grupo de oração, grupo de cura e libertação,  Grandes Células de Oração, seminários, vigílias e cercos de oração, Etc.

Produção de mídias digitais de evangelização e formação, intercessões, seminários e formação de servos, pregações, escola bíblica e teológica, escola permanente para novas comunidades, atendimento de aconselhamento e orientação espiritual e psicológica, cursos de várias modalidades, etc.

Servimos nas Paróquias no ministério do Culto e da Palavra, ministério da benção, Formação para pastorais e movimentos quando solicitadas pelos Sacerdotes.

Realizamos nossa ação e evangelismo por meio de células católicas de evangelização com reuniões semanais que acontecem nas casas para prover um relacionamento efetivo com as casas já visitadas em atendimento. Mantemos a Sede, denominada Casa São Bento em SBC e uma casa em Alumínio – SP para retiros de atendimento e retiro Espiritual.

Da Organização dos Membros – Hierarquia – A comunidade é formada pelo Fundador, CoFundadores, Membros com Vinculo de Consagração, Membros com Vínculo de Comunhão, Compromissados e Caminhantes.

Da Admissão e Formação de novos membros – Anualmente a Comunidade realiza um encontro para as pessoas que queiram conhecer nossos trabalhos e o carisma, neste encontro é apresentado à realidade e rotina da comunidade e o que professamos e pregamos.

Dos Caminhantes – Uma vez a pessoa sentindo o chamado a essa vocação de comunidade, o interessado inicia uma formação especifica de até 1 Ano, os quais denominamos caminhantes.

Neste período a pessoa também é orientada regularizar sua vida espiritual se necessário. Um formador designado pelo fundador recorda com os caminhantes a catequese, dogmas, tradição, a palavra, formação humana e espiritual, histórico da comunidade e nossas realidades de fraternidade e obediência. No final da formação os que sentirem a vocação a continuar passam por uma entrevista de discernimento com fundador e formadores e começam uma nova jornada de no mínimo 1 (um) Ano, o qual chamamos de compromissados.

Dos Compromissados – Neste período de compromissados, os candidatos a membros acompanham e ajudam nos trabalhos efetivos da Comunidade e são assistidos por formadores pessoais por um período de até 2 Anos.

Dos Membros Efetivos – Após o período de compromissado, os formadores passam um relatório deste período de acompanhamento ao fundador e coordenador de formação que, em nova entrevista com os candidatos, decidem em oração a admissão efetiva dos mesmos. Neste período é feito seu compromisso com a comunidade em uma celebração juntamente com Sacerdote, onde professam seu “compromisso” em seu vínculo especifico com a comunidade e o carisma, chamado “Vinculo de Comunhão”.

Do Conselho – O Conselho da comunidade é formado pelo Fundador, CoFundadores e por Membros erigidos em assembleia, são as pessoas que auxiliam nas decisões e se fazem presentes na eventual ausência do Fundador.

Da Formação dos Membros – Mantemos uma rotina de encontros de oração e formação permanente. A começar pelos coordenadores de formação que trazem formações continuas para os membros e também formadores externos indicados pelos sacerdotes e comunidades irmãs. Procuramos uma formação teológica, humana e espiritual. Alguns membros procuram formações de graduação que colaboram com a realidade da comunidade e da pessoa humana.  Temos na comunidade pessoas formadas e também que estudam em diversas áreas, por exemplo: Pedagogia, enfermagem, psicologia, teologia, filosofia, músicos, professores, analistas, recursos humanos, entre outros.

Das Crianças – Mantemos um trabalho de evangelização infantil com formações (cristãs) e humanas com o grupo dos Pequenos Fiéis, filhos e filhas dos casais membros da Comunidade. Formações preparadas e acompanhadas pela pedagoga ajudamos assim em sua pré-catequese. Aos Sábados esse Grupo é aberto para receber as crianças das pessoas que participam do Grupo Parusia e Grande Célula.

Dos Colaboradores e Benfeitores – As Comunidades matem-se de doações em campanhas realizadas internas e externamente. Promovemos algumas festas e a venda de alguns artigos religiosos e literatura de produção interna.

Da Localização da Comunidade – Nossa casa de encontros e fraternidade está situada na Rua Giuseppe Venturini, 180 no Bairro Batistini em São Bernardo do Campo no Estado de São Paulo. Por Intercessores e Baluartes nomeamos esta casa de Casa São Bento e o Salão situado abaixo da casa de Salão São João Paulo II.

Em questão paroquial a comunidade está situada bem entre as Paróquias Sagrada Família, Jd. Do Lago e da Paróquia Santo Antônio do Bairro Batistini as quais colaboramos como servos, sendo: Ministros do Culto e da Palavra, Ministros da Benção, animação de liturgia e música, formações, Etc.

Paróquias e Diocese – Mantemos a comunhão com a Diocese participando das reuniões da Fraternidade das Novas Comunidades na Diocese, acompanhadas pelo Sacerdote assessor designado pelo Bispo. Também pelo serviço nas Paróquias citadas em parágrafos anteriores e servimos a Diocese em eventos e em colaborações diversas.

Endereço e Contatos:

Casa São Bento e Salão São João Paulo II

Rua Giuseppe Venturini, 180 – Batistini, São Bernardo do Campo – SP

Roteiro – Anunciando as Grandezas de Deus – 05/10 a 11/10

Por | ROTEIRO DAS CÉLULAS

Atenção! Confira se esta no roteiro da semana correta.  Este roteiro é para semana de 05/10 a 11/10 – Novo formato em livreto para imprimir frente e verso.

=> Download da versão para Impressão ou dispositivos – ROTEIRO DA REUNIAO DE CELULA SEMANAL – 0510 a 1110

Encontro

  • Fraternidade: Oração e Partilha do Lanche e Entrosamento. Líderes devem entrosar membros da nova célula. Gerar a confiança de que somos todos iguais.
  • Nossa célula multiplicou, chegou o tempo de evangelizar!!!

Exaltação

  • Salmo: Salmo 37, 3-9
  • Oração: Ore impondo as mãos uns sobre os outros e glorifiquemos a Deus pela multiplicação.
  • Músicas: Alegrai-vos / Hoje é tempo de Louvar a Deus.

Edificação

  • Escritura: I Pedro 2.9
  • Frase para decorar: “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.”

Partilha do Líder

Se existe um jeito de reconhecer o amor que Deus tem por cada um de nós e por meio do nosso amor para com Deus. Este reconhecimento da nossa parte é demonstrado por meio de uma vida de justiça e testemunho.

Uma vida onde o temor ao Senhor é presente. Como igreja do Senhor devemos viver focado nos ensinamentos bíblicos que tem a revelação da vontade de Deus para nós.

APLICAÇÃO PESSOAL

  1. Quais são as práticas em sua vida que dão evidência de que você é um servo de Deus e parte da igreja d’Ele?
  2. O que significa segundo o texto bíblico acima ser parte da igreja de Cristo?
  3. Você já andou em trevas? Qual a diferença em sua vida do antes e o depois de sua entrega a Cristo?
  4. Você já fez uma declaração pública de sua fé em Jesus? Caso não tenha feito peça à célula que ore com você, entregando sua vida a Cristo publicamente.

 CONCLUSÃO

O que significa a multiplicação das células para você? Seriam mais casas abertas para compartilhar o amor de Deus? Seriam mais pessoas participando e sendo abençoadas? Qual é, em sua opinião, o tempo que sua célula precisa para realizar a multiplicação, estabeleça uma meta!

Está disposto a crescer e multiplicar? Então vamos em frente rumo aos alvos que oramos!

Evangelismo

  • Colheita: Vamos investir tempo orando por nossas famílias, pelos planos e sonhos do Senhor para nós e nossos filhos.
  • Vamos orar por todas as novas células de nossa comunidade. Semana que vem já devemos ter uma visita em nossa célula.

Entrega

  • Rezemos pela Comunidade Fidelidade e sua obra. Rezarem pelos novos líderes e auxiliares.
  • Oremos pelas intenções particulares de todos os membros de célula e pelas células do mundo inteiro.
  • Abra seu coração aos irmãos de célula colocando seus medos e anseios. Seus problemas e vitórias.

Avisos:

Lembrar a célula da importância de participar das missas dominicais e do Grupo Parusia, principalmente da Grande Célula todos os primeiros sábados do mês.

Convidar para ajudar na limpeza do salão SJPII conforme escala recebida.

Lembre-se que a célula acontece todos os dias, 24 horas por dia. A reunião da célula que acontece semanalmente.

Mensagem da Supervisão – Serviço

Qual é a missão da Igreja senão dar continuidade ao ministério de Cristo!? Foi Ele quem disse: “Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês” (Jo 20,21). A Igreja foi chamada por Deus para compartilhar com a humanidade os tesouros da insondável misericórdia do Senhor, manifesta em Jesus. Para tanto, Ele nos dotou com a Sua graça.

Se para servir carecíamos de graça – essa ajuda divina –, Cristo tratou logo de fazer Sua parte, dando-nos o Espírito sem medidas (cf. Jo 3,34), que não permite que faltem os dons necessários para o exercício de nosso ministério (cf. 1 Cor 1,7).

Existem vários dons de serviço ou carismas, essas ferramentas valiosas que devem ser usadas para a edificação do Corpo de Cristo (cf. 1 Cor 12,4). E esses dons não teriam sentido de existirem se não tivéssemos na Igreja os ministérios, que são os campos específicos de atuação dos cristãos por meio por carismas.

Deve haver um sincero esforço em cada um de nós por encarnar a fé em nossa vida e, por meio do testemunho de comunhão e caridade, oferecermos às pessoas a oportunidade do encontro com Cristo. Não basta orar, adorar, cantar, pregar, convidar… Temos de aprender a servir, identificando as necessidades básicas de quem está mais próximo de nós, e oferecermos ajuda. Há uma frase muito interessante que merece ser refletida: “Procure a ferida e cure-a”. Afinal, satisfaz o nosso carisma impor as mãos

Roteiro – Herança – O que deixaremos para nossos descendentes – 24/08 a 30/08

Por | ROTEIRO DAS CÉLULAS

Atenção! Confira se esta no roteiro da semana correta.  Este roteiro é para semana de 24/08 a 30/08

=> Download da versão para Impressão ou dispositivos – ROTEIRO DA REUNIAO DE CELULA SEMANAL – 2408 a 3008

Encontro

  • Fraternidade: Oração e Partilha do Lanche e Entrosamento. Líderes devem incentivar o assunto sobre a festa da multiplicação que acontecerá dia 03 de outubro na Fidelidade. Que alegria. Muito importante salientar a presença de todos!

Exaltação

  • Salmo e músicas: Salmo 89 (NTLH)  –  88 (Ave Maria)
  • Oração: Ore pela multiplicação de sua Célula e necessidades para que ela multiplique.

Edificação

  • Escritura: Deuteronômio 6.5-7
  • Frase para decorar: “Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.”

Partilha do Líder: A louca rotina que vivemos no dia-a-dia tem consumido nosso tempo, nossas forças e, muitas vezes, tem nos feito desviar daqueles sonhos e planos que idealizamos.

O consumismo desenfreado tem nos levado a pensar somente em conquistas materiais e temos negligenciado nosso relacionamento com Deus, com nossos familiares, cônjuges e filhos.

A pergunta que fica para refletirmos é: “O que temos construído para deixar como herança para nossos descendentes”?

 

APLICAÇÃO PESSOAL

  1. O texto lido nos mostra que devemos amar a Deus acima de tudo, com todas as nossas forças. Em que você tem empregado sua energia?
  2. “… E estas palavras que, hoje te ordeno, estarão no teu coração…” Onde você tem “armazenado” as orientações que Deus tem dado para sua vida?
  3. “… E as ensinarás a teus filhos…”. Nós só podemos ensinar para nossos filhos ou para os mais jovens, aquilo que aprendemos e sabemos. Qual será o conteúdo que você deixará como herança para os seus filhos ou para os mais jovens que você?

COMPARTILHANDO

Ter um companheiro de caminhada é fundamental para que possamos dividir um pouco nossos fardos. Você tem investido tempo com o seu companheiro de fé? Experimente a alegria de abençoar e ser abençoado por ele!

Evangelismo

  • Colheita: Vamos investir tempo orando por nossas famílias, pelos planos e sonhos do Senhor para nós e nossos filhos. Que sejamos famílias segundo o coração de Deus por gerações e gerações.

Entrega

  • Rezemos pela Comunidade Fidelidade e sua obra. Rezarem pelos líderes de sua célula, por novos líderes (auxiliares) discípulos e pela Multiplicação de sua célula que acontecerá dia 03/10/2015.
  • Vamos orar agradecendo a Deus pelos irmãos da célula e pelas necessidades uns dos outros.

Avisos: Lembrar do Livro de intenções que será levado para Roma. Também lembrar a célula da importância de participar das missas e do Grupo Parusia, principalmente da Grande Célula todos os primeiros sábados do mês. Convidar para ajudar na limpeza do salão SJPII conforme escala recebida.

Roteiro – Integração de todos no Reino de Deus – 08/06 à 14/06

Por | ROTEIRO DAS CÉLULAS

Atenção! Confira se esta no roteiro da semana correta.  Este roteiro é para semana de 27/04 a 03/05.

=> Download da versão para Impressão ou dispositivos – ROTEIRO DA REUNIAO DE CELULA SEMANAL – 0806 a 1406

ROTEIRO DA REUNIÃO DE CÉLULA SEMANAL

Nome da Célula: _____________________________________________ DATA: ___/___/___

Líder: __________________________________ Auxiliar: ________________________________

Serie formativa: Ano da colheita – Crescimento nos valores – Pactos na Célula.

Objetivo: Propósito do Evangelismo

Tema da Reunião: Integração de todos no Reino de Deus.

Encontro
  • Fraternidade: Fraternidade: Oração para Partilha do Lanche e Entrosamento.
  • Pedido: Ler Formação de Líderes – Pacto de Lealdade – Pedir ajuda na limpeza do salão.
Exaltação
  • Salmo: Salmo 19 (NTLH) Salmo 18 Outras
  • Oração: Orar impondo as mãos uns pelos outros.
Edificação
  • Escritura: Mas não apenas leia, ore com At 2, 42-47
  • Frase para decorar: “Desse modo não existe diferença entre judeus e não-judeus, entre escravos e pessoas livres, entre homens e mulheres: todos vocês são um só por estarem unidos com Cristo Jesus” (Gl 3,28)…

Partilha do Líder:

Neste estudo entramos no propósito do discipulado, depois de já ter percorrido adoração, evangelismo e comunhão. E para bem compreender o que isto significa vamos começar pelo texto clássico do modelo paradigmático da Igreja, o sonho de Deus para nós. Mas não apenas leia, ore com At 2, 42-47.

Deste belíssimo texto destacamos em primeiro lugar a ocorrência da palavra TODOS:

  • “Todos continuavam firmes…” (v.42);
  • “Todas as pessoas estavam cheias de temor…” (v.43);
  • “Todos os que criam estavam juntos e unidos…” (v.44);
  • “…Dividiam o dinheiro com todos” (v.45);
  • “Todos os dias, unidos, se reuniam…” (v.46);
  • “…Eram estimados por todos” (v.47).

Em todos os casos notamos um elemento: não há distinção de pessoas nesse “todos”, o que indica a variedade de pessoas nas suas várias características. Quer dizer, haviam homens, mulheres, crianças, judeus ou não, ricos, pobres etc..

Podemos nos basear nisto para compreendermos este grande valor da vida na comunidade em células, onde todos são chamados à integração no Reino de Deus, sem distinção alguma, para serem discípulos do mesmo e único Senhor Jesus.

Este é um valor que expressa o propósito do discipulado. Deus quer discípulos de todos os povos para viverem tudo o que Ele ordenou, como está escrito: “Portando, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores…” (Mt 28,19).

Nesse valor encontramos o aspecto da catolicidade da fé cristã, ou seja, a salvação é para todos, e por isso todos devem entrar num processo de discipulado (cf. 1 Tm 2,4; Ap 5,9-10; 14,6). Também aprendemos neste “todos” as circunstâncias textuais em que são aplicadas, demonstrando que todos aqueles a quem o Evangelho alcançar, não importando suas condições de sexo, raça ou idade, precisam receber o manto do discipulado e entrar por esta porta de estreita comunhão com o Senhor (cf. Gl 3,27-28).

Ao realizarmos esta tarefa de evangelismo seguido de discipulado, é evidente que temos de respeitar a capacidade de cada pessoa, segundo o momento que está no caminho da salvação, mas não podemos negar a ninguém a instrução para o discipulado, que se evidencia quando o discípulo se integra, de fato, nos valores e na comunhão do Reino de Deus. Cada discípulo precisa ir adentrando mais e mais no Reino por meio da comunhão com o Senhor e com Seus santos, e assim ir sendo retirado da relação com as trevas (cf. 1 Jo 1,7).

Ilustração

Uma pessoa passa duas horas andando no meio do mato e se perde. Logo chega a equipe de resgate e a retira do mato, mas depois certamente demorará mais tempo para que ela retire o mato que trouxe consigo em sua roupa.

Integrar no Reino não é apenas tirar as pessoas do mato do pecado e dos vícios, mas também fazer crescer em suas almas o amor ao Senhor em primeiro lugar, e isso deve ser dado a todos indistintamente e por todo o tempo.

A célula não é um tipo de grupo cristão para dar um pouquinho do Reino aos incrédulos, precisando os mais adiantados de um ‘grupo mais profundo’.

A célula é o lugar de todos expressarem e experimentarem o amor do Senhor na medida em que cada um consegue, mas sendo um caminho aberto de discipulado para todos, segundo o grau de cada um. Por isso nós acreditamos na integração das crianças e dos jovens, por isso as células, mistas ou não, devem ser familiares, porque queremos ser uma comunidade onde todos se enquadrem e, como suportam, experimentem o amor de Deus e cresçam em intimidade com o Senhor e uns com os outros.

Pacto de Lealdade

“Eu escolho amar, edificar e aceitar cada um dos meus irmãos e irmãs, não importa o que digam ou façam. Eu escolho amá-los do jeito que eles são. Nada do que fizeram vai me impedir de amá-los. Posso não concordar com suas ações, mas irei amá-los e fazer tudo para suportá-los pela graça de Deus que habita em mim”.

  • Questões
  1. Qual é a predominância de sua célula atualmente? O que você precisa fazer para que ela se torne uma verdadeira família (onde haja diversidade de pessoas e, sobretudo integração) e não um grupo homogêneo? Ore sobre isso e responda o que vier ao seu coração.
  2. Estamos preparados para acolher a todos em nossa célula? Vida?
  3. Estou aberto ao Espírito para fazer um pacto de lealdade com os irmãos?
? Evangelismo

Colheita: Dar mais atenção aos irmãos e acolher bem a todos. Principalmente os que pretendemos trazer para célula, já irmos preparando o caminho do convite…

Entrega
  • Pedidos: Rezarem por novos líderes e pela Multiplicação de sua célula.
  • Intenções (do mês, de missões, dos membros e da célula)
  • _____________________________________________________________________________________________
  • _____________________________________________________________________________________________
Anotações do Líder

Roteiro – Acolhida e bom tratamento de todas as pessoas – 01/06 a 07/07

Por | ROTEIRO DAS CÉLULAS

Atenção! Confira se esta no roteiro da semana correta.  Este roteiro é para semana de 27/04 a 03/05.

=> Download da versão para Impressão ou dispositivos – ROTEIRO DA REUNIAO DE CELULA SEMANAL – 0106 a 0706

ROTEIRO DA REUNIÃO DE CÉLULA SEMANAL

Nome da Célula: _____________________________________________ DATA: ___/___/___

Líder: __________________________________ Auxiliar: ________________________________

Serie formativa: Ano da colheita – Crescimento nos valores.

Objetivo: Propósito do Evangelismo

Tema da Reunião: Acolhida e bom tratamento de todas as pessoas.

Encontro
  • Fraternidade: Fraternidade: Oração para Partilha do Lanche e Entrosamento.
  • Assunto: Motivar para a próxima grande célula dia 06/06.
  • Pedido: Avisar sobre ajuda na limpeza do salão.
Exaltação
  • Salmo: A Escolha
  • Oração: Orar impondo as mãos uns pelos outros.  
Edificação
  • Escritura: Invoque o Espírito Santo e leia: Hb 13,1-3 e Rm 15, 7
  • Frase para decorar: “Aceitem uns aos outros para a glória de Deus, assim como Cristo aceitou vocês” (Rm 15,7).

Partilha do Líder: Acolhida e bom tratamento de todas as pessoas.

O texto que precede esta citação sobre o valor da acolhida e do bom tratamento às pessoas é muito forte. Está escrito: “Por isso sejamos agradecidos, pois já recebemos um Reino que não pode ser abalado” (Hb 12,28a). De fato, o Reino de Deus já está dentro de nós e nós estamos dentro desde o momento em que aceitamos a Cristo em nossas vidas (cf. Lc 17,20-21).

A acolhida é um momento primordial para a decisão da pessoa em continuar ou desistir, voltar na comunidade ou naquele momento de fraternidade. (Capitulo Acolher, Pg 68 – Livro Faz-me Fiel)

Esse é o reinado interior, quer dizer, o senhorio de Cristo sobre os discípulos. Mas esse reino interior e invisível é a preparação para o reino exterior e definitivo, o mesmo que rogamos no Pai-Nosso: ‘Venha a nós o Vosso Reino…’.

Quando este reinado universal se instaurar definitivamente todas as pessoas haverão de se dobrar diante do Rei e confessar Sua majestade no céu, na terra e nos infernos (cf. Mt 25,31-32; Fp 2,9-11). Mas até que chegue esse momento final da história temos de preparar os caminhos do Reino, ou seja, preparar o caminho para Jesus entrar nos corações e isso se dá pela evangelização (cf. Lc 1,76).

Carregamos dentro de nós essa missão inegociável: salvar vidas, ganhar pessoas para Cristo! (cf. 1 Cor 9,16.22). Isso se dá tanto por meio da constituição de relacionamentos de comunhão (evangelismo por amizades como vimos), como por meio da acolhida, que é a porta de entrada para esse Reino.

O autor de Hebreus fala de uma continuidade: “Continuem a amar uns aos outros como irmãos em Cristo” (13,1). Quer dizer, a comunidade ganha vida sempre que seus membros praticam o uns aos outros, sempre que eles se amam. O amor oxigena o corpo e faz a vida circular. Mas além de cobrar novo ânimo na mutualidade, ele dá outra ordem: “Não deixem de receber bem aqueles que vêm à casa de vocês” (v.2b).

Isso fala do perigo que qualquer comunidade – pequena, como uma única célula ou grande como uma comunidade nova ou paróquia – corre, o perigo de fechar-se. Uns fecham-se em interesses egoístas: preservar posição, cargo e ministério; outros, porém, podem fechar-se à acolhida em nome da “preservação da comunhão”.

Aparentemente um motivo justo, mas, se analisado à luz das Escrituras, tão pernicioso quanto o primeiro. O fato é que a nossa comunhão precisa transbordar em evangelização e a nossa evangelização deve culminar em comunhão.

Na Bíblia da CNBB se diz: “Não descuides da HOSPITALIDADE”. Essa palavra nos faz lembrar de outras de outras como hospedaria e hospital.

Hóspede deriva de um termo latino: hospes, que tem o sentido de “alimentar, nutrir, suprir”. Era usado, sobretudo com pastores que cuidavam do gado, provendo bons pastos. Nesse sentido tem a ver com “hospital”, lugar de cuidados e socorro. Também daí vem a palavra “hóstia”, cujo sentido é vítima oferecida em sacrifício para alimentar.

Com tudo isso, vemos que acolhida deve ser muito mais do que o simples gesto de recepcionar bem as pessoas no templo e nas casas (células). Vai além de sorriso, aperto de mão e entrega de folheto… acolher é dar-se, é ter a consciência de que o que nos visita possivelmente é um enfermo que precisa de cura ou um faminto que carece de alimento. A acolhida aos outros deve ter por medida a acolhida de Cristo a nós (cf. Rm 15,7).

A célula hospitaleira é, na verdade, um hospital, e o que é um hospital senão um lugar de cura, de provisão das necessidades espirituais e materiais!? É isso!

A Igreja é o hospital onde o Médico dos médicos atende, mas para que as pessoas cheguem Nele muitas vezes passam por nós, por nossa ministração ou serviço, como a calorosa acolhida e o bom tratamento, por isso Jesus falou da Igreja como hospedaria (cf. Lc 10,34).

Quem acolhe o outro com amor é como uma hóstia viva ao seu irmão: “Exorto-vos, portanto, irmãos, pela misericórdia de Deus, a que ofereçais vossos corpos como hóstia viva, santa e agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual” (Rm 12,1 – Bíblia de Jerusalém).

  • Questões
  1. Como acolhemos nossos irmãos na fé? Acolhemos só por educação ou desejo a salvação para ele?
  2. Estamos preparados para acolher a todos os “estrangeiros” em nossa célula?
  3. O que podemos fazer para acolher melhor uns aos outros?
? Evangelismo
  • Colheita: Dar mais atenção aos irmãos e acolher bem a todos. Principalmente os que pretendemos trazer para célula, já irmos preparando o caminho do convite…
Entrega
  • Pedidos: Rezarem por novos líderes e pela Multiplicação de sua célula.
  • Intenções (do mês, de missões, dos membros e da célula)

_____________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________

Anotações do Líder

 

Fidelidade ao carisma do fundador

Por | FORMAÇÕES

“Repassar a própria história é indispensável para manter viva a identidade e também robustecer a unidade da família e o sentido de pertença dos seus membros (…); Não se trata de fazer arqueologia nem cultivar inúteis nostalgias, mas de repercorrer o caminho das gerações passadas para nele captar a centelha inspiradora, os ideais, os projetos, os valores que as moveram, a começar pelos fundadores, as fundadoras e as primeiras comunidades” (Objetivos do ano da Vida Consagrada – Papa Francisco).

A origem de um carisma de fundação está em Deus, que comunica-o a quem, como e quando quer. É preciso ler o carisma na história do fundador, sua experiência de Deus, e nele nos identificarmos.

O carisma de fundação trás em si uma revelação do Mistério de Deus, que dá-se a conhecer ao homem. Portanto, o carisma me leva a uma experiência profunda de Deus e a um encontro com a minha verdadeira identidade, que está em Deus, porquanto Ele disse: “Façamos o homem à nossa imagem, como nossa semelhança” (Gn 1,26 – Bíblia de Jerusalém).

Na medida em que o homem vai conhecendo a Deus, vai descobrindo a sua dignidade, a identidade de filho de Deus. Biologicamente trazemos em nós as características genéticas herdadas dos nossos pais: olho, pele, cabelo, nariz… Somos a soma dos genes do pai e da mãe. Quando crescemos, buscamos identificar em nós essas semelhanças.

Há aspectos também na vida do fundador que precisamos nos identificar, afinal, a graça que ele recebeu o torna um “pai espiritual”.

De onde vem a vida e a força das Novas Comunidades? É o Espírito Santo que dá essa força através do carisma de fundação das Novas Comunidades.

O que é um carisma de fundação? É aquele carisma que fez nascer, que deu origem à comunidade. E como ele se manifesta? É um dom de Deus, não é dá carne, é Deus quem dá a quem Ele quer de acordo com a necessidade que a Igreja tem para cada tempo.

Fundador é um dom, uma graça. É Deus que se revela a uma pessoa e ela vai encarnando na vida essa experiência de Deus, esse seguimento a pessoa de Jesus. A maneira com que ele vive essa experiência vai atraindo outras pessoas. Carisma originário é isso, uma forma particular de viver o evangelho que vai gerando um estilo de vida, que trás uma característica diferente, uma forma particular de serviço em favor da Igreja e da humanidade.

Carisma é novidade, tem sempre uma forma nova, pois Deus não repete. O carisma de cada comunidade é diverso, pois Deus é criativo, faz tudo novo. Essa novidade gera afinidade espiritual e gera a comunidade.

O fundador é aquele que inicia dando a sua vida. Quanto mais o fundador e os primeiros dão a sua vida como o mistério da cruz, o carisma vai transbordando e gerando uma família espiritual que vai sendo impulsionado para a missão. Uma Nova Comunidade não existe para si mesma, é gerada por Deus para ir em busca do povo afastado e perdido, de um povo ferido que desconhece a alegria da vida, que desconhece Jesus Cristo, por isso Deus gera as Comunidades para a missão.

Sejamos a luz do carisma recebido, sem querer imitar ninguém, pois o carisma é único. Deus está gerando uma realidade nova para servir a Igreja esse carisma é para o bem da igreja. A comunidade só tem sentido se ela estiver embelezando a Igreja.

Roteiro – Célula, pequeno grupo de relacionamento – 11/05 a 17/05

Por | ROTEIRO DAS CÉLULAS

Atenção! Confira se esta no roteiro da semana correta.  Este roteiro é para semana de 27/04 a 03/05.

=> Download da versão para Impressão ou dispositivos – ROTEIRO DA REUNIAO DE CELULA SEMANAL – 1105 a 1705

ROTEIRO DA REUNIÃO DE CÉLULA SEMANAL

Nome da Célula: _____________________________________________ DATA: ___/___/___

Líder: __________________________________ Auxiliar: ________________________________

Serie formativa: Ano da colheita – Crescimento nos valores

Objetivo: retomar a visão dos valores básicos de nossa comunidade e sua aplicação prática por meio dos 5 propósitos de Deus para a Igreja

Tema da Reunião: Célula, pequeno grupo de relacionamento

Encontro
  • Fraternidade: Fraternidade: Oração para Partilha do Lanche e Entrosamento.
  • Assunto: Motivar para a próxima grande célula dia 06/06.
Exaltação
  • Louvor: Eu te busco
  • Adoração: Espírito enche a minha vida.
Edificação
  • Escritura: Ef 2,13-22 / 1 Pedro 2,1-10
  • Frase para decorar: “Você é Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e nem a morte poderá vencê-la” (Mt 16,18).
  • Partilha do Líder: Célula, pequeno grupo de relacionamento

Que diferença há entre uma parede e uma pilha de tijolos?

Há algum tempo, um depósito de materiais para construção resolveu fazer seu muro com os próprios blocos de cimento que vendia, mas para não gastar outros materiais usava as pilhas de blocos soltos e assim mantinha o local cercado.

Porém, a cada nova viagem de tijolos que vendia era preciso repor outra pilha no local da anterior, senão a loja ficava desguarnecida. Isso sem dúvidas gerava alguns inconvenientes: um grande trabalho de mão de obra permanente; o muro nunca podia ser tão alto, pois a pilha se desequilibraria; os passantes podiam sempre levar algum tijolo da pilha para prejuízo do comerciante, sendo que além de perder o que fora roubado, também perdia outros que acabavam caindo por falta daquela peça.

Pois bem, nos utilizamos dessa imagem para penetrar com maior proveito na assimilação deste grande valor de comunhão que definimos como célula, pequeno grupo de relacionamento.

Leia agora: Ef 2,13-22. Não é este o primeiro texto bíblico que argumenta sobre a comunidade cristã como um edifício feito de pedras vivas. Veja também: 1 Pedro 2,1-10.

Curioso que os textos procedem respectivamente das duas principais colunas da Igreja: Paulo e Pedro. Portanto, tais afirmações não podem ser consideradas como recurso retórico, mas falam de uma verdade profunda sobre a nossa união com Cristo e uns com os outros. Essa união deve materializar-se, e por isso mesmo o Senhor Jesus fundou SUA IGREJA (cf. Mt 16,16-18) sobre os 12 apóstolos (um pequeno grupo originalmente de relacionamento), dos quais escolheu Simão (a quem chamou Cefas) como pedra visível de edificação e sustento (cf. Jo 1,42).

A comunidade cristã enraizada em Pedro é, portanto, a materialização desse edifício essencialmente espiritual, e nós, como uma comunidade católica, estamos nesta condição, reproduzindo-a na vida prática através de cada célula.

Outras imagens poderiam ser usadas para nos falar dessa verdade como o corpo humano (cf. 1 Cor 12,12-28) ou a família (cf. Ef 2,19). Ora, a comunidade cristã é tudo isto: edifício, corpo e família de Deus. A Igreja, a comunidade, não é um edifício material ou organizacional, nem mesmo um organismo humano, ainda que o consideremos espiritual, mas é a família de Deus. Sim, cada célula é uma miniatura desta família de Deus e não um mero grupo portador de uma estrutura, norma e método.

É um propósito bem definido por Jesus que tenhamos comunhão fraterna (cf. Jo 15,34-35), mas se nos determos apenas em estruturas físicas como prédios (templos), leis (normas e doutrinas) ou estratégias (programas, ministérios e planos de ação), nós não atingiremos este propósito.

Na comunidade nós temos as células como um valor inegociável, porque elas nos fazem pertencer a algo muito maior que uma organização, nos torna parte de um organismo vivo onde os membros devem relacionar-se entre si para realizarem mais que coisas, realizar pessoas segundo o sonho de Deus.

Os pequenos grupos de relacionamentos nos fazem perceber que realmente somos membros do CORPO MÍSTICO DE CRISTO e PEDRAS VIVAS de um edifício espiritual (cf. 1 Cor 12,27; 1 Pd 2,5).

Encerramos respondendo à pergunta inicial: a diferença está em que os tijolos da parede estão unidos por uma argamassa, enquanto a pilha de blocos se faz de pedras soltas. A argamassa é o amor posto em prática no relacionamento dos membros. Por esta razão o NT liga o ensino do corpo místico ao hino do amor cristão (cf. 1 Coríntios 12, 31-13 – 13,13).

Somos material trazido das trevas a preço de sangue, para nos unirmos em amor e assim vivermos a prática da comunidade cristã, que não pode parar de crescer em todas as dimensões. Isso é muito bem realizável por meio das células, que são Igreja no sentido mais original do termo e devem ver-se assim.

  • Questões
  1. Qual era o tamanho do primeiro núcleo da Igreja? Como você justifica esse formato (vantagens, finalidades etc.)? (Mc 3, 13-14).
  2. Como deve ser a nossa relação dentro das células e da comunidade como um todo? (1 Cor 12,12-31).
  3. De forma concreta, o que você precisa fazer para melhorar o relacionamento fraterno na comunidade? (1 Cor 13).
Evangelismo
  • Colheita: Falar em voz audível (os que quiserem) um proposito santo para semana.
Entrega
  • Pedidos: Rezarem por novos líderes e pela Multiplicação de sua célula.
  • Intenções (do mês, de missões, dos membros e da célula)

_____________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________

Anotações do Líder